Casa, serviço e memória: origens sociais, carreira e estratégias de acrescentamento social dos governadores-gerais do Estado do Brasil (século XVII)

Hugo André Flores Fernades Araújo

Resumo


Nesse texto apresentaremos as trajetórias sociais e a carreira dos fidalgos e nobres portugueses que serviram ao Rei no governo do Estado do Brasil durante a segunda metade do século XVII. Analisaremos as características que compõe o perfil desse grupo, tais como as suas origens familiares, as alianças matrimoniais e estratégias de nobilitação, assim como os diversos tipos de serviços que prestaram a Coroa, tanto no Reino como no Ultramar. Buscamos dialogar com os trabalhos anteriores que trataram do tema e também propor novas questões a fim de avançar os debates, especialmente a luz de nossa contribuição acerca das estratégias de perpetuação da memória objetivando acrescentamento social, reflexão produzida a partir da análise dos relatos e narrativas que projetavam esses fidalgos e suas Casas no cenário imperial.


Palavras-chave


Governadores-Gerais; Estado do Brasil; Trajetórias Sociais; Perpetuação da Memória; Casas Nobiliárquicas

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Renato de Souza. Carreira e Governação no Império Português do Século XVII: o governo do 1º Conde de Óbidos e 2º vice rei do Estado do Brasil (1663-1667). 2014. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG.

ARAÚJO, Érica Lôpo de. Práticas políticas e governação no Império Português: O caso de D. Vasco de Mascarenhas (1626-1678). 2016. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

ARAÚJO, Hugo André Flores Fernandes. Amigos fingidos e inimigos encobertos: O governo geral e a insurreição pernambucana (1642-1645). Prohistoria, año XVII, n. 21, p. 27-53, ene.-jun. 2014.

ARAÚJO, Hugo André Flores Fernandes. A governação em tempo de guerra: Governo geral do Estado do Brasil e a gestão da defesa (1642-1654). 2014. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG.

BARDWELL, Ross Little. The governors of Portugal's south atlantic empire in the seventeenth century: social background, qualifications, selection and reward. 1974. Thesis (Ph. D. in History) – University of California, Santa Barbara, CA.

BARTH, Frederik. Process and Form in Social Life: Selected essays of Fredrik Barth. Vol. 1. London: Routlegde & Kegan Paul, 1981.

BARTH, Fredrik. A análise da cultura nas sociedades complexas. In: O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contracapa, 2000.

BLUTEAU, D. Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico... Vol. IV. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesú, 1712.

BOUZA ÁLVAREZ, Fernando. Portugal no Tempo dos Filipes. Política, Cultura e Representações (1580-1668). Lisboa: Cosmos, 2000.

BOXER, Charles. A luta Global com os Holandeses (1600-1663). In: O Império Colonial Português (1415-1825). Lisboa: Edições 70, 1981.

CARDIM, Pedro. A Casa Real e os órgãos centrais de governo no Portugal da segunda metade de Seiscentos. Tempo, Niterói (RJ), n. 13, p. 13-57, jul. 2002.

CARVALHO, Guilherme Amorim de. A arte de bem governar para bem morrer: Discurso e lógicas corporativas na América portuguesa (século XVII). 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de Brasília, Brasília/DF.

CERDAN, Francis. La oración fúnebre del siglo de oro: entre sermón evangélico e panegírico poético sobre fondo de teatro. Criticón, Toulouse, n. 30, p. 78-112, 1985.

CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 2002.

COSENTINO, Francisco Carlos C. Carreira e trajetória social na monarquia e no império ultramarino português. Governadores gerais do Estado do Brasil (1640-1702). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 33, n. 66, p. 183-207, 2013.

COSENTINO, Francisco Carlos C. Fidalgos portugueses no governo geral do Estado do Brasil, 1640-1702. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, ano 173, n. 456, p. 15-44, 2012.

COSENTINO, Francisco Carlos C. Governadores gerais do Estado do Brasil pós Restauração: guerra e carreira militar. Varia história, Belo Horizonte, v. 28, n. 48, p. 725-753, jul.-dez. 2012.

COSENTINO, Francisco Carlos C. Governadores Gerais do Estado do Brasil Séculos (XVI-XVII): Ofício, regimentos, governação e trajetórias. São Paulo; Belo Horizonte: Annablume; Fapemig. 2009.

COSTA, Fernando Dores. O Conselho de Guerra como lugar de poder: a delimitação da sua autoridade. Análise social, v. XLIV, n. 191, p. 379-414, 2009.

COSTA, Fernando Dores. A guerra da Restauração. 1641-1668. Lisboa: Horizonte, 2004.

CUNHA, Mafalda Soares da. Governo e governantes do Império português do Atlântico (Século XVII). In: FERLINI, Vera Lúcia Amaral; BICALHO, Maria Fernanda (orgs.). Modos de governar: Ideias e práticas políticas no Império Português. Séculos XVI a XIX. São Paulo: Alameda, 2005.

CUNHA, Mafalda Soares da. Títulos portugueses y matrimonios mixtos en la Monarquía Católica. In: CASALILLA, Bartolomé Yun (org.). Las Redes del Imperio: Élites sociales en la articulación de la Monarquía Hispánica, 1492-1714. Madrid: Marcial Pons Historia; Universidad Pablo Olavide, 2009.

CUNHA, Mafalda Soares da. A casa de Bragança (1560-1640): Práticas senhoriais e redes clientelares. Lisboa: Estampa, 2000.

CUNHA, Mafalda Soares da. Os insatisfeitos das honras. Os aclamadores de 1640. In: SOUZA, Laura de Mello e; FURTADO, Júnia Ferreira; BICALHO, Maria Fernanda (orgs). O governo dos povos. São Paulo: Alameda, 2009.

CUNHA, Mafalda Soares da; MONTEIRO, Nuno G. Governadores e capitães-mores do império atlântico português nos séculos XVII-XVIII. In: MONTEIRO, Nuno G; CUNHA, Mafalda Soares da; CARDIM, Pedro (orgs.). Optima pars: Elites Ibero-Americanas do Antigo Regime. Lisboa: ICS, 2005.

DANTAS, Vinícius. A privança no Portugal restaurado. Ler História, n. 64, p. 201-214, 2013.

DEMETRIO, Denise Vieira. Senhores Governadores: Arthur de Sá e Meneses e Martim Correia Vasques. Rio de Janeiro, c. 1697 – c. 1702. 2014. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.

DISNEY, Anthony R. A History of Portugal and the Portuguese Empire: From Beginnings to 1807. Vol. II: The Portuguese Empire. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

ELIAS, Norbert. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

ELLIOTT, John H. The Spanish Monarchy and the Kingdom of Portugal 1580-1640. In: GREENGRASS, Mark (ed.). Conquest and Coalesce: The shaping of the State in Early Modern Europe. London: Edward Arnold, 1991.

FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima. Monarquia Pluricontinetal e repúblicas: algumas reflexões sobre a América lusa nos séculos XVI-XVIII. Tempo, Niterói (RJ), v. 14, n. 27, p. 36-50, dez. 2009.

GAMA, Maria Luísa Marques da. O Conselho de Estado no Portugal Restaurado: Teorização, orgânica e exercício do Poder político na Corte Brigantina. 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de Lisboa, Lisboa.

GAYO, Felgueiras. Nobiliário de famílias de Portugal. Edição de Agostinho de Azevedo Meirelles; Domingos de Araújo Affonso. Tomo XX. Braga: Pax, 1940.

GAYO, Felgueiras. Nobiliário de famílias de Portugal. Edição de Agostinho de Azevedo Meirelles; Domingos de Araújo Affonso. Tomo XXVII. Braga: Pax, 1941.

GOMES, João Pedro. Os portugueses de Cartagena das Índias e a Restauração: O resgate de D. João Rodrigues de Vasconcelos e Sousa, conde de Castelo Melhor. Revista 7 mares, Niterói (RJ), n. 5, vol. 3, dez. 2014.

GOUVÊA, Maria de Fátima. Redes governativas portuguesas e centralidades régias no mundo português, c. 1680-1730. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima (orgs.). Na trama das redes: Política e negócios no império português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

HESPANHA, António Manuel. A administração militar. In: BARATA, Manuel T.; TEIXEIRA, Nuno S. (dir.). Nova História Militar de Portugal. Vol. 2. Lisboa: Círculo de Leitores, 2004.

HESPANHA, António Manuel. O espaço militar. In: BARATA, Manuel T.; TEIXEIRA, Nuno S. (dir.). Nova História Militar de Portugal. Vol. 2. Lisboa: Círculo de Leitores, 2004.

LOUREIRO, Marcello José Gomes. Iustitiam Dare: A Gestão da Monarquia Pluricontinental. Conselhos superiores, pactos, articulações e o governo da monarquia pluricontinental portuguesa. (1640-1668). 2014. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro; École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris.

MATOS, Gastão de Melo. Notícias do Terço da Armada Real (1618-1707). Lisboa: Imprensa da Armada, 1932.

MELLO, Evaldo Cabral de. No panteão restaurador. In: Rubro veio: O imaginário da restauração pernambucana. 3ª ed. (revista). São Paulo: Alameda, 2008.

MENDES, Caroline Garcia. As relações de sucesso e os periódicos da Península Ibérica na segunda metade do século XVII: imprimir, vender e aparecer nos materiais de notícias sobre a guerra. Revista Cantareira, Niterói (RJ), n. 30, p. 44-57, jan.-jun. 2019.

MENDES, Caroline Garcia. A circulação e a escrita de cartas do governador geral do Estado do Brasil Francisco Barreto (1657-1663). 2013. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de Campinas, Campinas, SP.

MENDES, Caroline Garcia; COSENTINO, Francisco C. “Ele valia um exército...”. Carreira, trajetória social e governação de Francisco Barreto de Meneses, governador geral do Estado do Brasil. LPH. Revista de História, Ouro Preto (MG), ano 20, n. 20, jan.-jun. 2010.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. O crepúsculo dos grandes: A casa e o patrimônio da aristocracia em Portugal (1750-1832). Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1998.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. A circulação das elites no império dos Bragança (1640-1808): algumas notas. Tempo, Niterói (RJ), v. 14, n. 27, p. 51-67, dez. 2009.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Casa, casamento e nomes: fragmentos sobre relações familiares e indivíduos. In: MATTOSO, José (dir.). História da Vida Privada em Portugal. Vol. II: A Idade Moderna. Organização de Nuno Gonçalo Monteiro. Lisboa: Círculo de Leitores, 2011.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Trajetórias sociais e governo das conquistas: Notas preliminares sobre os vice-reis e governadores-gerais do Brasil e da Índia nos séculos XVII e XVIII. In: FRAGOSO, João; BICALHO, Maria Fernanda; GOUVÊA, Maria de Fátima (orgs.). O Antigo Regime nos Trópicos: A dinâmica Imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo; SALVADO, João Paulo. La administración de los patrimônios de las grandes casas aristocráticas en el Portugal del antiguo Régimen. In: RECIO, Raúl Molina (dir.). Familia y Economía em los territórios de la Monarquía Hispánica.(SS XVI-XVIII). Badajoz: Mandalay, 2014.

OLIVAL, Fernanda. As Ordens Militares e o Estado Moderno: honra, mercê e venalidade em Portugal (1641-1789). Lisboa: Estar, 2001.

OLIVEIRA, Leonardo Paiva de. Capitães-mores das capitanias do Norte: perfis, trajetórias e hierarquias espaciais no Rio Grande e Ceará (1656-1755). 2018. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

PÉCORA, Alcir. A história como colheita rústica de excelências. In: SCHWARTZ, Stuart. B.; PÉCORA, Alcir (orgs.). As excelências do governador: o panegírico fúnebre a D. Afonso Furtado, de Juan Lopes Sierra (Bahia, 1676). São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

RAU, Virgínia. Fortunas Ultramarinas e nobreza portuguesa no século XVII. In: GARCIA, José Manuel (org.). Estudos sobre história econômica e social do Antigo Regime. Lisboa: Presença, 1984.

RODRÍGUEZ, José Javier R. De la relação a la comedia: La desgracia más felice (1645), de António de Almeida. Criticón, Paris, n. 116, p. 63-90, 2012.

SAMPAYO, António Villasboas e. Nobiliarquia Portuguesa, tratado da nobreza hereditária e política. Lisboa: [S. n.], 1676.

SANTIAGO, Diogo Lopes. História da guerra de Pernambuco. Recife: CEPE, 2004.

SANTO, Gabriel do Espírito. Restauração: 1640-1668. Lisboa: QuidNovi, 2008.

SANTOS, Fabiano Vilaça dos. Governadores e capitães-generais do Estado do Maranhão e Grão-Pará (1642-1701): apontamentos sobre qualidade social e trajetórias. In: SANTOS, Fabiano Vilaça dos; RIBEIRO, Mônica da Silva (orgs.). Impérios Ibéricos no Antigo Regime: governo, agentes e dinâmicas políticas e territoriais (séculos XVI-XVIII). Belo Horizonte: Fino Traço, 2019.

SANTOS, Fabiano Vilaça dos. O governo das conquistas do Norte: Trajetórias administrativas no Estado do Grão-Pará e Maranhão (1751-1780). São Paulo: Annablume, 2011.

SANTOS, Marília Nogueira dos. Escrevendo cartas, governando o Império: A correspondência de Antônio Luís Gonçalves da Câmara Coutinho no governo-geral do Brasil (1691-1693). 2007. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.

SARAIVA, Daniel M. P. As janelas da realidade: a função política das relações de sucessos na Guerra da Restauração de Portugal (1640-1668). In: LÓPEZ, Jorge García; CABARROCAS, Sònia Boadas (Coords.). Las relaciones de sucesos en los cambios políticos y sociales de la Europa Moderna. Barcelona: Univesitat Autònoma de Barcelona; Servei de Publicacions; Bellaterra, 2015.

SCHAUB, Jean-Frédéric. Le Portugal au temps du comte-duc Olivares (1621-40): Le conflit de juridictions comme exercice de la politique. Madrid: Casa de Velásquez, 2001.

SCHWARTZ, Stuart. A jornada dos vassalos: poder real, deveres nobres e capital mercantil antes da Restauração, 1624-1640. In: Da América portuguesa ao Brasil: Estudos históricos. Lisboa: Difel, 2003.

SCHWARTZ, Stuart. Pânico nas Índias: a ameaça portuguesa ao império espanhol, 1640-1650. In: Da América portuguesa ao Brasil: Estudos históricos. Lisboa: Difel, 2003.

SCOTT, Hamish M.; STORSS, Christopher. The Consolidation of Noble Power in Europe, c.1600-1800. In: SCOTT, Hamish M. (ed). The European Nobilities in the Seventeenth and Eighteenth Centuries. Volume I : Western and Southern Europe. Palgrave Macmillan, 2006.

SILVA, Kleber Clementino da. Política e historiografia nas narrativas lusocastelhanas seiscentistas da guerra holandesa no Atlântico Sul. 2016. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

SIQUEIRA, Luís. Homens de mando e guerra: capitães mores em Sergipe del Rey (1648-1743). 2016. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SOUSA, D. Antônio Caetano de. História Genealógica da Casa Real Portugueza. Tomo VII. Lisboa: Regia Oficina Sylviana e Academia Real, 1740.

SOUSA, D. Antonio Caetano de. Memórias Históricas e Genealógicas dos Grandes de Portugal... Lisboa: Regia Oficina Sylviana e Academia Real, 1755.

SOUSA, D. Antonio Caetano. História genealógica da casa real portuguesa. Livro IX. Lisboa: Academia Portuguesa de História; QuidNovi; Publico, 2007.

SOUSA, D. Antonio Caetano. História genealógica da casa real portuguesa. Livro XII. Lisboa: Academia Portuguesa de História; QuidNovi; Publico, 2007.

VAINFAS, Ronaldo; MOTTA, Marcia. Morgadios coloniais entre a nobilitação e o mercado: Trajetória e patrimônio de Francisco Barreto de Menezes, restaurador do Recife. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, n. 23, p. 123-147, jan.-abr. 2020.

VALLADARES, Rafael. A Independência de Portugal: Guerra e restauração 1640-1680. Lisboa: Espera dos Livros, 2006.

VALLADARES, Rafael. Portugal y la Monarquía Hispánica, 1580-1640. Madrid: Arco; Libros, 2000.

VERSOS, Inês; OLIVAL, Fernanda. Modelos de Nobreza: A ordem de Malta e as três Ordens Militares portuguesas. Uma perspectiva comparada (séc. XVII-XVII). In: RODRIGUEZ, Manuel Rivero (coord.). Nobleza Hispana, Nobleza Cristiana: La orden de San Juan. Vol. 2. Madrid: Polifemo, 2009.

ZÚQUETE, Afonso Eduardo Martins (dir.). Armorial lusitano: genealogia e heráldica. Colaboração de Antonio Machado de Faria. Lisboa: Enciclopédia, 1987.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2020.45027

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores