Temporalidade e crise: sobre a (im)possibilidade do futuro e da política no Brasil e no mundo contemporâneo

Thamara de Oliveira Rodrigues, Marcelo de Mello Rangel

Resumo


Neste artigo abordamos alguns aspectos da crise política contemporânea e brasileira a partir da sua relação com a temporalidade. Argumentamos que certa dificuldade no que diz respeito ao surgimento de propostas intelectuais e políticas para o seu enfrentamento pode ser atribuída, entre outros fatores, à insistência numa percepção do futuro determinada pela expectativa de perfeição/perfectibilidade e progresso. Discute-se, também, a sensação de um possível aprisionamento na crise tendo em vista uma determinada forma de tematização a partir das mídias e redes sociais. Ao final, recorre-se a perspectivas que procuram ir além das categorias de pessimismo e otimismo tendo em vista que a insistência na classificação de diagnósticos intelectuais ou de ações políticas a partir delas estabelece uma dependência em relação a uma expectativa de futuro ideal.


Palavras-chave


Temporalidade; Crise; Presente Amplo; Otimismo; Pessimismo

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Anti-semitismo, imperialismo, totalitarismo. São Paulo: Companhia das letras, 1990.

BALDWIN, James. I am not your negro. New York: Vintage International, 2017.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Modernização dos Sentidos. São Paulo: Editora 34, 1998.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Nosso amplo presente: o tempo e a cultura contemporânea. São Paulo: Ed. Unesp, 2015.

KOSELLECK, Reinhart. A temporalização da utopia. In: Estrados de tempo. Estudos sobre a história. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2014.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Puc-Rio, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Is There an Acceleration of History? In: ROSA, Hartmut; SCHEUERMAN, William E. (ed.). High-speed society: social acceleration, power, and modernity. State College: Penn State University Press, 2009.

KOSELLECK, Reinhart. Sobre la historia conceptual de la utopía temporal. In: Historias de conceptos: estudios sobre semántica y pragmática del lenguaje político y social. Madrid: Editorial Trotta, 2012.

MBEMBE, Achille. A era do humanismo está terminando. Revista do Instituto Humanitas – Unisinos. Publicado em: 24 jan. 2017. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/564255-achille-mbembe-a-era-do-humanismo-esta-terminando. Acesso em: 20 out. 2017.

ORTELLADO, Pablo. Onde está a imaginação política da esquerda? Folha de São Paulo, São Paulo, 05 set. 2017. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/pablo-ortellado/2017/09/1915919-onde-esta-a-imaginacao-politica-da-esquerda.shtml. Acesso em: 20 out. 2017.

RANGEL, Marcelo de Mello. Melancolia e história em Walter Benjamin. Ensaios Filosóficos, Rio de Janeiro v. XIV, p. 126-137, dez. 2016.

ROWAN, Rory. Extinction as usual?: Geo-social futures and left optimism. E-Flux Journal (online). Publicado em: 2015. Disponível em: http://supercommunity.e-flux.com/texts/extinction-as-usual-geo-social-futures-and-left-optimism/. Acesso em: 20 out. 2017.




DOI: https://doi.org/10.12957/maracanan.2018.31309

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores