O Rio de Janeiro e a construção do imaginário do Cinema Novo

Wolney Vianna Malafaia

Resumo


O Cinema Novo, como movimento político e cultural, foi fruto de uma época situada entre o final dos anos cinquenta e o início dos anos sessenta, e teve a cidade do Rio de Janeiro como seu locusprivilegiado. Uma época de profundas transformações no cenário internacional, com a emergência dos chamados países do terceiro mundo e a sua afirmação no jogo político característico da Guerra Fria. Também, uma época de profundas transformações no cenário nacional, com a ideologia desenvolvimentista, alimentada pelo governo Juscelino Kubitschek e, posteriormente, o chamado nacional-reformismo do governo João Goulart, que acabou por animar os movimentos sociais e a denúncia das contradições e injustiças existentes na sociedade brasileira. Nesses cenários, jovens da classe média carioca buscam no cinema a sua forma de expressão e se articulam com um cineasta paulista já reconhecido, Nelson Pereira dos Santos, e um jovem cineasta baiano, Glauber Rocha. Esse encontro, que se efetiva na cidade do Rio de Janeiro, produziu o mais importante movimento cultural da área cinematográfica brasileira, com produções que revolucionaram a estética e a narrativa cinematográficas e marcaram o seu lugar na cinematografia internacional.


Palavras-chave


Cinema Novo; Rio de Janeiro; Cultura e Política

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Luciana Corrêa de. Joaquim Pedro de Andrade: Primeiros Tempos. São Paulo: Alameda, 2013.

AVELAR, José Carlos (org.). Cinema Novo, Ano 1 (1962). In: VIANY, Alex. O Processo do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999.

BERNARDET, Jean-Claude. Brasil em Tempo de Cinema. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

COSTA, Flávio Moreira da (org.). Cinema Moderno, Cinema Novo. Rio de Janeiro: José Álvaro, 1966.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. PTB: Do Getulismo ao reformismo. São Paulo: Marco Zero, 1989.

DIEGUES, Carlos. O Que é ser diretor de cinema: memórias profissionais de Cacá Diegues. Depoimento a Maria Silvia Camargo. Rio de Janeiro: Record, 2004.

FERREIRA, Jorge. João Goulart: uma biografia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

FERREIRA, Marieta de Moraes (coord.). João Goulart: entre a memória e a história. Rio de Janeiro: FGV Ed., 2006.

FIGUEIREDO, Argelina Cheibub. Democracia ou reformas? Alternativas democráticas à crise política: 1961-1964. São Paulo: Paz e Terra, 1993.

FIGUEROA, Alexandre. Cinema Novo: A onda do jovem Cinema e sua recepção na França. Campinas, SP: Papirus, 2004.

FRANCO, Maria Sylvia Carvalho. O Tempo das ilusões. In: CHAUÍ, Marilena; FRANCO, Maria Sylvia Carvalho. Ideologia e mobilização popular. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Centro de Estudos de Cultura Contemporânea, 1978.

GALVÃO, Maria Rita. Burguesia e Cinema: O Caso Vera Cruz. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

GALVÃO, Maria Rita; BERNARDET, Jean-Claude. O Nacional e o Popular na Cultura Brasileira: Cinema. São Paulo: Brasiliense; Secretaria de Cultura/MEC, 1983.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde: 1960/70. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1981.

NAPOLITANO, Marcos. Engenheiros das Armas ou Vendedores de Utopia? A inserção do artista-intelectual engajado no Brasil dos anos 1970. In: 1964-2004, 40 anos do golpe: ditadura militar e resistência no Brasil. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2004.

NEVES, David. Curta Metragem: A descoberta da espontaneidade (breve história do cinema-direto no Brasil). In:COSTA, Flávio Moreira da (coord.). Cinema Moderno, Cinema Novo. Rio de Janeiro: José Álvaro, 1966.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 1985.

ORTIZ, Renato. A Moderna Tradição Brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1988.

RAMOS, Fernão (org.). História do Cinema Brasileiro. São Paulo: Círculo do Livro, 1987.

RAMOS, José Mário Ortiz. Cinema, Estado e Lutas culturais (Anos 50/60/70). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da TV. Rio de Janeiro: Record, 2000.

RIDENTI, Marcelo. Artistas e intelectuais no Brasil pós-1960.Tempo Social, São Paulo, USP, v. 17, n. 1, p. 81-87, jun. 2005.

ROCHA, Glauber. Uma Estética da Fome. Arte em Revista, São Paulo, Kairós, n.1, p.15-17, jan.-mar. 1979.

ROCHA, Glauber. Revolução no Cinema Novo. Rio de Janeiro: Alhambra; Embrafilme, 1981.

SALEM, Helena. Nelson Pereira dos Santos: o sonho possível do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.

SARACENI, Paulo Cesar. Por dentro do cinema novo: minha viagem. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

SILVA, Humberto Pereira da.Glauber Rocha: cinema, estética e revolução. Jundiaí, SP: Paco, 2016.

SIMONARD, Pedro. A geração do Cinema Novo: para uma antropologia do cinema. Rio de Janeiro: Mauad X, 2006.

SOUZA, Miliandre Garcia de. Do teatro militante à música engajada. A experiência do CPC da UNE (1958-1964). São Paulo: Ed. FPA, 2007.

TOLEDO, Caio Navarro de. O Governo João Goulart e o Golpe de 64. São Paulo: Brasiliense, 1985.

XAVIER, Ismail. O Discurso Cinematográfico: A Opacidade e a Transparência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

XAVIER, Ismail. O Cinema Brasileiro Moderno. São Paulo: Paz e Terra, 2001.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2020.47768

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores