Since Imperial Viscounts until Republican Barons: “region” at the conservative diplomatic lineage at Itamaraty (1840s to 1930s)

João Catraio Aguiar

Resumo


Pretende-se realizar um esboço de investigação, neste trabalho, focado no conceito de “região” dentro da linhagem conservadora do Itamaraty. Para tanto, serão analisados principais aspectos desse grupo – associado aos “saquaremas” do Segundo Reinado, e aos antiliberais da Primeira República. A análise anseia demonstrar que há revisões de preferências regionais durante o período oligárquico. Pode-se dizer que, ação e o pensamento conservadores estavam embebidos do viés centralizador, realista e “iberista”, nesse período, no que se refere à “região”.


Palavras-chave


Política Externa Brasileira; Pensamento Político-Diplomático Brasileiro; Regionalismo

Texto completo:

PDF

Referências


BIBLIOGRAFIA:

BARRETO, Fernando de Melo (2001). Os Sucessores do Barão: relações exteriores do Brasil (1912-1964). São Paulo: Paz e Terra.

BETHELL, Leslie (2009). O Brasil e a ideia de “América Latina” em perspectiva histórica. Estudos Históricos. Vol. 22, n. 44, p. 289-321.

________. O Brasil no mundo. CARVALHO, José Murilo de. (Org.) (2012). História do Brasil nação: 1808-2010. Vol. 2: A abertura para o mundo: 1830-1889. RJ: Objetiva.

CARVALHO, José Murilo de (2006). Forças Armadas e Política no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.

__________ (2008). A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro das sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CASTRO, Fernando V. (2012). Pensando um continente: a Revista Americana e a criação de um projeto cultural para a América do Sul. Rio de Janeiro: Mauad X, FAPERJ.

CERVO, Amado Luiz (1981). O Parlamento Brasileiro e as Relações Exteriores (1826-1889). Brasília, DF: UNB.

DOMINGUES, José Maurício (2003). Do ocidente à modernidade: intelectuais e mudança social. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

FALCON, Francisco; MOURA, Gerson (1981). A formação do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Campus.

FELDMAN, Luiz (2009). Soberania e modernização no Brasil: pensamento de política externa no Segundo Reinado e na Primeira República. Contexto Internacional. Vol. 31, N. 3, pp. 535-592.

FERREIRA, Gabriela Nunes. Paulino José Soares de Souza (Visconde do Uruguai): a construção dos instrumentos da diplomacia brasileira. In: PIMENTEL, J. V. de S. (Org.) (2013). Pensamento diplomático brasileiro: formuladores e agentes da política externa (1750-1964). Volume I. Brasília, DF: FUNAG. p. 123-158.

GARCIA, Eugênio Vargas (2005). O Brasil e a Liga das Nações (1919-1926). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

GARCIA, Eugênio Vargas (2006). Entre América e Europa: a política externa brasileira na década de 1920. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, FUNAG.

HURRELL, Andrew (2007). One World? Many Worlds? The place of regions in the study of international society. International Affairs. Vol. 83. N.1. pp.151-166.

KOSELLECK, R. (2003). Aceleración, prognosis y secularización. Valencia: Pre-Textos.

LESSA, Antônio Carlos (2005). História das Relações Internacionais: A Pax Britannica e o mundo do século XIX. Petrópolis: Vozes.

LESSA, Mônica Leite (2001). A diplomacia cultural francesa e o centenário da independência do Brasil. Revista do SBPH, N. 20, p. 55-64.

LYNCH, Christian E. C. Da monarquia à Oligarquia: a construção do Estado, as instituições e a representação política no Brasil (1822-1930). In: MAGALHÃES; Rejane M. de A.; PEREIRA, Soraia F. R. (Org.) (2012). Campanha Civilista: correspondência e estudos. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa. pp. 117-247.

MATTOS, Ilmar Rohloff de (2004). O tempo saquarema. São Paulo: Hucitec.

________. Paulino José Soares de Souza (Visconde do Uruguay – 1807-1866): Ensaio sobre o direito administrativo. In: PRADO, M. E. (org.) (2012). Dicionário do pensamento brasileiro: obras políticas do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Revan. pp. 213-221.

MONIZ BANDEIRA, Luiz Alberto (2010). Brasil, Argentina e Estados Unidos: conflito e integração na América do Sul (da Tríplice Aliança ao Mercosul). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MOURA, Cristina Patriota de (2000). Herança e Metamorfose: a construção social de dois Rio Branco. Estudos Históricos. Vol. 14. N. 25. pp. 81-101.

NAPOLEÃO, Aluizio (1999). Rio Branco e as relações entre o Brasil e os Estados Unidos. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército.

PARANHOS, José Maria da Silva (2008). Cartas ao amigo ausente. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras.

PINHEIRO, Letícia (2004). Política Externa Brasileira (1889-2002). Rio de Janeiro: Zahar.

PRADO, Eduardo (1980). A ilusão americana. São Paulo: IBRASA.

PREUSS, Ori (2011). Bridging the island: Brazilians’ views of Spanish America and themselves, 1865-1912. Madrid: Iberoamericana.

RICUPERO, Rubens. José Maria da Silva Paranhos Júnior (Barão do Rio Branco): a fundação da política exterior da República. In: PIMENTEL, José Vicente de Sá (Org.) (2013). Pensamento diplomático brasileiro: formuladores e agentes da política externa (1750-1964). Volume II. Brasília, DF: FUNAG. pp. 405-440.

SANTOS, Luís Cláudio Villafañe G. (2010). O dia em que adiaram o carnaval: política externa e a construção do Brasil. São Paulo: Editora UNESP.

SILVA, José Luiz Werneck da. I. A inserção europeia e o equilíbrio platino. In: SILVA, J. L. W. da; GONÇALVES, W. (orgs.) (2009). Relações Exteriores do Brasil I (1808-1930): a política externa do sistema agroexportador. Petrópolis: Vozes. pp. 31-98.

SUPPO, Hugo R. O papel da dimensão cultural nos principais paradigmas das Relações Internacionais. LESSA, Mônica L.; SUPPO, H. R. (Org.) (2012). A quarta dimensão das Relações Internacionais: a dimensão cultural. Rio de Janeiro: Contra Capa. pp. 13-43.

TEIXEIRA SOARES, Álvaro (1975). História da formação das fronteiras do Brasil. Rio de Janeiro: Conquista.

TORRES, Alberto (1913). Le problème mondial. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

__________ (1938). Problema nacional brasileiro: introducção a um programa de Organização Nacional. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional.

TORRES, Miguel Gustavo de Paiva (2011). Visconde do Uruguai e sua atuação diplomática para a consolidação da política externa do Império. Brasília, DF: FUNAG.

VIANNA, Luiz Werneck (2004). A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan.




DOI: https://doi.org/10.12957/neiba.2015.13818

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Indexada em | Indexed by:

 Academia.edu  

 

 

ISSN: 2317-3459 (Qualis B2)

PPGRI - Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais

Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão - João Lyra Filho, 9ºandar, Bloco F, sala 9037, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ - Cep: 20550-013 - Tel. fax: (021) 2334 0678 /// E.mail – uerjneiba@gmail.com