Entre passado e futuro: pessimismo e ruína em Retrato do Brasil de Paulo Prado

Henrique Pinheiro Costa Gaio

Resumo


Este artigo pretende analisar a peculiaridade da reflexão histórica de Paulo Prado (1869-1943) expressa no Post-Scriptum de Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira (1928). Além de mostrar-se como ponto de inflexão na própria trajetória intelectual do ensaísta, a análise do Post-Scriptum permite a compreensão das expectativas que envolvem sua reflexão crítica e revela a percepção do passado nacional enquanto fardo ou ruína, posto que desorientada por vícios e por esforços inacabados. De tal modo, como corolário, engendra-se uma vontade de urgente intervenção, indicadora de uma importante dimensão ético-política na crítica do ensaísta ao processo de formação nacional, donde se depreende uma permanente tensão entre tradição e modernidade ou entre passado e futuro.


Palavras-chave


Paulo Prado; Retrato do Brasil; Ruína; Pessimismo

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Mário de. O Movimento Modernista. Aspectos da literatura brasileira. São Paulo: Martins, 1978.

ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. Deuses em miniatura: notas sobre genialidade e melancolia em Gilberto Freyre. In: SOUZA, Eneida Maria de; MIRANDA, Wander Melos (Orgs.). Navegar é preciso, viver: escritos para Silviano Santiago. Niterói, RJ: EdUFF, 1997.

ARENDT, Hannah. O Conceito de História – Antigo e Moderno. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2005.

BORGES, André de Barros. O Ensinamento nietzschiano através do gênio para a formação de um novo tipo humano. 2004. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

BRUM, José Thomaz. O pessimismo e suas vontades: Schopenhauer e Nietzsche. Rio de janeiro: Rocco, 1998.

ELIAS, Norbert. Mozart, sociologia de um gênio. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

GAIO, Henrique Pinheiro Costa. A Voz do sangue: o diálogo de Paulo Prado e Blaise Cendrars em torno de Retrato do Brasil. Revista Ars Historica, n. 12, p. 123-139, jan.-jun. 2016.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-Rio, 2006.

LEITE, Dante Moreira. O Caráter nacional brasileiro: história de uma ideologia. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

MARTIUS, Karl Friedrich Philipp von. Como se deve escrever a história do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 1991.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

NIETZSCHE, Friedrich. II Consideração Intempestiva sobre a utilidade e os inconvenientes da História para a vida. In: Escritos sobre história. Apresentação, tradução e notas: Noéli Correia de Melo Sobrinho. Rio de janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2005.

PRADO, Paulo. Paulística etc. São Paulo Companhia das Letras, 2004.

PRADO, Paulo. Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

RANGEL, Marcelo de Mello. O problema da ciência histórica em Friedrich Nietzsche e Walter Benjamin. Revista Urutágua – acadêmica multidisciplinar – DCS/UEM, n. 23, p. 78-84, 2011.

RANGEL, Marcelo de Mello; ARAUJO, Valdei Lopes de. Teoria e história da historiografia: do giro linguístico ao giro ético-político. Revista de História da Historiografia, v. 17, p. 318-332, 2015.

SANTOS, Fabio Muruci dos; RANGEL, Marcelo de Mello. Algumas palavras sobre giro ético-político e história intelectual. Revista Ágora, n. 21, p. 7-14, 2015.

SIMMEL, Georg. Sobre Las Ruínas. Sobre La Aventura. Ensayos filosóficos. Barcelona: Ediciones Península, 1988.

WHITE, Hayden. O Fardo da História. Trópicos do Discurso: Ensaios sobre a Crítica da Cultura. São Paulo: Ed. USP, 2001.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2017.27129

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores