Congresso Internacional de História da América (1922): Redes de intelectuais e disciplinarização do conhecimento histórico

José Lúcio Nascimento Júnior

Resumo


O objetivo principal deste trabalho consiste em analisar como ocorreu o Congresso Internacional de História da América realizado entre 08 a 15 de setembro de 1922, tendo como instituição promotora o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Por ser um evento que reuniu historiadores e intelectuais diversos, tal evento possibilita que se observe como estavam os contornos do processo formação e de institucionalização do campo disciplinar em curso no Brasil, além das redes de sociabilidade que os historiadores brasileiros possuíam primeiro quartel do século XX.

Palavras-chave


Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro; Historiografia; Circulação de Intelectuais; Rio de Janeiro

Texto completo:

PDF

Referências


FERREIRA, Antônio Celso. A Historiografia profissional paulista: expansão e descentramento. In: GLEZER, Rachel. Do passado ao futuro: edição comemorativa dos 5º anos da Anpuh. São Paulo: Contexto; Ed. FGV, 2013.

FERREIRA, Marieta de Moraes. A História como ofício: a constituição de um campo disciplinar. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2011.

GUIMARÃES, L. Da Escola Palatina ao Silogeu: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1889-1930). Rio de Janeiro: Museu da República, 2007.

GUIMARÃES, L. Limites políticos de um projeto intelectual para a integração dos países do Novo Mundo: o Primeiro Congresso Internacional de História da América (1922). Topoi, Rio de Janeiro, v. 6, n. 10, p. 192-212, jan.-jun. 2005.

GUIMARÃES, M. L. Historiografia e Nação no Brasil (1838-1857). Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2011.

GUIMARÃES, M. L. Nação e Civilização nos Trópicos: O Instituto Geográfico Brasileiro e o Projeto de uma História Nacional. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 5-27, 1988.

GUIMARÃES, M. L. O presente do passado: as artes de Clio em tempos de memória. In: ABREU, M.; SOIHET, R.; TEIXEIRA, R. (orgs.). Cultura política, historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado. A cultura histórica oitocentista e o nascimento da disciplina. Anais do [...]. XXII Simpósio Nacional de História da ANPUH. João Pessoa: ANPUH, 2003.

HARTOG, F. Regimes de Historicidade: Presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

KOSELLECK, R. “Espaço de experiência” e “horizonte de expectativa”: duas categorias históricas. In: Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2006.

NOIRIEL, G. Sur La “crise” de l’Histoire. Paris: Belin, 1998.

OLIVEIRA, M. G. Crítica, método e escrita da História em Capistrano de Abreu. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2013.

REIS, J. C. A História, entre a Filosofia e a Ciência. 4ª ed. (revista e ampliada). Belo Horizonte: Contexto, 2011.

RODRIGUES, Mara. Apresentação a Oliveira Lima. In: NICOLAZZI, Fernando (org.). História e Historiadores no Brasil do fim do Império ao alvorecer da República. Porto Alegre: PUCRS, 2014.

SIRINELLI, Jean-Pierre. Abrir a história: novo olhar para o século XX francês. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2019.37747

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores