Entrevista com o Professor Adone Agnolin (USP)

Bruna Soalheiro, Fernando Torres Londoño

Resumo


Doutor em História Social e Livre Docente pela Universidade de São Paulo, Adone Agnolin atua há muito na área de História Moderna, abordando temas ligados à História das Religiões. Nesta entrevista, o historiador traça um programa e uma trajetória historiográfica, seguindo a escola italiana, da consolidação da disciplina enquanto um campo de estudos autônomo e aberto. Além disso, o leitor encontrará, nas linhas abaixo, comentários sobre as interseções metodológicas suscitadas pelas manifestações do sagrado enquanto objeto de análise; a perspectiva de uma História Moderna à luz dos encontros e leituras entre Ocidente e Oriente; e, as disposições que esta matéria tem tomado no Brasil nos últimos anos.

Palavras-chave


Entrevista; Adone Agnolin; História das Religiões

Texto completo:

PDF

Referências


AGNOLIN, A. O Apetite da Antropologia - o sabor antropofágico do saber antropológico: alteridade e identidade no caso tupinambá. São Paulo: Humanitas, 2005.

AGNOLIN, Adone. História das Religiões: perspectiva histórico-comparativa. São Paulo: Paulinas, 2013.

AGNOLIN, Adone. Jesuítas e Selvagens: A negociação da Fé no encontro catequético-ritual americano-tupi (séc. XVI-XVII). São Paulo: Humanitas; FAPESP, 2007.

AGNOLIN, Adone. O Amplexo Político dos Costumes de um Jesuíta Brâmane na Índia: a Acomodação de Roberto de’ Nobili em Madurai e a polêmica do Malabar - séc. XVII. 2017. Tese (Livre-Docência) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

AGNOLIN, Adone. O Homem Cavalo dos Orixás: Adivinhação e Possessão em uma Cultura Afro-Brasileira. 1987. Tese (Graduação em Filosofia) - Università degli Studi di Padova, Pádua.

AGNOLIN, Adone. Os apóstolos da civilização – religião natural e revelação entre os missionários da América: as bases da História das Religiões no surgimento da comparação histórica e etnográfica. Plura, Revista de estudos de Religião, v. 6, n. 2, jul./dez. 2015.

AUGÉ, Marc. Le Dieu Objet. Paris: Flammarion, 1988.

BRELICH, A. Perché storicismo e quale storicismo (nei nostri studi)? Studi e Materiali di Storia delle Religioni, v. XLI, 1970. Disponível em: http://cisadu2.let.uniroma1.it/smsr/issues/1970/pages/#page/6/mode/2up.

CROCE, Benedetto. Intorno alle condizioni presenti della storiografia in Italia. La Critica, Napole, v. 27, 1929). Disponível em: https://ojs.uniroma1.it/index.php/lacritica/issue/view/244.

CRUZ, Bruna Dutra de Oliveira Soalheiro. Política e Retórica: estratégias de conversão nas missões jesuítas do Mogol, Tibete e Bengala (XVI-XVIII). 2014. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

DE MARTINO, Ernesto. La Fine del Mondo. Contributo all’analisi delle apocalissi culturali. Turim: [s.n.], 1977.

DURKHEIM, Émile. Les Formes Élémentaires de la Vie Religieuse. Paris: [s.n.], 1912.

ELIADE, Mircea. Traité d’Histoire des Religions. Paris: [s.n.], 1948.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, 1993. 2 vols.

ESTENSSORO-FUCHS, J. C. Les Pouvoirs de la Parole: la prédication au Pérou: de l’évangelisation à l’utopie. Annales: Histoire, Sciences Sociales, v. 51, n. 6, 1225-1257, 1996.

FRANCO, José Eduardo; TAVARES, Célia. Jesuítas e Inquisição: cumplicidades e confrontações. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2007.

FRAZER, James George. Totemism and Exogamy. London: [s.n.], 1910.

FREUD, Sigmund. Totem und Tabu. Wien: [s.n.], 1913.

GARIN, Eugenio. Alla scoperta del ‘diverso’: i selvaggi americani e i saggi cinesi. Rinascite e Rivoluzioni: movimenti culturali dal XIV al XVIII secolo. Roma-Bari: Laterza, 1975.

GASBARRO, Nicola. Religione e Civiltà: “F. Max Müller e E. B. Tylor”. Storia, antropologia e scienze del linguaggio, anno III, 1988.

GLIOZZI, Giuliano. Adamo e il Nuovo Mondo. La nascita dell’antropologia come ideologia coloniale: dalle genealogie bibliche alle teorie razziali (1500-1700). Firenze: La Nuova Italia Editrice, 1977.

GRANET, Michel. O Pensamento Chinês. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

LANDUCCI, Sergio. I Filosofi e i Selvaggi - 1580-1780. Roma; Bari: Laterza, 1972.

LANG, Andrew. Making of Religion. London: [s.n.], 1898.

MALAMOUD, Charles. Cuire le Monde: Rite et pensée dans l’Inde ancienne. Paris: La decouverte, 1989.

MAZZOLENI, Gilberto. Il Pianeta Culturale: per una antropologia storicamente fondata. Roma: Bulzoni, 1986.

MAZZOLENI, Gilberto. O planeta cultural: para uma antropologia histórica. São Paulo: Ed. USP, 1992.

OTTO, Rudolf. Das Heilige. Gotha: [s.n.], 1917.

PETTAZZONI, Raffaele. Il método comparativo. Numen, v. 6, fasc. 1, jan. 1959.

PETTAZZONI, Raffaele. Svolgimento e Carattere della Storia delle Religioni: Lezione inaugurale pronunziata nell' Università di Roma il 17 gennaio 1924. Roma: [s.n.], 1924.

SABBATUCCI, Dario. La Prospettiva Storico-Religiosa: fede, religione e cultura. Milão: Saggiatore, 1990.

SCARPI, Paolo. Si fa presto a dire Dio: Riflessioni sul multiculturalismo religioso. Milão: Ponte alle Grazie, 2010.

SCHMIDT, Wilhelm. Der Ursprung der Gottesidee. I-XII. Münster: [s.n.], 1926-1955.

USARSKI, Frank. O Budismo e as Outras: encontros e desencontros entre as grandes religiões mundiais. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2009.

VAN DER LEEUW, Gerardus. Phänomenologie der Religion. Tübingen: [s.n.], 1933.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2019.37963

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores