A trajetória de uma rede familiar no Pará setecentista: O caso da família Góis

Marcia Eliane Alves de Souza e Mello

Resumo


O artigo examina a trajetória da família de Manoel de Góis e seu processo de mobilidade social, ocorrido na capitania do Pará, durante o século XVIII. Analisa as estratégias de afirmação e reconhecimento social empregados por diversos membros da família, que os inseriu na elite local. Apresenta a composição de uma rede social formada pelos novos colonos reinóis e os descendentes das antigas e principais famílias no Estado do Maranhão e Grão-Pará. A análise dessa rede familiar, permite observar não apenas os percursos individuais de ascensão social que os conduziu à nobilitação, mas também, a inclusão do grupo em redes políticas e sociais que garantiram sua distinção social.


Palavras-chave


Ascensão social; Família; Capitania do Pará

Texto completo:

PDF

Referências


BICALHO, Maria Fernanda. O que significa ser cidadão nos tempos coloniais. In: ABREU, Martha; SOIHET, Rachel (orgs.) Ensino de História: Conceitos, temáticas e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

BORGES, Eduardo José dos Santos. O Antigo Regime no Brasil Colonial. Elites e poder na Bahia do século XVII. São Paulo: Alameda, 2017.

CASTELO BRANCO, Camilo. Memórias de Fr. João de São Joseph Queiroz, bispo do Grão-Pará. Porto: Typographia da Livraria Nacional, 1868.

CHAMBOULEYRON, Rafael et al. “Formidável contágio”: epidemias, trabalho e recrutamento na Amazônia colonial (1660-1750). História, Ciências, Saúde - Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, out-dez. 2011.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Escravos do Atlântico equatorial: tráfico negreiro para o Estado do Maranhão e Pará (século XVII e início do século XVIII). Rev. Bras. Hist., São Paulo, v. 26, n. 52, p. 79-114, dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbh/v26n52/a05v2652.pdf. Acesso em: 13 fev. 2018.

CUNHA, Mafalda Soares da; MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Governadores e capitães-mores do Império atlântico português nos séculos XVII e XVIII. In: MONTEIRO, Nuno; CARDIM, Pedro; CUNHA, Mafalda Soares (orgs.). Optma Pars: Elites Ibero-americanas do Antigo Regime. Lisboa: Imprensa de Estudos Sociais, 2005.

DURÃES, Andreia. Grupos intermédios em Portugal (1600-1850): uma aproximação ao vocabulário social. Topoi, Rio de Janeiro, v. 14, n. 27, p. 318-342, jul.-dez. 2013.

FONSECA, Fernando Taveira da. Scientiae thesaurus mirabilis: estudantes de origem brasileira na universidade de Coimbra. Revista Portuguesa de História, Vol. 32, 1999.

FRAGOSO, João; SAMPAIO, Antônio Carlos; ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de (orgs.) Conquistadores e negociantes. História das elites no Antigo Regime nos trópicos. América lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

HESPANHA, António Manoel. As vésperas do Leviathan, Instituições e Poder Político. Portugal – Séc. XVII. Lisboa: Almedina, 1994.

HESPANHA, António Manuel. A mobilidade social na sociedade de Antigo Regime. Tempo, Niterói (RJ), v. 11, n. 21, 2006.

MARCOCCI, Giuseppe; PAIVA, José Pedro. História da Inquisição Portuguesa (1536-1821). Lisboa: Esfera dos Livros, 2013.

MELLO, Marcia Eliane Alves de Souza. Fé e Império: as Juntas das Missões nas conquistas portuguesas. Manaus: EDUA, 2009.

MELLO, Marcia Eliane Alves de Souza. Fé e Império: as Juntas das Missões nas conquistas portuguesas. Manaus: EDUA, 2009.

MELLO, Marcia Eliane Alves de Souza. Perspectivas sobre a “nobreza da terra” na Amazônia colonial. Revista de História, São Paulo, n. 168, p. 26-68, jan.-jun. 201.

MELLO, Marcia Eliane Alves de Souza. Trajetórias familiares e ascensão social no Grão-Pará (séculos XVII -XVIII). VI Encontro Internacional de História Colonial, Salvador, 2016.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Crepúsculo dos Grandes. A casa e o patrimônio da aristocracia em Portugal (1750-1832). Lisboa: Imprensa Nacional- Casa da Moeda, 2003.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Elites Locais e mobilidade social em Portugal nos finais do Antigo Regime. Análise Social, v. XXXII, n. 141, 1997.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Notas sobre a nobreza, fidalguia e titulares no final do Antigo Regime. Ler Historia, n. 10, Lisboa, 1987.

MONTEIRO, Rodrigo Bentes; CALAINHO, Daniela Buono. Raízes do Privilégio. Mobilidade social no mundo ibérico do Antigo Regime. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos. Os princípios da legislação indigenista no período colonial. In: CUNHA, Manuela Carneiro da. (org.) História dos Índios do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

RAMINELLI, Ronald. Justificando Nobrezas: Velhas e novas elites coloniais, 1750-1807. História, Franca (SP), v. 35, n. 98, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/his/v35/0101-9074-his-35-00098.pdf. Acesso em: 02 jan. 2018.

ROCHA, Rafael Ale. A elite militar no Estado do Maranhão: poder, hierarquia e comunidades indígenas (século XVII). 2013. Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ).

ROCHA, Rafael Ale. Câmaras municipais e ordenanças no Estado do Maranhão e Grão-Pará: constituição de uma elite de poder na Amazônia seiscentista. História Revista, Goiânia, v. 21, n. 1, p. 92-113, jan.-abr. 2016.

RORIGUES, Aldair. Viver à lei da nobreza: familiaturas do Santo Ofício, Ordens Terceiras, câmaras e Ordem de Cristo num contexto de mobilidade social (Minas Gerais, século XVIII). Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime, Lisboa, 201.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Fidalgos e filantropos. A Santa Casa de Misericórdia da Bahia, 1550-1755. Brasília: Ed. UnB, 1981.

SANCHES DE BAENA, Augusto Romano. Archivo heraldico-genealogico. Vol. I. Lisboa: Typographia universal de T. Q. Antunes, 1872.

SANTOS, Marília Cunha Imbiriba dos. Família, trajetória e poder no Grão-Pará setecentista: Os Oliveira Pantoja. 2015. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal do Pará, Belém.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Ser nobre na Colônia. São Paulo: UNESP, 2005.

SOUTO, Alanna. Apontamentos para história da família e demografia histórica na Capitania do Pará (1750-1790). 2008. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Pará, Belém.

STUMPF, Roberta Giannubilo. Os cavaleiros do ouro e outras trajetórias nobilitantes nas Minas Gerais setecentistas. Belo Horizonte: Fino Traço, 2014.

SWEET, David G. A rich real destroyed: the middle Amazon valley, 1640-1750. 1974. Tese (Doutorado em História) - University Wisconsin, Madison.

VASCONCELOS, Francisco de. As qualificações da nobreza contemporânea datam da época da expansão. Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime, Lisboa, 2012.

VIEIRA JUNIOR, A. O. Demografia Histórica, Família e Inquisição: possibilidades metodológicas a partir da Habilitação de Familiar. História Unisinos, São Leopoldo, v. 15, 2011.

XAVIER, Ângela Barreto; HESPANHA, A. M. A Representação da Sociedade e do Poder. In: MATTOSO, José (dir.). História de Portugal. Vol. 4: O Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Estampa, 1998.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2018.33670

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

               

 

 

Divulgadores