O POVO DE GEOGRAFIA E A POLÍTICA DE CURRÍCULO: TRADUÇÃO E ORIGINALIDADE

Hugo Heleno Camilo Costa

Resumo


Hugo Heleno Camilo Costa

DOI: 10.12957/periferia.2014.17253

Neste texto discuto as políticas de currículo para Geografia no nível médio, focalizando a tensão entre os discursos do currículo integrado com o disciplinar pela via do significante interdisciplinaridade. Baseados em análises de documentos curriculares oficiais e entrevistas realizadas com lideranças acadêmicas envolvidas na produção de tais textos, ressalto processos de tradução desencadeados pelas subjetivações constituídas nas articulações que garantem determinadas fixações na política. Destaco os processos articulatórios produzidos nessa política e as vias de negociação de diferentes identificações com discursos oficiais, também considerados hegemônicos. Penso tais dinâmicas a partir da teoria do discurso, de Laclau; do pensamento desconstrucionista, de Derrida; e dos estudos que Lopes vem realizando desses aportes para o campo de pesquisa em Políticas de Currículo. Busco conceber as articulações como não subordinadas a condicionantes históricos, corporativos, científicos, disciplinares ou a partidarismos políticos, mas como respostas ao que, contextualmente, passa a ser considerado uma ameaça.


Palavras-chave


Políticas de currículo; ensino de Geografia; subjetivação; integração curricular; pós-fundacionismo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2014.17253

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540