CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO

A revista Matraga, da Pós-Graduação em Letras da UERJ, está recebendo artigos e resenhas para os próximos números, aceitando textos em português, inglês, espanhol e francês. Os artigos são submetidos ao sistema de pareceristas duplo-cego e devem seguir rigorosamente as normas de formatação da revista.

Confira a seguir chamadas completas. As submissões são online.

 


MATRAGA 54
Será dedicado aos Estudos Literários, com o tema A literatura do real.

Ementa:
Inserida numa longa tradição que remontaria a Homero, a literatura do real se perpetua no século XXI ao evitar a imaginação servil, as convenções e os estereótipos. Provocadora, propõe criar a partir de lentes pouco deformantes – questão poética que coloca em xeque a capacidade do escritor de apreender e transformar o real em narrativa ou poesia, com o desafio de associar lógica ficcional e mímesis, visando a ilusão realista que propunha o escritor francês Guy de Maupassant na segunda metade do século XIX. Naquele momento, o naturalismo levava adiante a concepção realista do romance, rompendo fronteiras nacionais e atraindo escritores do mundo todo que o adotam como forma de se alinhar à modernidade. A realidade material, brutal, corporal e por vezes suja vira matéria romanesca e poética. Na busca de retratar a vida como ela é, o real é representado com distanciamento científico e interferência mínima do narrador, que evita julgamentos morais ou intenções apaziguadoras. O impacto e a novidade da ficcionalização desse real foram tremendos no século XIX, tendo sido o naturalismo muitas vezes associado a outra literatura do real mais antiga, a libertina e pornográfica. Tais métodos de criação e formas de expressão foram retomados por escritores e artistas ao longo dos séculos XX e XXI como forma de representar o real na literatura, na pintura, na fotografia, no teatro, no cinema e na teledramaturgia, mídias que aí encontram um modo legítimo e impactante de se falar sobre o indivíduo nas sociedades, diante de mazelas, exclusões e diferentes configurações da violência, seja ela física, psicológica ou simbólica. A expressão da realidade repulsiva, a preferência por personagens marginalizados, a observação e a análise de conflitos sociais, de temas como a pobreza, a injustiça, a miséria, o preconceito racial, a diversidade e a opressão sexuais, constituem elementos ainda recorrentes desta literatura que se renova na contemporaneidade. Este número da revista Matraga acolhe trabalhos que abordem a literatura do real em suas diversas manifestações, como por exemplo no naturalismo oitocentista, no regionalismo da década de 1930, no “romance-reportagem” da década de 1970, na literatura pornográfica e nas obras de escritores contemporâneos.

Editores: Leonardo Mendes (UERJ) e Pedro Paulo Catharina (UFRJ).

Cronograma:
Submissão de artigos e resenhas: até 31/03/2021
Publicação: setembro de 2021


MATRAGA 53
Será dedicado aos Estudos Linguísticos, com o tema Língua e linguagem em tempos de incerteza: pandemia, preconceito e política.

Ementa:
Considerando esse período de incerteza causado pelo novo coronavírus, que provocou a necessidade de isolamento físico e social, fomos forçados a reinventar nossos espaços e processos comunicativos e, também levados a reconhecer diferenças sociais, econômicas, políticas e culturais, com as quais, de certa forma, convivemos sem tanta clareza. Associando- se a tal contexto de insegurança, a mediação virtual parece ter aberto espaço a expressão de todos os tipos de pensamentos e ideias, independente de constrições sociais, éticas ou morais. A nova realidade é a coexistência de temas antagônicos, tais como esperança e morte, liberdade de expressão e preconceito e reacionarismo. Enquanto alguns comunicam e compartilham receitas culinárias, atividades infantis, práticas de meditação e solidariedade, e empenham-se em proporcionar novas práticas educativas remotas; outros manifestam o preconceito e a indiferença à morte, à pobreza, à opressão sexual e religiosa, ou a aceitação da corrupção política. Neste número da Matraga, acolheremos artigos que debatam os fenômenos linguísticos nessa miríade de contextos de incerteza, seja de cunho analítico do discurso ou de características linguísticas. São também de interesse, artigos que enfoquem metodologias e desenvolvimento de atividades e práticas de ensino de língua em ambiente virtual.

Editores: Patricia Pereira Bertoli (UERJ) & Flavia Azeredo-Cerqueira (Johns Hopkins University, EUA).

Cronograma:
Submissão de artigos e resenhas: até 30/11/2020 prorrogado até 31/12/2020.
Publicação: maio de 2021


MATRAGA 52
Será dedicado aos Estudos Linguísticos e aos Estudos Literários, com tema livre.

Ementa:
Acolhem-se artigos inéditos e resenhas nos campos dos estudos literários e linguísticos.

Editores: Ieda Magri (UERJ) & André Conforte (UERJ).

Cronograma:
Submissão de artigos e resenhas: até 31/07/2020. [ENCERRADA]
Publicação: janeiro de 2021.


MATRAGA 51
Será dedicado aos Estudos Literários, com o tema A prosa modernista na contemporaneidade.

Ementa:
Ao atravessarmos o marco centenário dos movimentos de vanguarda, o conceito de uma prosa modernista passa por uma série de revisões políticas, teóricas e estéticas. Historicamente, as leituras críticas do modernismo culminaram em abordagens que, por vezes, privilegiavam a ruptura dos escritores modernistas com as tradições literárias às quais respondiam, um procedimento frequentemente mal-informado pelo “make it new” de Ezra Pound, e que, por outras, alienavam a escrita modernista do nosso tempo, especialmente ao depreender o “pós” de pós-modernismo como uma correção política e/ou estética do passado. Uma questão importante a ser colocada aqui é por que a crítica pós-modernista do modernismo se concentrou tão fortemente na prosa. A “revolução da palavra” do modernismo se deu realmente em prosa? A crítica modernista contemporânea ainda é preponderantemente sobre a prosa? Este número da Matraga convida trabalhos que abordem reavaliações e reposicionamentos do modernismo, com foco na prosa modernista e suas crises em releituras e reescritas contemporâneas. Acolheremos novos trabalhos sobre/em todas as muitas formas do que pode ser entendido por “prosa modernista”, como, por exemplo, mas não apenas: o ensaio, a prosa poética, o folhetim (feuilleton), o esboço (sketch), o manifesto, a reportagem, a memoir, a biografia, o diário ou a ficção – aqui, um termo que pode subsumir todos os outros. Interessa-nos pensar a permanência das diversas crises que a primeira metade do século XX encena em escala global.

Editores: Prof. Dr. Davi Pinho (UERJ) & Profa. Dra. Jane Goldman (University of Glasgow).

Cronograma:
Submissão de artigos e resenhas: até 31/03/2020 prorrogado até 15/04/2020. [ENCERRADA]
Publicação: setembro de 2020.


Os artigos não devem exceder 25 páginas.

As resenhas não devem exceder 8 páginas.

Consulte as normas para a publicação nas orientações aos autores, que contém um tutorial passo a passo para submissão online.