Memórias de um pornógrafo: a revista Hustler, a liberdade de expressão e a política nos Estados Unidos (1970–1980)

Alexandre Guilherme da Cruz Alves Junior

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar as memórias de Larry Flynt, fundador e editor-chefe da Hustler magazine, sobre o período de lançamento e consolidação da revista no mercado pornográfico norte-americano nos anos 1970-1980. Além de refletir os grandes debates acerca do comportamento sexual do período, a revista tornou-se um poderoso instrumento de engajamento político utilizado por Flynt para atacar políticos conversadores e importantes figuras religiosas, contribuindo, no final dos anos 1980, para uma ampliação dos limites da liberdade de expressão e imprensa naquele país.

Palavras-chave


Estados Unidos; Pornografia; Liberdade de Expressão; Larry Flynt

Texto completo:

PDF

Referências


BOULWARE, Jack. Sex, American Style: an illustrated romp through the Golden age of heterosexuality. Venice: Feral House, 1997.

FALWELL, Jerry. Listen, America: a conservative blueprint for America’s moral rebith. New York: Doubleday, 1980.

FLYNT, Larry. Sex, Lies & Politics: The naked truth. New York: Kensington Books, 2004.

HUNT, Lynn. Obscenidades e as Origens da Modernidade, 1500–1800. In: HUNT, Lynn. A Invenção da Pornografia. São Paulo: Hedra, 1999.

SMOLLA, Rodney A. Jerry Falwell v. Larry Flynt: the first amendment on trial. New York: St. Martin Press, 1988.

STRUB, Whitney. Pervesion for Profit: The politics of pornography and the rise of the New Right. NY: Columbia University Press, 2010.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2017.27123

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

 

Divulgadores