O dispositivo da cultura escrita na constituição do sujeito infantil moderno: evidências em impressos portugueses (finais do século XVII e século XVIII)

Fernando Cezar Ripe, Giana Lange Do Amaral

Resumo


O presente artigo tem por objetivo apresentar um conjunto de obras que foram publicadas e/ou traduzidas em Portugal entre o final do século XVII e o século XVIII, que versaram sobre os cuidados relativos à infância. Tais produções impressas foram aqui tomadas como tecnologias da subjetividade e, portanto, operaram efetivamente no processo de constituição do sujeito infantil moderno. A partir de uma perspectiva histórica e filosófica caracterizamos a modernidade como sendo condição de possibilidade para a proliferação discursiva sobre a infância. Para uma melhor sistematização das obras, constituímos seis unidades tipológicas, quais sejam: as que enunciam os cuidados que se deveriam ter para com o corpo do sujeito infantil, da sua nutrição, dos bons costumes, das morais que se deveriam edificar, da manutenção das virtudes cristãs e, por último, dos relativos aos processos educativos.


Palavras-chave


Sujeito; Infância; Modernidade; Cultura Escrita

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Jean Luiz Neves. Nos domínios do corpo: o saber médico luso-brasileiro no século XVIII. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2011.

AMATUZI, Renato Toledo Silva. Educação como herança: os manuais de instrução para nobres portugueses no final do século XVIII, uma análise da carta do padre Francisco Luís Leal para o 2º Conde da Ega. In: Anais. VI Congresso Internacional de História. Maringá: UEM, 2013.

ARAÚJO, José Carlos Souza. Marcos filosóficos da modernidade em torno da educação da criança: antropologias da infância em disputa? In: José Carlos Souza Araujo, Carlos Henrique de Carvalho, Esmeralda B. Blanco de Moura. (Orgs.). A infância na modernidade: entre a educação e o trabalho. Uberlândia, SP: EDUFU, 2007.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

BAMPI, Lisete. Governo, subjetivação e resistência em Foucault. Educação & Realidade, v. 27, n. 1, p. 127-150, jan.-jul. 2007.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Por Amor e por Força: Rotinas na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BOTO, Carlota. A escola do homem novo: entre o Iluminismo e a Revolução Francesa. São Paulo: Ed. UNESP, 1996.

BRANCO, Guilherme Castelo. A modernidade em Foucault: uma breve exposição. Princípios, ano 04, n. 5, p. 137-146, 1997.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Governando a subjetividade: a constituição do sujeito infantil no RCN/EI. Pro-Posições (Unicamp), Caminas (SP), v. 13, p. 163-175, 2002.

CAMBI, Franco. História da educação. São Paulo: UNESP, 1999.

CARVALHO, A. F. Foucault e a Função-Educador. Sujeição e Experiências de Subjetividades Ativas na Formação Humana. Ijuí, RS: Unijuí, 2010.

CASTILLO GÓMEZ, António. Historia de la cultura escrita: ideas para el debate. Revista Brasileira de História da Educação, n. 5, p. 93-124, jan.jun. 2003.

CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília: Ed. UnB, 1998.

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Editora Ática, 2000.

CORAZZA, Sandra Mara. História da infância sem fim. Ijuí, RS: Unijuí, 2004.

DARNTON, R. O Beijo de Lamourette: Mídia, Cultura e Revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Vol. I: uma história dos costumes. Rio de Janeiro, Zahar, 1994.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de; FERNANDES, Rogério (Orgs.). Para a compreensão histórica da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

FERREIRA, António Gomes. A criança em dois tratados setecentistas de puericultura. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1987.

FERREIRA, António Gomes. Três propostas pedagógicas de finais de Seiscentos: Gusmão, Fénelon e Locke. Revista Portuguesa de Pedagogia, Coimbra, ano XXII, p. 267-291, 1988.

FISCHER, Roger. História da leitura. São Paulo: UNESP, 2006.

FONSECA, Márcio Alves. Michel Foucault e a constituição do sujeito. São Paulo: EDUC, 2003.

FONSECA, Thais Nivia de Lima e. Letras, ofícios e bons costumes: Civilidade, ordem e sociabilidade na América Portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FOUCAULT, Michel. A governamentalidade. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1995.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo, Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade. Vol I: Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da medicina social. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1995.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul. Michel Foucault. Uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREITAS, Marcos Cezar de (org.). História Social da Infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

FURTADO, Júnia Ferreira. O Colecionismo e o Gosto: A Aquisição de Livros e Gravuras nos Países Baixos Meridionais para a Livraria Real de Lisboa. In: THOMAS, Werner; et al (Orgs.). Um mundo sobre o papel: Livros, Gravuras e Impressos Flamengos nos Impérios Português e Espanhol (Séculos XVI-XVIII). São Paulo; Belo Horizonte: EDUSP; Ed. UFMG, 2014.

GADELHA, Sylvio. Biopolítica, governamentalidade e educação: introdução e conexões, a partir de Michel Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

GALVÃO, Ana Maria O. História das culturas do escrito: tendências e possibilidades de pesquisa. In: MARINHO, M; CARVALHO, G. T. (Orgs.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

GOMBERG, Felipe. A aura do livro na era de sua reprodutibilidade técnica. Rio de Janeiro. 2006. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

HANSEN, João Adolfo. Educando príncipes no espelho. In: FREITAS, Marcos Cezar; HUHLMANN JR., Moysés (orgs.). Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002.

KUHLMANN JR., M. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 2015.

MAGALHÃES, Justino. Cultura letrada e modernidade - escolarização e sociedade no distrito da Horta. Núcleo Cultural da Horta. O Faial e a Periferia Açoriana nos Séculos XV a XX. Nos 550 anos do Descobrimento das Flores e do Corvo. Horta, Açores: Núcleo Cultural da Horta, 2004.

NAVE, Francine de. Antuérpia como Centro Tipográfico do Mundo Ibérico (Séculos XVI-XVIII). In: THOMAS, Werner; et al (Orgs.). Um mundo sobre o papel: Livros, Gravuras e Impressos Flamengos nos Impérios Português e Espanhol (Séculos XVI-XVIII). São Paulo; Belo Horizonte: EDUSP; Ed. UFMG, 2014.

NOGUEIRA-RAMIREZ, Carlos Ernesto. O governamento pedagógico: da sociedade do ensino para a sociedade da aprendizagem. 2009. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

PRIORE, Mary del (Org.). História da criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999.

PRIORE, Mary del (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2007.

RIPE, Fernando. “O Temperamento bom ou mal depende da Infância”: preceitos médicos para a criação de crianças em um tratado de medicina português do século XVIII. In: Anais da XI Reunião da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação - ANPEd Sul. Curitiba: UFPR, 2016.

SANCHES, Antonio N. Ribeiro. Cartas sobre a Educação da Mocidade. Nova Edição, revista e prefaciada por Dr. Maximiano Lemos. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1922.

SOUZA, Laís Viena de. Educados nas letras e guardados nos bons costumes: Padre Alexandre de Gusmão S.J., infância e educação na Bahia Colonial. Salvador: EDUFBA, 2015.

STEPHANOU, M. Bem viver em regras: urbanidade e civilidade em manuais de saúde. Revista Educação Unisinos, v. 4, p. 35-44, 2006.

THOMAS, Werner; et al (Orgs.). Um mundo sobre o papel: Livros, Gravuras e Impressos Flamengos nos Impérios Português e Espanhol (Séculos XVI-XVIII). São Paulo; Belo Horizonte: EDUSP; Ed. UFMG, 2014.

VEIGA-NETO, Alfredo. Michel Foucault e os Estudos Culturais. In: COSTA, Maria V. (Org.). Estudos Culturais e Educação. Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, 2000.

VENÂNCIO, Renato Pinto; Ramos, Jânia Martins. Apresentação. In: GUSMÃO, Alexandre de. Arte de Criar bem os filhos na idade da puerícia: Dedicada ao Menino de Belém Iesu Nazareno. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

VILLALTA, L. C. Usos do livro no mundo luso-brasileiro sob as luzes: reformas, censura e contestações. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.

ZILBERMAN, R.; MAGALHÃES, L. C. O lugar do leitor na produção e recepção da Literatura Infantil. In: KHÉDE, S. (org.) Literatura Infanto-juvenil: um gênero polêmico. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1986.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2017.27125

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

 

Divulgadores