De Revert Henry Klumb a Guilherme Antonio dos Santos: O Rio de Janeiro em 100 anos de fotografia estereoscópica (1850-1950)

Maria Isabela Mendonça dos Santos

Resumo


Este artigo busca apresentar um panorama da história da estereoscopia e do seu desenvolvimento no Brasil, tomando como fio condutor os fotógrafos profissionais e amadores que se utilizaram da técnica para representar a cidade do Rio de Janeiro desde a década de 1850 até a década de 1950. Inventado no Reino Unido na década de 1830 e distribuído comercialmente a partir da década de 1850, o estereoscópio consistiu numa das formas mais populares de visualização de imagens fotográficas entre a segunda metade do século XIX e a primeira metade do século XX. Entendendo que a técnica tem suas especificidades, buscamos compreender como a estereoscopia atuou na educação do olhar dos observadores brasileiros.

.


Palavras-chave


Estereoscopia; Fotografia Estereoscópica; Rio de Janeiro

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, Gavin. A mirada estereoscópica e a sua expressão no Brasil. 2004. Tese (Doutorado em Comunicação e Estética do Audiovisual) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo.

BENCHIMOL, Jayme Larry. Pereira Passos, um Haussman Tropical. Rio de Janeiro: Biblioteca Carioca, 1992.

CHIAVARI, Maria Pace. O mar, ícone e indício na fotografia pública do Rio de Janeiro (1906-1922). In: MAUAD, Ana Maria (org.). Fotograficamente Rio: A cidade e seus temas. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2016.

COSTA, Helouise; RODRIGUES, Renato. A fotografia moderna no Brasil. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

CRARY, Jonathan. Técnicas do observador: Visão e modernidade no século XIX. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

DARRAH, W. C. The world of Stereographs. Nashiville: Land Yatch Press, 1997.

George Leuzinger. (Verbete). In: Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa21629/george-leuzinger. Acesso em: 05 jan. 2018.

KOSSOY, Boris. Origens e expansão da fotografia no Brasil – século XIX. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1980.

MAUAD, Ana Maria; LOPES, Marcos Felipe de Brum. História e Fotografia. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (orgs.). Novos Domínios da História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

MAUAD, Ana. Imagem e autoimagem do Segundo Reinado. In: NOVAIS, Fernando A. (coord.). História da vida privada no Brasil. Vol. 2: Império: a corte e a modernidade nacional. Org.: Luiz Felipe de Alencastro. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MELLO, M. Teresa B. de. Arte e fotografia: O Movimento Pictorialista no Brasil. Rio de Janeiro: Funarte, 1998.

MESQUITA, Claudia. Um museu para a Guanabara. Carlos Lacerda e a criação do Museu da Imagem e do Som (1960-1965). Rio de Janeiro: Folha Seca, 2009.

PARENTE, José Luiz. A estereoscopia no Brasil. Rio de Janeiro: Sextante, 1999.

PEIXOTO, Rodrigo. Uma certa imagem de um mundo: Estereoscopia e educação visual no início do século XX; uma investigação a partir da coleção Pestalozzi (MIMO). RCL – Revista de Comunicação e Linguagens, Lisboa, n. 47, p. 34-52, 2017.

PEREIRA, Adriana M. P. Martins. A cultura amadora na virada do século XIX: A fotografia de Alberto Sampaio (Petrópolis/Rio de Janeiro, 1888-1914). 2010. Tese (Doutorado em História Social) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo.

PESSANHA, Maria Edith de Araújo. A Estereoscopia: O Mundo em Terceira Dimensão. Rio de Janeiro: M. E. A. Pessanha, 1991.

Revert Henrique Klumb. (Verbete). In: Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa21647/revert-henrique-klumb. Acesso em: 05 jan. 2018.

SANTOS, Ma. Isabela M. dos. A mirada estereoscópica de Guilherme Santos: Cultura Visual na cidade do Rio de Janeiro Séculos XIX e XX. 2019. Tese (Doutorado em História) – Instituto de História da Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ).

SANTOS, Ma. Isabela M. dos. Cenas Cariocas. O Rio de Janeiro através das estereoscopias de Guilherme Santos (1910-1957). 2014. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ).

SCHWARCZ, Lilia Moritz. As Barbas do Imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SILVA, Ma. Cristina Miranda da. A presença dos aparelhos e dispositivos ópticos no Rio de Janeiro do século XIX. 2006. Tese (Doutorado em Comunicação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

SUSSEKIND, Flora. Cinematógrafo de Letras. Literatura, técnica e modernização no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

TURAZZI, Maria Inez. Marc Ferrez: Fotografias de um “artista ilustrado”. São Paulo: Cosac & Naify, 2000.

TURAZZI, Maria Inez. Poses e Trejeitos: a fotografia e as exposições na era do espetáculo. Rio de Janeiro: Funarte; Rocco, 1995.

VASQUEZ, Pedro Karp. Revert Henrique Klumb: um alemão na Corte Imperial brasileira. Rio de Janeiro: Capivara, 2001.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2020.47564

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores