Cidades e corpos - Histórias e movimentos

Sheila Hempkemeyer

Resumo


O texto faz parte de um processo de pesquisa de doutorado em educação, e dialoga, de modo ensaístico, com temas como cidade, imagens, corpo e atravessamentos afetivos cotidianos. Tensiona estes diálogos com a educação, a história, o cotidiano e outros modos de pensar o emaranhado urbano, ancorada no método cartográfico. Através de processos formativos vividos pela autora, busca-se evidenciar questões, inquietudes e incômodos ainda instáveis, ensaiados no cotidiano e esboçado em pensamento e invenções. Defende que a potência da criação e da errância na cidade são modos insurgentes de rupturas frente aos atuais avanços conservadores, atentando-se ao exercício da alteridade, da inventividade e da experimentação, tendo como referências principais autores como Michel Foucault, Suely Rolnik, Félix Guattari, Peter Pelbart, entre outros.


Palavras-chave


Cidade; Corpo; Experiências Urbanas; Errância

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018.

BRIZUELA, Natalia. Depois da Fotografia: uma literatura fora de si. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CHRISTLIEB, Pablo Fernández. La Velocidad de las Bicicletas y otrosensayos de la cultura cotidiana. México: Vila Editores, 2005.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A sobrevivência dos vaga-lumes.Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico: As heterotopias. São Paulo: n-1 Edições, 2013.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Campinas, SP: Papirus, 1990.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 2012.

JACQUES, Paola Berenstein. Corpografias urbanas. Arquitextos, São Paulo, ano 08, n. 093.07, fev. 2008.

JACQUES, Paola Berenstein. Elogio aos errantes. Salvador: EdUFBA, 2012.

LE GOFF, Jacques. Por amor às cidades: conversações com Jean Lebrun. São Paulo: Ed.Unesp, 1988.

LESSA, Fábio de Souza; SOUZA, Maria Angélica Rodrigues de. A integração dos grupos de esposas na pólis. Politéia - História e Sociedade, Barcelona, v. 9, n. 1, p. 199-212, jun. 2011.

MARQUEZ, Renata. Diálogo. In: CAMPBELL, Brígida. Arte para uma cidade sensível. São Paulo: Invisíveis Produções, 2015.

RODRIGUES, José Carlos. O corpo na história. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 1999.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1 Edições, 2018.

SAFATLHE, Vladimir. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

SANTANA, Fernanda. “Vida sustentável é vaidade pessoal”, diz Ailton Krenak. Jornal Correio, Bahia, 25 jan. 2020. Disponível em: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/vida-sustentavel-e-vaidade-pessoal-diz-ailton-krenak/. Acesso em: 20 fev. 2020.

SENNETT, Richard. Carne e Pedra. Rio de Janeiro: BestBolso, 2016.

SUQUET, Annie. Cenas. O corpo dançante: um laboratório da percepção. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (dir.). História do corpo. Vol. 3: As mutações do olhar. O século XX. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

ZERNER, Henri. O olhar dos artistas. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (dir.). História do corpo. Vol. 2: Da Revolução à Grande Guerra. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2020.47401

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

 

Divulgadores