Arthur Schnitzler, o duplo de Freud, e o conceito de histeria em Senhorita Else e Crônica de uma vida de mulher

Érica Schlude Wels

Resumo


No presente artigo, faz-se uso da literatura
como lócus privilegiado de produção de
saberes, sem se opor à noção de verdade
ou de realidade. Nesse sentido, acredita-
se que a literatura antecipa saberes e dá
voz a discursos marginais. A cidade de
Viena da virada do século XIX para o XX
traduz o Zeitgeist (espírito da época), pois,
centro da modernidade artística, cultiva
grande interesse pelos temas do mundo
interior e apresenta, em seu
desenvolvimento social e arquitetônico,
modernidade e tradição. A decadência da
ordem imperial entra em choque com as
novas correntes de pensamento,
configurando um Ortgeist (espírito de
lugar) marcado pela ambivalência. Nesse
manancial, desenvolvem-se as obras de
Sigmund Freud (1856-1939) e Arthur
Schnitzler (1862-1931), este o duplo
(Doppelgänger) do Pai da Psicanálise. Na
obra de Schnitzler, o conceito de histeria
ganha voz e corpo nas personagens Else,
de Senhorita Else (1924), e Therese, de
Crônica de uma Vida de Mulher (1928).

Palavras-chave


Viena, histeria, Schnitzler.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2018.38358

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Érica Schlude Wels

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.