Nobreza ibérica na Alta Idade Moderna: o mérito, a linhagem, os discursos

Marcone Zimmerle Lins Aroucha

Resumo


O presente texto pretende dar forma a uma análise acerca das implicações, por assim dizer, teórico-literárias da noção de nobreza construída na Península Ibérica Alto Moderna. A partir da leitura de produções discursivas de meados do século XVII, como o tratado de nobreza, a crônica de guerra e a documentação administrativa, buscaremos traçar correspondências que refletem um cultivo de topoi classicistas e de lógicas discursivas maturadas na cultura política portuguesa do Seiscentos. Nossas reflexões a respeito das referidas fontes terão em mira as compreensões sobre mérito e linhagem – no horizonte de nosso corpus, categorias não necessariamente excludentes entre si. De maneira que este nosso escrito constitui um exercício pouco exaustivo de sobreposição de modalidades discursivas que traduziram o ethos nobiliárquico da Época Moderna ibérica em geral e da lusitana em particular.


Palavras-chave


Nobreza ibérica; Cultura política; Mérito; Linhagem

Texto completo:

PDF

Referências


CALADO, Frei Manuel. O Valeroso Lucideno e o triunfo da liberdade. Recife: FUNDARPE - Diretoria de Assuntos Culturais, 1985.

CERVANTES, Miguel de. Don Quijote de la Mancha. Madrid: Punto de Lectura, 2009.

ELLIOTT, J. H. Impérios del Mundo Atlántico. España e Gran Bretaña en América (1492-1830). Madrid: Taurus, 2006.

GUILLÉN BERRENDERO, José Antonio. Interpretaciones del héroe clásico: La genealogía de la idea noblehonrado y su desarrollo en la tratadística nobiliaria luso-castellana (1556-1640). Ágora, Estudos Clássicos em Debate, n. 13, p. 111-143, 2011.

GUILLÈN BERRENDERO, José Antonio. Los mecanismos del honor y la nobleza em Castilla y Portugal, 1556-1621. 2008. Tesis (Doctorado) – Departamento de Historia de la Universidad Complutense de Madrid, Madrid.

HESPANHA António Manuel. Imbecillitas – As bem-aventuranças da inferioridade nas sociedades de Antigo Regime. São Paulo: Annablume, 2010.

HESPANHA, Antônio Manuel. A mobilidade social na sociedade de Antigo Regime. Tempo, n. 21, v. 11, 2007.

HESPANHA, António Manuel. A Nobreza nos tratados jurídicos dos séculos XVI a XVIII. Penélope – Fazer e Desfazer a História, n. 12, 1993.

ILLADES, Gustavo. Sátira, prédica y murmuración: genealogia de una contienda por la voz en el Quijote de 1605. Bulletin of the Cervantes Society of America, v. 27, n. 1, p. 161-178, Springs 2007.

KRAUSE, Thiago Nascimento. Em busca da honra: a remuneração dos serviços da guerra holandesa e os hábitos das Ordens Militares (Bahia e Pernambuco, 1641-1683). 2010. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense, Niterói – RJ.

LEITE, Jorge Luiz de Miranda. O Dito e o Feito – Heróis exemplares nos relatos de guerra na Restauração pernambucana (1630-1654). 2009. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense, Niterói - RJ.

LOCKHART, James. Organización y cambio social en la América Española Colonial. In: BETHELL, L. (ed.). Historia de la América Latina: América Latina Colonial, población, sociedad y cultura. Barcelona: Crítica, 2000.

MATTOSO, José. A nobreza medieval portuguesa: a família e o poder. Lisboa: Estampa, 1980.

MATTOSO, José. Ricos-Homens Infanções e Cavaleiros - A Nobreza Medieval Portuguesa nos Séculos XI e XII. Lisboa: Guimarães, 1985.

MELLO, Evaldo Cabral de Mello. O Nome e o Sangue – uma parábola familiar no Pernambuco Colonial. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000.

MELLO, Evaldo Cabral de. A fronda dos mazombos – Nobres contra Mascates, Pernambuco, 1666-1715. São Paulo: Ed. 34, 2012.

MELLO, Evaldo Cabral de. O Nome e o Sangue – uma parábola familiar no Pernambuco Colonial. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000.

MELLO, Evaldo Cabral de. Rubro Veio: o imaginário da restauração pernambucana. São Paulo: Alameda, 2008.

MEXÍA, Pedro. Silva de varia lección I. Madrid: Catedra - Letras Hispánicas, 1989.

MONTALVO, Garci Rodríguez de Montalvo. Amadís de Gaula I. Ed.: Juan Manuel Cacho Blecua. Madrid: CATEDRA – Letras Hispánicas, 2008.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Casamento, celibato e reprodução social: a aristocracia portuguesa nos séculos XVII e XVIII. Análise Social, v. XXVIII, p. 921-950, 1993.

MONTEIRO, Nuno. O crepúsculo dos Grandes: A Casa e o Património da Aristocracia em Portugal (1750-1832). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2003.

MONTEIRO, Nuno. Sistemas familiares. In: MATTOSO, José; HESPANHA, António Manuel. História de Portugal – O Antigo Regime. Lisboa: Estampa, 1998.

RAMINELLI, Ronald. Nobrezas do Novo Mundo – Brasil e ultramar hispânico, séculos XVII e XVIII. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2015.

RODRIGUES, Aldair C. Limpos de sangue: Familiares do Santo Ofício, Inquisição e Sociedade em Minas Colonial. São Paulo: Alameda, 2011.

SILVA, Kalina Vanderlei. Miserável Soldo & a Boa Ordem da Sociedade Colonial – Militarização e Marginalidade na Capitania de Pernambuco. Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 2001.

SOARES, Frei Miguel. Os Serões do Príncipe. Parte I. Lisboa: Instituto de Alta Cultura – Centro de Estudos Históricos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1966.

SOARES, Sérgio Cunha. Nobreza e Arquétipo Fidalgo – A propósito de um Livros de Matrículas de Filhamentos (1641-1724). Revista de História das Ideias, v. 19, 1997.

SOUSA NASCIMENTO, Renata Cristina de. Um perfil de fidalguia: Elementos para o estudo da estrutura nobiliárquica portuguesa no século XV. Notandum 32, CEMOROC-FEUSP; IJI-Universidade do Porto, maio-ago. 2013.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2018.33641

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

               

 

 

Divulgadores