A revista da primeira Faculdade de Direito do Brasil na transição Império-República: 1893 a 1913, escrita e poder

Mariana Ferreira Diniz

Resumo


Por meio dos registros escritos da Revista da Faculdade de Direito na transição Império-República, entre os anos1893 e 1913, este artigo pretende analisar como se dava o ensino jurídico na primeira Faculdade de Direito do Brasil, em São Paulo, articuladora de embates sobre teorias e metodologias para a educação do direito, mediante os grandes planos sociais e políticos de tal faculdade, quais sejam, constituir um corpo de elite social e política para a administração do país, compor um ideário que organizasse o Estado Nacional republicano, utilizando-se de uma revista acadêmica como mecanismo de circulação de tais ideais. Procura-se captar, pelos documentos coletados, tendo uma revista jurídica como fonte, quais eram os objetivos de tal ensino, de que forma ele era apresentado no aspecto curricular e o que se esperava do jovem bacharel na construção de uma nova ideia de nação.


Palavras-chave


Revistas Jurídicas; Ensino Jurídico; Escrita e Poder; Universidade de São Paulo

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANCHES, Frederico Cardoso de Araujo. Equidade. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 4, 1896. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2318-8227.v4i0p195-203.

ABUD, K. M. A Faculdade do Largo de São Francisco: um marco da história Paulista. Atas do [...]. II Congresso Luso-brasileiro de História da Educação. Vol. II. São Paulo: Faculdade de Educação da Cidade de São Paulo, 2000.

ADORNO, S. Os aprendizes do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

ARRUDA, Bras de Souza. Repugna ao Direito Internacional o uso dos submarinos de guerra? Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 21, 1913.

BANDECCHI, P. P. A fundação dos Cursos Jurídicos no Brasil e a Faculdade de Direito de São Paulo. In: SÃO PAULO (Município), Divisão do Arquivo Histórico. Curso de História de São Paulo. São Paulo: [S. n.], 1969.

BARBUY, H.; MARTINS, A. L. Arcadas – Largo São Francisco. História da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. São Paulo: Melhoramentos, 1998.

BOBBIO, N. O Positivismo Jurídico: lições de filosofia do direito. São Paulo: Ícone, 1995.

BUENO, Antonio Dino da Costa. Projecto do Codigo Civil. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 1, 1893.

CATANI, D. B. Educadores à meia-luz: um estudo sobre a Revista de Ensino da Associação Beneficiente do Professorado Público de São Paulo (1902-1918). Bragança Paulista, SP: EDUSF, 2003.

CATANI, D. B.; BASTOS, M. H. C. (Orgs.). Educação em revista: a imprensa pedagógica e a história da educação. São Paulo: Escrituras, 2002.

CHERVEL, A.; COMPÈRE, M.-M. As humanidades no ensino. Educação e Pesquisa, v. 25, n. 2, jul. 1999. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97021999000200012.

EDITOR, O. Dr. Frederico Abranches. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 11, jan. 1903.

EDITOR. [Sem Título]. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 17, 1909.

FALEIROS, Thaísa Haber; GALUPPO, Marcelo Campos. A formação do docente de direito: uma identidade desejada. Anais do [...]. VIII Encontro Nacional CONPEDI. Disponível em: http://www.conpedi.org.br/anais/36/13_1658.pdf. Acesso em: 12 set. 2018.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 3.ª ed. (rev.). Rio de Janeiro: Globo, 2001.

HOBSBAWM, E. J. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

LACERDA, Gustavo Biscaia de. Augusto Comte e o “positivismo” redescobertos. Revista de Sociologia e Política, v. 17, n. 34, p. 319-343, out. 2009.

LESSA, Pedro Augusto Carneiro. Philosophia do Direito. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 4, 1896.

LUCA, T. R de. A grande imprensa no Brasil da primeira metade do século XX. São Paulo: Ed. Unesp, 2001.

MARTINS, A. L.; LUCA, T. R. História da imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.

MONTÓIA, Ana Edite Ribeiro. Cidade e política: São Paulo no século XIX. 1990. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), 1990.

PAULO FILHO, Pedro. O Bacharelismo Brasileiro (Da Colônia à República). Campinas, SP: Bookseller, 1997.

RUDNICKI, D. O estatuto do Visconde de Cachoeira e os debates parlamentares sobre o ensino jurídico brasileiro ocorrido entre 1823 e 1827. In: CERQUEIRA, Daniel Torres de et al. (Orgs.). 180 anos do Ensino Jurídico no Brasil. Campinas, SP: Millennium, 2008.

SANTOS, Suenilde da Costa. Academia de Direito de São Paulo (1827-1854) e constituição de uma elite nacional: o lugar da Língua Portuguesa. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

SILVEIRA, Mariana de Moraes. Revistas jurídicas brasileiras: “cartografia histórica” de um gênero de impressos (anos 1840 a 1940). Cadernos de informação jurídica, Brasília, v. 1, n. 1, p. 98-119, 2014.

SIRINELLI, Jean-François. Os intelectuais. In: RÉMOND, René (Org.). Por uma história política. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1996.

THOMPSON, E. P. A Miséria da Teoria ou Um Planetário de Erros: Uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

VEIGA FILHO, João Pedro. Reparação dos erros judiciarios. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, v. 5, 1897.

VENÂNCIO FILHO, Alberto. Das Arcadas ao Bacharelismo. São Paulo: Perspectiva, 1977.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2022.58604

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

               

 

 

Divulgadores