O ESTADO COMO LEVIATÃ NA VIDA COTIDIANA DO PESCADOR ARTESANAL NA BAÍA DE SEPETIBA

Antonio Lopes Ferreira Vinhas

Resumo


O artigo tem como objetivo a análise da intervenção do Estado na vida cotidiana do pescador artesanal na Baía de Sepetiba. Usamos a metáfora bíblica, apropriada por Thomas Hobbes do monstro Leviatã para tratar das intervenções do Estado na Baía de Sepetiba, que revela as contradições do capital na vida cotidiana do pescador artesanal. A partir da tríade analítica espaço, cotidiano e ação, podemos compreender como esta intervenção na vida cotidiana do pescador artesanal se realiza além das possibilidades de sobrevivência, que surgem com as microrresistências.

Palavras-chave


Estado, portos, pescador artesanal e cotidiano.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/hne.2018.35710




e-ISSN: 2317-8361 | DOI da revista: http://doi.org/10.12957/hne