A Energia na Política Externa Brasileira

Renata Albuquerque Ribeiro

Resumo


Sendo a energia um elemento essencial para atingir o desenvolvimento e a autonomia é interessante mostrar como ocorre o diálogo entre os objetivos da Política externa e a segurança energética. Este artigo tem por objetivo demonstrar historicamente como aconteceram esses esforços, observando as realizações associadas à PEB para energia. Assim, partimos para a análise seguindo a ordem cronológica: da Era Vargas à Ditadura Militar; a Ditadura Militar; da Redemocratização aos anos 2000; e o século XXI. Por último, conclui-se que as ações externas para energia realizadas pelo Estado estão de acordo com o projeto de desenvolvimento e autonomia do país.

Palavras-chave


Política Externa Brasileira- Energia- Desenvolvimento

Texto completo:

PDF

Referências


CERVO, A. L. (2008). Inserção Internacional: Formação dos Conceitos Brasileiros. 1. ed. São Paulo: Saraiva, v. 1. 297p.

CERVO, A. L. ; BUENO, C. (2010) . História da política exterior do Brasil. 4. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, v. 1. 595p .

DANESE, Sergio (1999). Diplomacia Presidencial: História e Crítica. Rio de Janeiro, Topbooks.

DEUTSCH, Karl (1970) El análisis de las relaciones internacionales. Buenos Aires: Amorrortu.

DIAS LEITE, Antonio (2007). A Energia do Brasil. Rio de Janeiro: Elselvier.

FAUSTO, B.(2010). História do Brasil. 13 ed., São Paulo, Editora Universidade de São Paulo.

FUSER, Igor. (2013) Energia e Relações Internacionais. São Paulo, Saraiva.

LIGIÉRO, L.F. (2011) A autonomia na política externa brasileira: a política externa independente e o pragmatismo responsável: momentos diferentes, políticas semelhantes? – Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão. 412 p.

LUZ, A. J. ; PEREIRA, A. E. (2011) . A questão energética e seus reflexos na orientação das políticas externas da China e do Brasil (2000-2010). In: 35º Encontro Anual da ANPOCS, 2011, Caxambu. Anais do 35º Encontro Anual da Anpocs, Caxambu/MG, p. 1-31.

MEDEIROS, D.M. (2010) A Energia como Variável Estratégica da Política Externa Brasileira. Dissertação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2010.

MRE, ENERGIAS RENOVÁVEIS E TEMAS CORRELATOS: LEVANTAMENTO DOS ATOS INTERNACIONAIS DO BRASIL, 2011. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/temas/balanco-de-politica-externa-2003-2010/3.2.11-anexo-temas-multilaterais.-energias-renovaveis Acesso em: 15/09/2014.

OLIVEIRA, A. J. e PFEIFER, A. (2005) O Empresariado e a Política Exterior do Brasil, in H. Altemani e A. C. Lessa (orgs.), Relações Internacionais do Brasil: Temas e Agendas. São Paulo: Saraiva, pp. 389-428, 2005.

PINHEIRO, L.(2010) Política externa Brasileira. Rio de Janeiro Editora Zahar, 2 ed.

SANTANA, C. R. (2006) O aprofundamento das relações do Brasil com os países do Oriente Médio durante os dois choques do petróleo da década de 1970: um exemplo de ação pragmática, Rev. Bras. Polít. Int. 49 (2): 157-177.

SENNES, R.U.; Narciso, T. (2009) Brazil as an International Energy Player, in Lael Brainard and Leonardo Martinez-Diaz eds., Brazil as an Economic Superpower? Understanding Brazil’s Changing Role in the Global Economy Washington, D.C.: Brookings Institution Press, forthcoming.




DOI: https://doi.org/10.12957/neiba.2015.13837

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Indexada em | Indexed by:

 Academia.edu  

 

 

ISSN: 2317-3459 (Qualis B2)

PPGRI - Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais

Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão - João Lyra Filho, 9ºandar, Bloco F, sala 9037, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ - Cep: 20550-013 - Tel. fax: (021) 2334 0678 /// E.mail – uerjneiba@gmail.com