Junho de 2013: crítica e abertura da crise da democracia representativa brasileira

Daniel Pinha Silva

Resumo


O presente artigo reconhece a centralidade das Manifestações de Junho de 2013 como um ponto de inflexão para a abertura da crise do modelo democrático-representativo experimentada ainda hoje. Defende que se forma a partir daquele mês de junho um ambiente social crítico a este sistema político, apontando para a necessidade de reajuste das práticas políticas dos representantes e do efetivo cumprimento do pacto constitucional de 1988. Após explorar a historicidade e o potencial semântico do conceito de democracia – em seu caráter inconcluso e suscetível à crítica permanente da sociedade civil – e caracterizar o modelo democrático brasileiro pós-88, o artigo avança nas ambivalências de junho a partir do exame dos discursos políticos dos atores à época, distinguindo dois tempos: o primeiro canalizado pelo Movimento Passe Livre, centrado no debate sobre o direito ao transporte público e à tarifa zero e, de modo mais amplo, no direito à cidade; o segundo, sem um centro organizador tão evidente, mas com clara tentativa de apropriação por parte da grande imprensa, disparava reivindicações múltiplas associadas ao combate à corrupção. Na soma não excludente dos dois tempos está a formação de um grande ambiente de crítica ao modelo democrático representativo vigente e a suas práticas.


Palavras-chave


História do Brasil Recente; Democracia; Manifestações de Junho de 2013

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, Paulo. 1964, o ano que não terminou. In: TELLES, Edson; SAFATLE, Vladimir (orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

BRAGA, Ruy. Sob a sombra do precariado. In MARICATO, Ermínia; et al. Cidades Rebeldes: passe livre as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013.

BUCCI, Eugenia. A forma bruta dos protestos: Das manifestações de 2013 à queda de Dilma Rousseff em 2016. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

DEMIER, Felipe. Depois do Golpe: a dialética da democracia blindada no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, 2017.

GAGNEBIN, Jeanne M. O preço de uma reconciliação extorquida. In: TELLES, Edson; SAFATLE, Vladimir (orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

GOHN, Maria da Glória. Manifestações de Junho de 2013 no Brasil e Praças dos Indignados no Mundo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

GOMES, Ângela de Castro. O populismo e as ciências sociais no Brasil: notas sobre a trajetória de um conceito. Tempo, Niterói (RJ), v. 1, n. 2, p. 31-58, 1996.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC Rio, 2006.

MARICATO, E. É a questão urbana, estúpido. In: MARICATO, Ermínia; et al. Cidades Rebeldes: passe livre as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013.

MARICATO, Ermínia; et al. Cidades Rebeldes: passe livre as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013.

MATTOS, Marcelo Badaró. De junho de 2013 a junho de 2015: elementos para uma análise da (crítica) conjuntura brasileira. In: A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.

MIGUEL, Luís Felipe. Democracia e representação: territórios em disputa. São Paulo: Ed. Unesp, 2014.

NOBRE, Marcos. Choque de Democracia: razões da revolta. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

NOBRE, Marcos. Imobilismo em movimento: Da abertura democrática ao governo Dilma. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

OLIVEIRA, Rodrigo Perez. A cultura política da crise brasileira: um ensaio de síntese histórica. In: GUIMARÃES, Géssica (org.). Conversas sobre o Brasil: ensaios de crítica histórica. Rio de Janeiro: Autografia, 2017.

PINHA, Daniel. Projetos de democracia em dissolução no Brasil desde 2016. In: GUIMARÃES, Géssica (org.). Conversas sobre o Brasil: ensaios de crítica histórica. Rio de Janeiro: Autografia, 2017.

RICCI, Rudá; ARLEY, Patrick. Nas ruas: a outra política que emergiu em junho de 2013. Belo Horizonte: Letramento, 2014.

ROSANVALLON. Pierre. Por uma história do político. São Paulo: Alameda, 2010.

SECCO, Lincoln. As jornadas de junho. In: MARICATO, Ermínia; et al. Cidades Rebeldes: passe livre as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013.

SINGER, André. Brasil, junho de 2013: classes e ideologias cruzadas. Novos estud. CEBRAP, São Paulo, n. 97, nov. 2013.

SINGER, André. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2012.

SOUZA, Jessé de. A radiografia do golpe: entenda como e por que você foi enganado. Rio de Janeiro: Leya, 2016.

TELLES, Edson; SAFATLE, Vladimir (orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.




DOI: https://doi.org/10.12957/maracanan.2018.31322

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores