Lugares de memória pública e retóricas da identidade teuto-brasileira no Estado do Paraná (Séc. XX)

Michel Kobelinski

Resumo


No âmbito da história pública, o objetivo deste artigo é analisar discursos e imagens produzidas por Estanislau Schaette, Hermann Schiefelbein, Arthur Wischral e Hugo Hegenberg acerca da identidade teuto-brasileira e seu impacto sobre a sociedade paranaense na primeira metade do século XX. Pinturas, fotografias e narrativas são entendidas como expressões racionais e sensíveis que transmitem e conservam valores através de lugares de memória pública. O estudo destas linguagens artísticas, fotográficas e literárias culminou com um projeto de interação/intervenção com o público, que visa difundir e refletir tais conteúdos e, em outro momento, junto com as comunidades, produzir material audiovisual (curta-metragem).


Palavras-chave


História Pública; Lugares de Memória; Identidade Teuto-Brasileira

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, Luiz Felipe; RENAUX, Maria Luiza. Caras e modos dos migrantes e imigrantes. In: História da vida privada no Brasil. Vol. 2: Império: a corte a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

ARAÚJO, Adalice. Dicionário das Artes Plásticas no Paraná. Curitiba: Editora do Autor, 2006.

BALHANA, Altiva Pilatti; MACHADO, Brasil Pinheiro; WESTPHALEN, Cecília Maria. História do Paraná. Curitiba: Grafipar, 1969.

BARONE BUENO, Luciana Stevam. Paranismo – um resgate histórico das artes visuais no Paraná. In: SECRETARIA de Estado da Educação do Parané. O professor PDE e os desafios da Escola Pública Paranaense. Curitiba: Governo do Estado, 2009.

BENJAMIN, Walter. Pequena história da fotografia: In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BISPO, Antonio Alexandre (ed.). Franciscanos alemães na cidade de Pedro II sob a República. O chic da missa das onze. Mons. Giovanni Battista Guidi (1852-1902) e Pe. Michaele Horn OSB (1859-1936). Revista Brasil-Europa: Correspondência Euro-Brasileira, Petrópolis (RJ), v. 151, n. 5, 2014.

BLAIR, Carole; DICKSON, Greg; OTT, Brian L. Introduction. In: Places of public memory. The rhetoric of museums and memorials. Tuscaloosa, AL: UAPress, 2010.

BORGES, Maria Eliza Linhares. História & fotografia. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BORUSZENKO, Oksana. A imigração ucraniana no Paraná. Anais do Simpósio Nacional dos Professores Universitários de História. Colonização e Migração. Porto Alegre: ANPUH, set. 1967.

BRAGA, Theodoro. Artistas e pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Ed., 1942.

CAUVIN, Thomas. A ascensão da História Pública: uma perspectiva internacional. Revista Nupem, v. 11, n. 23, p. 8-28, 2019.

CAUVIN, Thomas. Campo nuevo, prácticas viejas: promesas y desafíos de la historia pública (New Field, Old Practices: Promises and Challenges of Public History). Hispania Nova, Segunda Época, n. 1 Extraordinario, p. 7-51, mayo 2020.

CAUVIN, Thomas: Controversies over Monuments: An Opportunity for International Public History. Public History Weekly, v. 5, n. 42, 2017.

CELSO, Affonso de A. F. Por que Me Ufano do Meu País: right or wrong, my country. Rio de Janeiro: F. Briguiet & Cia., 1943.

CÍCERO, Marco Túlio. De oratore. London: Harvard University Press, 1967.

CONNERTON, Paul. Como as sociedades recordam. Lisboa: Celta, 1999.

DEAN, David; EATGES, Andreas. What is (International) Public History? International Public History, v. 1, n. 1, p. 1-3, 2018.

FERRER, Gilberto. Um passeio a Petrópolis em companhia do fotógrafo Marc Ferrez. Petrópolis, RJ: Ministério da Educação e Saúde, 1948.

FRISCH, Michael. A história pública não é uma via de mão única ou A Shared Authority à cozinha digital, e vice‐versa. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; SANTHIAGO, Ricardo (orgs.). História pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

HERMANN, Hans-Joachim. Vorwort. In: HEGENBERG, Hugo; WISCHRAL, Arthur. Reisebilder vom Paranaenser Meeresstrand. Neu Wulmstorf, DE-NI: Cewe, 2014.

Hermano Schiefelbein, o pintor allemão da natureza Brasileira. Diário da Noite, São Paulo, 15 jan. 1927.

HUBER, Valburga. A Ponte edênica: da literatura dos imigrantes de língua alemã a Raul Bopp e Augusto Meyer. São Paulo: Annablume; FAPESP, 2009.

KEAN, Hilda. People, historians, and public history: demystifying the process of history making. The Public History, v. 32, n. 3, p. 25-38, Summer 2010.

KLINGHOFFER, Arthur Jay. The power of projections: how maps reflect global politics and history. Westport, Conn.: Praeger, 2006.

KOBELINSKI, M; KRUL Giovana. A percepção da natureza na colônia Santa Bárbara - PR (1927). In: LENCHISCKI, Lidiana L.; KOBELINSKI, Michel (orgs.). Reflexões sobre história. Petrópolis, RJ: Tereart, 2013.

KOBELINSKI, Michel. Ufanismo e ressentimento: de Minas Gerais aos sertões de São Paulo (séc. XVIII). São Paulo: Annablume, 2012.

LESSER, Jeffrey. Negotiating National Identity: Immigrants, Minorities and the Struggle for Ethnicity in Brazil. Durham: Duke University Press, 1999.

LOBATO, José Bento Monteiro. O Presidente Negro ou O Choque das Raças. São Paulo: Brasiliense, 1979.

LUCA, T. R. de. A Revista do Brasil: um diagnóstico para a (N)ação. São Paulo: Ed. UNESP, 1999.

LUCCHESI, A. Conversas na antessala da academia: o presente, a oralidade e a história pública digital. Revista História Oral, v. 17, n. 1, p. 39-69, 2014.

NORA, Pierre. Entre história e memória: a problemática dos lugares. Revista Projeto História, São Paulo, v. 10, p. 7-28, 1993.

OLBERTZ, Ivanira Tereza Dias; Hermann Schiefelbein. In: Entrevistando a Arte. Curitiba: Serzegraf, 2013.

PEGORARO, Évely. Paranismo e fotografia: fragmentos de discursos que perpetuam ideais. In: PEGORARO, Éverly; MALVESTITI, Fernanda (orgs.). Comunicação e Cultura Visual: Interfaces de uma Discussão. Guarapuava, PR: Edunicentro, 2012.

PEREIRA, Luis Fernando. Paranismo: o Paraná inventado; cultura e imaginário no Paraná da I República. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 1997.

Pintores da paisagem paranaense. Curitiba: Secretaria de Estado da Cultura; Solar do Rosário, 2001.

PORTAL, Roger. Os eslavos: povos e nações. Lisboa: Cosmos, 1968.

RATZEL, Friedrich. O solo, a sociedade e o estado. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, USP, v. 2, p. 93-101, 1983.

ROUILLÉ, André. A fotografia: entre documento e arte contemporânea. São Paulo: Ed. Senac, 2009.

SAMUEL, Raphael. Theatres of Memory. Past and Present in Contemporary Culture. New York: Verso, 1996.

SANTHIAGO, Ricardo. Duas palavras, muitos significados: alguns comentários sobre a história pública no Brasil. In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; SANTHIAGO, Ricardo (orgs.). História pública no Brasil: sentido e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

SEYFERTH, G. A dimensão cultural da imigração. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 26, p. 47-62, 2011.

SEYFERTH, G. A idéia de cultura teuto-brasileira: literatura, identidade e os significados da etnicidade. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 10, n. 22, p. 149-197, jul.-dez. 2004.

STICKEL, Erico João Siriuba. Uma pequena biblioteca particular: subsídios para o estudo da iconografia no Brasil. São Paulo: EdUSP, 2004.

SUTIL, Marcelo Saldanha; BARACHO, Maria Luiza Gonçalves. O acervo Arthur Wischral: documentos de um olhar. In: FUNDAÇÃO Cultural de Curitiba. Boletim da Casa Romário Martins. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 2007.

TRINDADE, Etelvina M. de Castro; CARNEIRO LEÃO, Igor Zanoni C. As desventuras do paranismo. Revista da FAE, Curitiba, v. 2, n. 3, p. 9-20, set.-dez. 1999.

TRINDADE, Jaelson Bitran. Tropeiros. São Paulo: Incepa, 1992.

VIAL, Andréa Dias. O colecionismo no período entre-guerras: a contribuição da Sociedade de Etnografia e Folclore para a formação de coleções etnográficas. 2009. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2020.47786

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores