Uma República luso-brasileira das letras: amizade e socialização intelectual entre Eduardo Prado, Ramalho Ortigão e Eça de Queirós no final do século XIX

Rodrigo Perez Oliveira

Resumo


Este estudo aborda as redes de socialização letrada constituídas por intelectuais brasileiros e portugueses no final do século XIX. Trato aqui, especialmente, da interlocução estabelecida entre Eduardo Prado (1860-1901), Eça de Queirós (1845-1900) e Ramalho Ortigão (1836-1915), buscando compreender como esses autores trataram os temas da temporalidade moderna e da função social das letras. Analisando, sobretudo, a correspondência desses três escritores, percebo que nas suas conversas privadas, eles estavam sensibilizados pela combinação de valores conservadores com princípios republicanos. Por isso, neste estudo, examino os textos escritos Eduardo Prado, Eça de Queirós e Ramalho Ortigão à luz dos repertórios conservador e republicano, ambos fundamentais para as linguagens políticas modernas.


Palavras-chave


Eduardo Prado; Eça de Queirós; Ramalho Ortigão; Socialização Intelectual

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Ângela. Arrivistas e decadentes: o debate político-intelectual brasileiro na primeira década republicana. Novos Estudos, CEBRAP, São Paulo, n. 85, p. 131-148, 2009.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

ARMANI, Carlos Henrique. Discursos da Nação: historicidade e identidade nacional no Brasil em fins do século XIX. Porto Alegre: Ed. PUCRS, 2010.

BERRIEL, Carlos Eduardo Ornelas. Vida literária no período de Prudente de Moraes (1894-1898): Eduardo Prado, pensamento oligárquico e restauração monárquica. In: SILVA, Fernando Teixeira at al. República, liberalismo, cidadania. Piracicaba: Ed. UNESP, 2003.

BIGNOTTO, Newton. As origens do republicanismo moderno. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011.

BROCA, Brito. A vida literária no Brasil. São Paulo: José Olímpio, 1966.

BURKE, Edmund. Reflexões sobre a Revolução Francesa. Rio de Janeiro: EDIPRO, 2014.

BURKE, Peter. A República das Letras europeia. Rio de Janeiro: Revista de Estudos Avançados, n. 25, 2011.

CARITAT, Marie Jean Antoine Nicolas. Ensaio de um quadro histórico do espírito humano. Campinas, SP: Ed. UNICAMP, 1993.

CAVALCANTI, Paulo. Eça de Queirós agitador no Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1966.

CESAR, Temístocles. Lições para a escrita da história: as primeiras escolhas do IHGB In: GONTIJO, Rebeca et al. (orgs.). Estudos de Historiografia brasileira. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2011.

CHARTIER, Roger (dir.). La correspondance: les usages de la lettre au XIX e siècle. Paris: Fayard, 1991.

CHATEAUBRIAND, René. Études historiques. Oeuvres complètes de Chateaubriand. Paris: Garnier, T.IX, 1861.

CÍCERO. Do sumo bem e do sumo mal. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

COUTINHO, João Pereira. As ideias conservadoras explicadas a revolucionários e reacionários. São Paulo: Três estrelas, 2014.

DASTON, Lorraine. The Ideal and Reality of the Republic of Letters in the Enlightenment. Cambridge: Cambridge University press, 1991.

GIAROLA, Flávio Raimundo. Os “pastores guerreiros”: Jesuítas, Catolicismo e história no pensamento monarquista-católico. Revista Científica das áreas de História, Letras, Educação e Serviço Social do Centro Universitário de Belo Horizonte, v. 7, n. 1, jan./jul. 2014.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Historiografia e nação no Brasil (183-1857). Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2011.

JANOTTI, Maria de Lourdes Mônaco. Os subversivos da república. São Paulo: Brasiliense, 1986.

JASMIN, Marcelo. Alexis de Tocqueville: A historiografia como ciência política. Belo Horizonte: Ed. UFMG; IUPERJ, 2014.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Prassado: Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

LEONZO, Nancy. A historiografia antirrepublicana: a obra de Eduardo Prado. São Paulo: Ed. USP, 1993.

LEVI, Darrel E. A Família Prado. São Paulo: Cultura 70, 1977.

LÖWY, Michel. Redenção e Utopia: O Judaísmo Libertário na Europa Central (Um Estudo de Afinidade Eletiva). São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

LYNCH, Christian E. C. Quando o regresso é progresso: a formação do pensamento conservador saquarema e de seu modelo político (1834-1851). In: NUNES, Gabriela; BOTELHO, André. Revisão do pensamento conservador: ideias e política no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2010.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e Utopia. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1986.

MATOS, A. Campos. Eça de Queiroz: uma biografia. Campinas: Ed. Unicamp, 2014.

MEDINA, João. A Geração de 70: uma geração revolucionária e europeísta. Lisboa: Instituto de Cultura e Estudos Sociais, 1999.

MERCADANTE, Paulo. A consciência conservadora no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

MÔNICA, Maria Filomena. Vida e obra de José Maria Eça de Queirós. Rio de Janeiro: Record, 2001.

MOTA FILHO, Cândido da. A Vida de Eduardo Prado. Rio de Janeiro: José Olympio, 1967.

NIETZSCHE, Friedrich. A Genealogia da moral. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

NISBET, Robert. O conservadorismo. Lisboa: Estampa, 1987.

OLIVEIRA, Rodrigo Perez. O conservadorismo de Eduardo Prado: a combinação dos repertórios antigo e moderno do pensamento político ocidental. (1879-1901). 2015. Tese (Doutorado em História Social) – Programa de Pós-graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

ORTIGÃO, Ramalho. Primeiras prosas. (1859-1867). Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1944.

PAGANO, Sebastião. Eduardo Prado e sua época. São Paulo: Ed Cetro, 1960.

POMEAU, René. A religião de Voltaire. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

PRADO, Eduardo. Coletâneas. São Paulo: Tipografia Salesyana, 1904.

PRADO, Eduardo. Fastos da Ditadura Militar no Brasil. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

QUEIROZ, Suely Robles Reis de. Os radicais da república. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1986.

SCHWARZ, Lillia. Retrato em Branco e Negro: jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

TOCQUEVILLE, Alexis. A democracia na América. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

VILLAÇA, Antônio Carlos. O pensamento católico no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

ZAN, João Carlos. Ramalho Ortigão e o Brasil. 2009. Tese (Doutorado) Universidade de São Paulo, São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2017.25669

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores