A trajetória de Pedro Barbosa Leal e as redes de conquistas no sertão da capitania da Bahia, 1690-1730

Hélida Santos Conceição

Resumo


Este artigo apresenta a trajetória do coronel e sertanista baiano Pedro Barbosa Leal, a partir da análise circunstanciada dos serviços por ele prestados nas ações de conquista do sertão baiano. Busca analisar sua posição estratégica na rede governativa atlântica articulada entre os governos de D. João de Lencastre e do vice-rei Vasco Fernandes César de Meneses que funcionou entre as décadas de 1690 e 1730. O ineditismo de sua trajetória reside no fato dele ter sido um personagem que viveu entre dois mundos: como senhor de engenho inseriu-se nos principais espaços da nobreza baiana, mas foi como sertanista que conseguiu ampliar o escopo de sua nobreza. A partir da análise de um significativo conjunto de fontes produzidos a partir de suas relações com administradores régios, pode-se atestar a sua agência na rede clientelar articulada entre o vice-rei, o sertanistas e a Coroa. Deseja-se demonstrar que como sertanista experiente ele colaborou com a administração colonial ao enviar informações estratégicas sobre a ecologia, a geografia e os recursos ambientais disponíveis no sertão da capitania da Bahia.


Palavras-chave


Capitania da Bahia; Rede Clientelar; Administração Colonial; Sertanistas

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Capistrano. Robério Dias e as Minas de Prata, segundo novos documentos. Revista da Sociedade de Geographia de Lisboa no Brazil, Rio de Janeiro, 1885.

ACCIOLI, Ignácio de Cerqueira e Silva. Memórias históricas e políticas da Bahia. Anotado por Braz do Amaral. Vol. 2. Salvador: Imprensa Oficial, 1925.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos Viventes: Formação do Brasil no Atlântico Sul. Séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

VIANA, Ana Carolina Barreto. Governando a periferia: A criação da Comarca de Jacobina e a atuação do ouvidor Manoel da Fonseca Brandão (1742-1747). Anais da [...]. XXIII Jornada de Iniciação Científica da UNEB. Salvador: PPG-UNEB, 2019.

BOXER, Charles R. A idade de ouro do Brasil: Dores de crescimento de uma sociedade colonial. São Paulo: Cia. Ed. Nac., 1963.

CABRAL, Diogo; MOTA, Maria Sarita. Escrita e governança socioecológica no Antigo Regime tropical. In: FRANCO, José Luiz de Andrade; et al. (orgs.).História Ambiental: Natureza, Sociedade, Fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

CALMON, Pedro. O segredo das minas de Prata. Novos aspectos da conquista da terra. Tese Apresentada à douta Congregação do Colégio Pedro II. 1950. Tese – Colégio Pedro II, Rio de Janeiro.

CARDIM, Pedro. Amor e Amizade na cultura política dos séculos XVI e XVII. Lusitania sacra, 2ª série, t. 11, 1999.

CAVALCANTE, João Alcides Bezerra (dir.). Synopsis das sismarias registradas nos livros existentes no Archivo da Thesouraria de fazenda da Bahia. Rio de Janeiro: Officinas Graphicas do Archivo Nacional, 1931. (Publicações do Archivo Nacional, vol. XXVII).

CONCEIÇÃO, Hélida Santos. O Sertão e o Império: As vilas do ouro na capitania da Bahia - Século XVIII. 2018. Tese (Doutorado em História Social) – Programa de Pós-graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

COSTA, Afonso. De como nasceu, se organizou e vive a minha cidade. In: Anais do [...]. IV Congresso de História Nacional. IHGB. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa nacional, 1951.

DANTAS, Irmã Maria Teresa do Menino Jesus da Costa Pinto. OSU. História das Ursulinas no Brasil – I. O Convento de Nossa Senhora das Mercês. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico da Universidade Santa Úrsula, [s. d.].

ESTEVES, Neuza Rodrigues (org.). Catálogo dos irmãos da Santa Casa de Misericórdia da Bahia. Salvador: Santa Casa de Misericórdia da Bahia, 1977.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas D’El rei: Espaço e poder nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011.

FRAGOSO, João. Nobreza principal da terra nas repúblicas de Antigo Regime nos trópicos de base escravista e açucareira: Rio de Janeiro, século XVII a meados do século XVIII. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima (orgs.). O Brasil Colonial. Vol. 3: 1720-1821. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

FRAGOSO, João. O capitão João Pereira Lemos e a Parda Maria Sampaio: notas sobre hierarquias rurais costumeiras no Rio de Janeiro do século XVIII. In: OLIVEIRA, Mônica Ribeiro; ALMEIDA, Carla Maria Carvalho (orgs.). Exercícios de micro-história. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2009.

FRAGOSO, João. Capitão Manuel Pimenta Sampaio, senhor do engenho do rio Grande, neto de conquistadores e compadre de João Soares, pardo: notas sobre uma hierarquia social costumeira (Rio de Janeiro, 1700-1760). In: FRAGOSO, João; GOUVEA, Maria de Fátima. (orgs.). Na trama das redes: Política e negócios no Império Português, séculos XVI-XVIII. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 2010.

COSTA, Afonso. Genealogia baiana ou o Catálogo Genealógico de fr. Antônio de S. Maria Jaboatão, adaptado e desenvolvido por Afonso Costa. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 191, p. 3-279, abr.-jun. 1946. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1946.

GOUVÊA, Maria de Fátima. Redes Governativas Portuguesas e centralidades régias no mundo português, c. 1680-1730. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima (orgs.). Na Trama das redes: Política e negócios no império português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

HESPANHA, Antonio Manuel; XAVIER, Angela Barreto. História de Portugal. Vol. IV: O Antigo Regime. Direção de José Mattoso. Lisboa: Estampa, 1998.

KANTOR, Iris. Esquecidos e renascidos: historiografia Acadêmica Luso-Americana (1724-1759). São Paulo; Salvador: Hucitec; Centro de Estudos Baianos – UFBA, 2004.

KRAUSE, Thiago. A formação de uma nobreza ultramarina: coroa e elites locais na Bahia seiscentista. 2015. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Poder Senhorial, Estatuto Nobiliárquico e Aristocracia. In: HESPANHA, Antonio Manuel; XAVIER, Angela Barreto. História de Portugal. Vol. IV: O Antigo Regime. Direção de José Mattoso. Lisboa: Estampa, 1998.

MORAES, Carlos Eduardo Mendes de. Guia de fontes primárias sobre acadêmicos esquecidos e renascidos (1724/1759). Boletim da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, Coimbra, Universidade de Coimbra, v. 44, 2010. Disponível em: https://impactum-journals.uc.pt/bbguc/article/view/1647-8436_44_7. Acesso em: 20 jul. 2018.

OLIVEIRA, Pablo Menezes e. As câmaras em Minas Gerais no século XVIII. Entre enquadramentos administrativos e desventuras tributárias. Revista História, São Paulo, ano 5, v. 1, n. 1, p. 97-122, 2014.

RAE FLORY, Jean Dell. Bahian Society in the Mid-Colonial Period: The Sugar Planters, Tobacco Growers, Merchants and Artisans of Salvador and the Reconcavo, 1680-1725. 1978. Tese (Ph. D. in History) - University of Texas at Austin, Austin.

REGO, Júnia Motta Antonaccio Napoleão do. Dos sertões aos Mares: História do comercio e dos comerciantes de Parnaíba. (1700-1950). 2010. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.

SAMPAIO, Antonio Carlos Jucá. António Manuel Hespanha, o Antigo Regime luso e a historiografia brasileira: notas sobre um diálogo transatlântico. Topoi, Rio de Janeiro, v. 21, n. 43, p. 7-14, jan.-abr. 2020.

SANTOS, Márcio Roberto Alves dos. Fronteiras do sertão baiano: 1640-1750. 2010. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SCARPARO, Marcelo Kochenbordger. “A justiça do nosso domínio”: a dimensão geopolítica na cultura historiográfica luso-americana da primeira metade do século XVIII. 2015. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SILVA, Maria Beatriz Nizza. Ser Nobre na colônia. São Paulo: Ed. UNESP, 2005.

SAMPAIO, Antonio de Vilas Boas e. Nobiliarchia portuguesa. Tratado da nobreza hereditária e política. 3ª ed. Lisboa: [S. n.], 1725 [1676].

STUMPF, Roberta G. Os cavaleiros do ouro e outras trajetórias nobilitantes nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Fino Traço, 2014.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2020.50406

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

               

 

 

Divulgadores