Fraturas contemporâneas de histórias indígenas em Belém: sobre mármores e grafites

Ivânia dos Santos Neves

Resumo


Neste artigo, considerando como referência teórico-metodológicas os estudos do discurso fundamentados em Michel Foucault e as definições de dispositivo colonial e etniCidades para compreender os enunciados visuais espraiados nas paisagens de Belém na segunda década do século XXI, que representam diferentes lugares de enunciação sobre a história da cidade e os povos indígenas. Tomo o frontal da Basílica de Nazaré e uma escultura de bronze de um indígena exposta na praça de um bairro nobre da cidade para marcar o discurso da colonização e, em contrapartida, analiso grafites de dois artistas contemporâneos paraenses que retomam a memória indígena de Belém em suas produções e visibilizam a pluralidade étnica da cidade. De certa forma, atualizo a antiga metáfora cunhada pelo Pe. Antônio Vieira, mas agora, em oposição ao mármore, não mais a murta e sim os grafites e sua efemeridade.


Palavras-chave


Dispositivo Colonial; Cidades; Diversidade; Colonialidade

Texto completo:

PDF

Referências


DAMASCENO, José. Entre o rio e a ponte: letras e identidades às margens do Rio Acará, na Amazônia paraense.2012. Dissertação(Mestrado em Comunicação, Linguagem e Cultura) – Universidade da Amazônia, Belém.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano.Vol. 1: Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

FERRARA,Lucrécia. As mediações da paisagem. Revista Líbero, São Paulo, v. 15, n. 29, p. 43-50, 2012.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no College de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Sobre a História da Sexualidade. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Bauru, SP: Ed. EDUSC, 2001.

MARTÍN-BARBERO, J.A Comunicação na Educação. São Paulo: Contexto, 2014.

MAUÉS, R. H. Outra Amazônia: os santos e o catolicismo popular. Norte Ciência, v. 2, n. 1, p. 1-26, 2011.

MIGNOLO, Walter. Histórias Locais / Projetos Globais:Colonialidade, Saberes Subalternos e Pensamento Liminar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

NASCIMENTO, Camille. A presença indígena nos grafites de Belém: entre fraturas e resistências. 2017. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal do Pará, Belém.

NEVES, Ivânia. A Invenção do índio e as narrativas orais tupí. 2009. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade de Campinas, Campinas (SP).

NEVES, Ivânia. EtniCidades: os 400 anos de Belém e a presença indígena.Revista Moara, n. 43, jan.-jul. 2015.

PIZARRO, Ana. As Vozes do Rio. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012.

RAMA, Angel. A cidade das letras. São Paulo: Brasiliense, 1985.

SOARES, Elizabeth Nelo (org.). Largos, coretos e praças de Belém – PA.Brasília: IPHAN; Programa Monumenta, 2009.

VELHO, Gilberto. Patrimônio, negociação e conflito. Mana, Rio de Janeiro, PPGAS/MN/UFRJ,v. 12, n. 1,p. 237-248, 2006.

YÚDICE, George. A Conveniência da Cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2020.47606

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores