A perspectiva interseccional-rizomática nas narrativas (auto)biografias de universitárias

Andrea Abreu Astigarraga

Resumo


O objetivo deste artigo foi descrever e analisar, através das (auto)biografias de duas universitárias - uma do curso de Enfermagem e outra do curso de Pedagogia - fenômenos que envolvem a interseccionalidade e o modelo de rizoma, entre pobreza, etnia, gênero, os processos de superação, mobilidade social e a pesquisa como fator de biografização. As duas universitárias ingressaram na universidade através do vestibular, sem cotas sociais ou étnico-raciais. Partindo do princípio teórico-metodológico da biografização e projeto de si propostos por Cristine Delory-Momberger e Maria da Conceição Passeggi, verificamos que a mobilidade social foi basicamente forjada na resiliência pessoal e familiar, no capital social e cultural. A perspectiva da interseccionalidade-rizomática se evidenciou na narrativa (auto)biográfica da universitária do curso de Pedagogia, porque ela expressa o nível de reflexão crítica sobre a sua autoidentificação étnica, classe social e gênero, por ocasião da construção do seu Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação (TCC) e como integrante do “Grupo de Estudos e Pesquisas Autobiográficas”, inferindo a relevância do universitário pesquisador-reflexivo de sua própria história de vida. O que não se evidenciou na narrativa (auto)biográfica da universitária do curso de Enfermagem.


Palavras-chave


(Auto)biografia; Universidade; Interseccionalidade; Resiliência; Rizoma

Texto completo:

PDF

Referências


AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010.

ASTIGARRAGA, Andréa Abreu; PASSEGGI, Maria da Conceição. A infância no contexto da família rural: do trabalho infantil à universidade. In: SOUZA, E. C. Educação e ruralidade. Bahia: EDUFBA, 2012.

BOURDIEU, Pierre. Esboço de auto-análise. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. São Paulo: Papirus, 1996.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acesso em: 10 fev. 2019.

DELEUZE, Gilles; GUATARRI, Félix. Mil platôs. Vol. 1: Capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de janeiro: Zahar, 1994.

FERRAROTTI, Franco. História e histórias de vida: o método biográfico nas Ciências Sociais. Natal: EDUFRN, 2014.

GALLO, Silvio. Disciplinaridade e transversalidade. Linguagens, espaços e tempos no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 26, n. 01, jun. 2014.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin; GASKELL, George (orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

KOLLER, Silvia. Resiliência e vulnerabilidade em crianças que trabalham e vivem na rua. Educar em Revista, Curitiba, n. 15, jan.-dez. 1999.

MOMBERGER, Christine Delory. Biografia e Educação: Figuras do indivíduo-projeto. Natal; São Paulo: EDUFRN, 2008.

NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (orgs.). Pierre Bourdieu: Escritos de Educação. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

PASSEGGI, Maria da Conceição. A pesquisa (auto)biográfica em educação: princípios epistemológicos, eixos e direcionamentos da investigação científica. In: VASCONCELOS, M. F. C; ATEM, E. (eds.). Alteridade: o outro como problema. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2010.

PERPÉTUO, Claudia Lopes. O conceito de interseccionalidade: contribuições para a formação no ensino superior. Anais do [...]. Simpósio Internacional em educação sexual: saberes/trans/versais curriculares identitários e pluralidade de gênero. Maringá (PR), 2017.

PINEAU, Gaston; LE GRAND, Jean-Louis. As histórias de vida. Natal: EDUFRN, 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2008.

SETTON, Maria das Graças Jacintho. Um novo capital cultural: pré-disposições e disposições à cultura informal nos segmentos com baixa escolaridade. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 90, p. 77-105, jan.-abr. 2005.

SUANNO, M. V. Inovação pedagógica no contexto universitário. In: TORRE, S. et al (eds.). Innovación y Creatividad. (CD-ROM). Barcelona: Giad., 2010.

WELLER, Vivian. Tradições hermenêuticas e interacionistas na pesquisa qualitativa: a análise de narrativas segundo Fritz Schütze. (Comunicação). [S.n.t.]. Disponível em: http://32reuniao.anped.org.br/arquivos/trabalhos/GT14-5656--Int.pdf. Acesso em: 21 ago. 2010.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2019.40189

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores