A cidade “perigosa” e sua instituição “tranquilizadora”: o Recife no contexto da reforma prisional do Oitocentos

Aurélio de Moura Britto

Resumo


Este artigo enfatiza a discussão em torno das representações e usos efetivos da Casa de Detenção do Recife no contexto da reforma prisional do império. Símbolo da civilidade e modernidade penal, mas também de controle e segurança pública, a Casa de Detenção do Recife era apreendida pelos gestores da cidade como um instrumento cuja finalidade era dirimir e sanear as práticas criminosas de parcela da população reputada como desregrada e afeita ao delito. Por outro lado, um conjunto de segmentos populares, longe de endossar essa representação da instituição prisional, apropriaram-se da prisão como uma zona de comércio. Entre a “instituição tranquilizadora” e a “casa de comércio”, entre as representações da parcela da elite e as usos efetivos da instituição, que reconstituiremos aspectos da história da reforma prisional tal qual vivenciada no Recife na segunda metade do Oitocentos.


Palavras-chave


Casa de Detenção do Recife; Modernidade Penal; Comércio

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIRRE, Carlos. Cárcere e sociedade na América Latina, 1800-1940. In: MAIA, Clarissa Nunes; et al. (orgs.). História das Prisões no Brasil. Vol. 1. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

ALBUQUERQUE NETO, Flávio de Sá Cavalcanti de. Punir, Corrigir, Lucrar: O trabalho penal na Casa de Detenção do Recife na segunda metade do século XIX - experiências e repercussões. História e Perspectivas, Uberlândia (MG), n. 49, p. 239-266, jul.-dez. 2013.

ARRAIS, Raimundo. O pântano e o riacho: a formação do espaço público no Recife do século XIX. São Paulo: Humanitas; FFLCH/USP, 2004.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda Negra, Medo Branco: o negro no imaginário das elites - Século XIX. São Paulo: Annablume, 2004.

BEATTIE, P. M. Cada homem traz dentro de si sua tragédia sexual: visitas conjugais, gênero e a questão sexual das prisões (1934) de Lemos Britto. In: MAIA, Clarissa Nunes; et al. (orgs.). História das Prisões no Brasil. Vol. 2. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

BRESCIANI, Stella. Melhoramentos entre intervenções e projetos estéticos: São Paulo (1850-1950). In: BRESCIANI, Stella (org.). Palavras da Cidade. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2001.

BRITTO, Aurélio de Moura. Fissuras no ordenamento: sociabilidades, fluxos e percalços na Casa de Detenção do Recife (1861-1875). 2014. Dissertação (Mestrado em História) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a política imperial. Teatro de sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CARVALHO, Marcus Joaquim Maciel de. Liberdade: rotinas e rupturas do escravismo no Recife, 1822-1850. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 1998.

CAVALCANTI JUNIOR, Manoel Nunes. Praieiros, Guabirus e “Populaça”: as eleições gerais de 1844 no Recife. Dissertação de Mestrado. Recife, UFPE, 2001.

CERTEAU, Michel de. A invenção do Cotidiano: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CHALHOUB, Sidney. Medo branco de almas negras: escravos, libertos e republicanos na cidade do Rio. Revista Brasileira de História, São Paulo,v. 8, n. 16, p. 83-105, mar.ago. 1988.

DOLHNIKOFF, Miriam. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil do século XIX. São Paulo: Globo, 2005.

FERRARA, Lucrécia d’Alessio. Cidade: imagem e imaginário In: SOUZA, C. F.; PESAVENTO, S. J. (orgs.). Imagens urbanas: os diversos olhares na formação do imaginário urbano. Porto Alegre: Ed.UFRGS, 1997.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU Ed., 2005.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

GONÇALVES, Flávia Maíra de Araújo. Cadeia e Correção: Sistema prisional e população carcerária na cidade de São Paulo (1830-1890). 2000. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo.

HOLLOWAY, Thomas H. Polícia no Rio de Janeiro: repressão e resistência numa cidade do século XIX. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1997.

MAC CORD, Marcelo. O rosário de D. Antônio: irmandades negras, alianças e conflitos na história social do Recife, 1848-1870. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2005.

MAIA, Clarissa Nunes. A Casa de Detenção do Recife: controle e conflitos (1855-1915). In: MAIA, Clarissa Nunes; et al. (orgs.). História das Prisões no Brasil. Vol. 2. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

MAIA, Clarissa Nunes. Os Policiados: controle e disciplina das classes populares na cidade do Recife, 1865-1915. 2001. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

MARSON, Izabel Andrade. O império do progresso. A revolução praieira. São Paulo: Brasiliense, 1987.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema: A formação do Estado imperial. São Paulo: Hucitec, 2004.

MELLO, José Antônio Gonçalves de (org.). O Diario de Pernambuco e a história social do Nordeste (1840-1889). Vol. 2. Recife: O Cruzeiro, 1975.

NETO, Flávio de Sá Cavalcanti de Albuquerque. A Reforma Prisional no Brasil Oitocentista: da Cadeia à Casa de Detenção (1830-1874). 2008. Dissertação(Mestrado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

PECHMAN, Robert Moses. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

PEDROSO, Regina Célia. Utopias penitenciarias: projetos jurídicos e realidade carcerária no Brasil. Revista de História, São Paulo, n. 136, p. 122-137, 1997.

PERROT, Michelle. Os excluídos da História: operários, mulheres e prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Crime, Violência e Sociabilidades urbanas: as fronteiras da ordem e da desordem no sul brasileiro no final do séc. XIX. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. XXX, n. 2, p. 27-37, 2004.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Muito além do espaço: por uma história cultural do urbano. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, p. 279-290,1995.

SALLA, Fernando. As prisões em São Paulo. São Paulo: Annablume, 1999.

SANT’ANNA, Marilene Antunes. Trabalhos e Conflitos na Casa de Correção do Rio de Janeiro. In: MAIA, Clarissa Nunes; et al. (orgs.). História das Prisões no Brasil. Vol. 1. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

SANTANNA, Marilene Antunes. A imaginação do castigo: discursos e práticas sobre a Casa de Correção do Rio de Janeiro. 2010. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SILVA, Alexandre Calixto da. Sistemas e Regimes Penitenciários no Direito Penal Brasileiro: Uma Síntese Histórico/Jurídica. 2009. Dissertação (Mestrado em Direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR.

SILVA, Sandro Vasconcelos da. O costume da praça vai à casa: as transformações urbanas e suas influências sobre os costumes da classe burguesa do Recife oitocentista (1830-1880). 2011. Dissertação (Mestrado em História Social da Cultura Regional) – Departamento de Letras e Ciências Humanas da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

TRINDADE, Cláudia Moraes. A implantação do trabalho prisional na penitenciária da Bahia (1833-1865). In: COELHO, Maria Thereza Ávila Dantas; FILHO, Milton Júlio de Carvalho (orgs.). Prisões: numa perspectiva multidisciplinar. Salvador: EDUFBA, 2012.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2020.47605

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

 

Divulgadores