Quem é pardo no nordeste brasileiro? Classificações de “Morenidade” e tensões raciais

Niara Oiara da Silva Aureliano, Nara Maria Carlos de Santana

Resumo


Os conflitos e negociações em torno da classificação racial no Nordeste resultam do imenso melting pot do qual esta região é formada em termos de elemento humano. O tema, a mestiçagem, ainda tem um vasto campo. Os debates acadêmicos em geral partem de uma generalização sul/sudeste para analisarem o branqueamento e a mestiçagem no Brasil. No trabalho que ora apresentamos, discutiremos alguns aspectos centrais da questão da mestiçagem no Nordeste, tomando como referência a classificação de morenidade. Para tanto, analisaremos a questão do pardo e seu reconhecimento, sua descendência negra e/ou indígena. Também avaliaremos a presença do imigrante na região. Assim sendo, o embasamento teórico revisita e resgata as discussões acerca da mestiçagem e do Nordeste brasileiro. A metodologia utilizada é a pesquisa bibliográfica, análise de documentos oficiais e do Censo Demográfico, com triangulação destas fontes.

Palavras-chave


Questão racial; Morenidade; Classificação Racial; Região Nordeste.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 4ª ed. Recife: FJN; Ed. Massangana; São Paulo: Cortez, 2009.

ALBUQUERQUE, Wlamyra, FRAGA, Walter. “África e Africanos no Brasil”.In: Uma História do Negro no Brasil. Salvador/Brasília:CEAO/Fundação Palmares, 2006. Cap. 2.

Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/39116333/albuquerque-wlamyra-uma-historia-do-negro-no-brasil

CASCUDO, Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. Instituto Nacional do Livro, Ministério da Educação e Cultura. 1954.

DANTAS, Beatriz G. et al. “Os povos indígenas no Nordeste brasileiro: um esboço histórico”. In: Cunha, Manuela Carneiro da (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras: SMC: FAPESP, 1992, p.431-456.

ENNES, Marcelo. A Imigração estrangeira em Sergipe (1875-1930). In: História [online]. 2011, vol.30, n.2, pp.312-334. ISSN 1980-4369.

GUIMARÃES, Antonio S. A. Como trabalhar com raça em Sociologia. Universidade de São Paulo. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.1, p. 93-107, jan./jun. 2003.

Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v29n1/a08v29n1.pdf.

GUIMARÃES, Antonio S. A. Racismo e Antirracismo no Brasil. In: Novos Estudos CEBRAP N° 43, novembro 1995, pp. 26-44. 1995.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

MOURA, Clóvis. Dialética racial do Brasil negro. São Paulo, Editora Anita Ltda. 1994.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Editora Vozes, 1999.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito de Marca. As Relações Raciais em Itapetininga. São Paulo: Edusp. 245 pp. 1998.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Pardos, mestiços ou caboclos: os índios nos censos nacionais no Brasil (1872-1980). In: Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 3, n. 6, p. 61-84, out. 1997.

RIBEIRO, Darcy (1995). O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Cia das Letras.

SANSONE, Livio. Nem somente preto ou negro: o sistema de classificação racial no Brasil que muda. In: Afro-Ásia, nº 17. 1997.

SANTANA, Nara M.C. SANTOS; R.A. Projetos de modernidade: autoritarismo, eugenia e racismo no Brasil do século XX. In: Revista de Estudios Sociales, v. 58, p. 28-38, 2016.

SANTOS, Gevanilda. Relações raciais e desigualdades no Brasil. Editora: Selo Negro Edições. 2009.

SANTOS, Ricardo Augusto dos. Os intelectuais eugenistas: Da abundância de nomes a escazzes de investigação. (1917-1937). In: VII Simpósio Nacional Estado e Poder: sociedade civil, 2012.

SCHWARCZ, Lilia. O espetáculo das Raças. Cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, Rodrigo Caetano. A Fragmentação da Escravidão no Piauí: exportação de cativos e a entrada de flagelados da seca. In: Revista Vozes, Pretérito & Devir. Ano V, Vol. VIII, Nº I (2018). ISSN: 2317-1979.

Disponível em: http://revistavozes.uespi.br/ojs/index.php/revistavozes/article/view/184/195

SILVA, Edson. Índios no semiárido nordestino: (re)conhecendo sociodiversidades. CLIO: Revista de Pesquisa Histórica - CLIO (Recife), ISSN: 2525-5649, n. 35, p. 254-272, Jan-Jun, 2017.

SILVA, Edson. Os índios no nordeste e as pesquisas históricas: as influências do pensamento de John Monteiro. In: Fronteiras & Debates Macapá, v. 2, n. 1, jan./jun. Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/fronteiras.

TEIXEIRA, Rosane. Imigração de trabalhadores estrangeiros no Nordeste, final do século XIX e início do século XX. In: ANPUH, XXIII Encontro Estadual de História, São Paulo, 2016.

Disponível em: http://www.encontro2016.sp.anpuh.org/resources/anais/48/1467749675_ARQUIVO_Teixeira,RosaneS.ANPUH-SP.pdf

https://censo2010.ibge.gov.br/not%C3%ADcias-censo.html?busca=1&idnoticia=2507&t=ibge-mapeia-distribuicao-populacao-preta-parda&view=noticia. Acesso em 30 maio 2020.

<https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_unidades_federativas_do_Brasil_por_porcentagem_de_ra%C3%A7a&gt. Acesso em 31 maio 2020.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2021.53670

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

               

 

 

Divulgadores