Trabalhando nos mares: marinheiras e marinheiros africanos nos navios da Companhia de Comércio do Grão Pará e Maranhão

Marley Antonia Silva da Silva, Cristiane Pinheiro Santos Jacinto

Resumo


O artigo versa sobre as marinheiras e marinheiros africanos que atuaram nos navios da Companhia de Comércio do Grão Pará e Maranhão, nas viagens entre os portos do norte de África e os portos do norte da América Portuguesa. Utilizamos a documentação do Arquivo Histórico Ultramarino, em Lisboa, e as listas dos escravos grumetes a serviço da Companhia. Analisamos o período entre 1756, quando de fato foram iniciadas as atividades da empresa, e 1779, data do último registro da documentação consultada. O enfoque sobre escravizadas e os escravizados marinheiras e marinheiros, colabora para deslindar aspectos do trabalho nos navios, durante a travessia entre África, Maranhão e Grão Pará.


Palavras-chave


Marinheiros e Marinheiras; Companhia de Comércio do Grão Pará e Maranhão; Escravidão e Trabalho; História Atlântica

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Jean Luiz Neves. Nos domínios do corpo: o saber médico luso-brasileiro no século XVIII. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2011.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul – séculos XVII e VXIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ALMEIDA, Rita Heloísa de. O diretório dos índios: um projeto de “civilização” dos índios do século XVIII. Brasília: Ed. UnB, 1997.

ARMITAGE, David. Três conceitos de História Atlântica. História Unisinos, São Leopoldo (RS), v. 18, n. 2, p.206-217, maio-ago. 2014.

BARBOSA, Benedito Carlos Costa. Em outras margens do Atlântico: tráfico negreiro para o Estado do Maranhão e Grão-Pará (1707-1750). 2009. Dissertação (Mestrado em História Social da Amazônia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

BARBOSA, Benedito Carlos Costa. No tempo das bexigas: rastros de uma epidêmica moléstia no Grão-Pará colonial (1755-1819). 2019. Tese (Doutorado em História das Ciências e da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, 2019.

BARROSO JUNIOR, Reinaldo dos Santos. Nas rotas do atlântico equatorial: tráfico de escravos rizicultores da Alta-Guiné para o Maranhão (1770-1800). 2009. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

BATISTA, Regina Célia Correa. Escravidão de africanos e fabricação de madeiras no Grão-Pará na segunda metade do século XVIII. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 12, n. ed. esp., p. 71-88, ago. 2020.

BEZERRA NETO, José Maia. Escravidão Negra no Pará (séculos XVII-XIX). Belém: Paka Tatu, 2012.

BUTLER, Kim D.; DOMINGUES, Petrônio. Diásporas imaginadas: Atlântico negro e histórias afro-brasileiras. São Paulo: Perspectiva, 2020.

CANDIDO, Mariana Pinho. Different Slave Journeys: Enslaved African Seamenon Board of Portuguese Ships, c. 1760-1820s. Slavery & Abolition, Londres, v. 31, n. 3, 2010.

CARREIRA, Antonio. A Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão. Vol. 2: Documentos (O comércio intercontinental Portugal-África-Brasil na segunda metade do século XVIII). São Paulo: Ed. Nac., 1988.

CARREIRA, Antonio. As Companhias pombalinas de navegação, comércio e tráfico de escravos entre a Costa Africana e o Nordeste Brasileiro. Bissau: Centro de Estudos da Guiné Portuguesa, 1969.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Escravos do Atlântico equatorial: tráfico negreiro para o estado do Maranhão e Pará (séculos XVII e início do XVIII). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 26, n. 52, p. 79-114, 2006.

DIAS, Manuel Nunes. Fomento e Mercantilismo: A Companhia Geral do Grão Pará e Maranhão (1775-1778). Vol. 1. Belém: UFPA, 1970. 2 vols.

DOMINGUÊS, Ângela. Quando os índios eram vassalos: colonização e relações de poder no Norte do Brasil na segunda metade do século XVIII. Lisboa: CNCDP, 2000.

FERREIRA, Roquinaldo Amaral. Cross-cultural exchange in the Atlantic World: Angola and Brazil during the Era of the Slave Trade. Cambridge: Cambridge Univ. Press, 2012.

FLORENTINO, Manolo. Em costas negras: uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

JACINTO, Cristiane Pinheiro Santos. Caminhos entrecruzados: tráfico transatlântico e interno de escravos no Maranhão do fim do século XVIII. Anais do [...]. 9º Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional. Florianópolis, 2019.

LAHON, Didier. Eles vão, eles vêm. Escravos e libertos negros entre Lisboa e o Grão-Pará e Maranhão (séc. XVII-XIX). Revista Estudos Amazônicos, Belém, v. 6, n. 1, p. 70-99, 2011.

LAW, Robin; MANN Kristin. West Africa in the Atlantic Commmunity: the Case of the Slave Coast. William and Mary Quarterly, 3ª s., v. 56, n. 2, p. 307-334, 1999.

LINEBAUGH, Peter; REDIKER, Marcus. A hidra de muitas cabeças: marinheiros, escravos, plebeus e a história oculta do Atlântico revolucionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

LOBO, Marcelo Ferreira. No mar e na terra: manumissão de escravos e vivências de liberdade (1796-1803). In: BEZERRA NETO, José Maia; LOBO, Marcelo Ferreira; LAURINDO JÚNIOR, Luiz Carlos (Orgs.). Escravidão e Liberdade no Brasil Setentrional. Ananindeua, PA: Cabana, 2022.

MATOS, Frederik Luizi Andrade de. O Comércio das “Drogas Do Sertão” sob o monopólio da Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão (1755-1778). 2019. Tese (Doutorado em História Social da Amazônia) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2019.

MENZ, Maximiliano M. A Companhia de Pernambuco e Paraíba e o funcionamento do tráfico de escravos em Angola (1759-1775/80). Afro-Ásia, Salvador, n. 48, p. 45-76, dez. 2013.

MILLER, Joseph. Way of Death: Merchant capitalismo and the angolan slave trade 1730-1830. Wisconsin: Univ. of Wisconsin Press, 1988.

MORGAN, Phillip. Maritim eslavery. Slavery & Abolition, v. 31, n. 3, 2010.

REDIKER, Marcus. O navio negreiro: uma história humana. São Paulo: Companhia das Letras: 2011.

RODRIGUES, Jaime. Capelães na marinha mercante portuguesa: engajamento e perfis profissionais (séculos XVIII e XÌX). Revista de Índias, Madri, n. LXXIX/276, p. 399-431, 2019.

RODRIGUES, Jaime. Circulação Atlântica: idade, tempo de trabalho e funções de escravos e libertos na marinha mercante luso-brasileira, séculos XVIII e XIX. História (São Paulo), v. 34, n. 2, p. 128-145, jul-dez. 2015.

RODRIGUES, Jaime. De costa a costa: escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola para o Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SAMPAIO, Patrícia Melo. Espelhos partidos: etnia, legislação e desigualdade na Colônia. Manaus: EDUA, 2012.

SANTOS, Diego Pereira. Entre Costas Brasílicas: o tráfico interno de escravos em direitura à Amazônia, c.1778 – c.1830. 2013. Dissertação (Mestrado em História Social da Amazônia) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2013.

SHIKIDA, Claudio. Apontamento sobre a economia política da Companhia Geral de Comércio do Grão-Pará e Maranhão. Rio de Janeiro: IBEMEC, 2007.

SILVA, Alberto da Costa e. Um Rio chamado Atlântico: a África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Ed. UFRJ, 2003.

SILVA, Daniel B. Domingues. The Atlantic Slave Trade to Maranhão, 1680-1846: volume, routes and organization. Slavery and Abolition, v. 29, dez. 2008.

SILVA, Daniel Domingues. “I can’t breathe” is tied to a long history of Black asphyxiation”. The Washington Post. (Site). Publicado em: 14 ago. 2020. Disponível em: https://www.washingtonpost.com/outlook/2020/08/14/i-cant-breathe-is-tied-long-history-black-asphyxiation/. Acessado em: 14 ago. 2020.

SILVA, Luiz Geraldo; SOUZA, Priscila de Lima. Escravos Marinheiros, Senhores e Locadores Leis Pombalinas, Faina Marítima e Economia Mundial (1761-1810). Afro-Ásia, n. 60, p. 45-79, 2019.

SILVA, Marley Antonia Silva da. A extinção da companhia de comércio e o tráfico de africanos para o Estado Do Grão- Pará e Rio Negro (1777-1815). 2012. Dissertação (Mestrado em História Social da Amazônia) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

SOUZA, Daniele Santos de. De escravo a cabeceira: a trajetória do africano João de Oliveira no mundo atlântico setecentista. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 12, n. ed. esp., p. 113-139, ago. 2020.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2022.63228

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

               

 

 

Divulgadores