Ruínas futuristas do Cinema Brasileiro Contemporâneo

Ana Caroline de Almeida

Resumo


Parte do cinema brasileiro pensado e elaborado nos anos 2010 produziu gestos sintomáticos da corrida desenvolvimentista e imobiliária em grandes cidades brasileiras a partir de leituras temporais não-lineares. A partir de uma constelação de imagens acionadas por um grupo de cinco filmes, este artigo busca aproximar sequências a partir de três conceitos temporais distintos: a perspectiva ecobiótica andina de tempo (YAMPARA, 2010), o tempo espiralar em rituais do Congado (MARTINS, 2002) e o tempo Exu (SODRÉ, 2017). Com eles, é possível percebemos parte do cinema brasileiro revelando, em suas cidades, a estrutura fóssil em projetos de futuro.


Palavras-chave


cinema brasileiro; ruínas; temporalidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/logos.2020.54260

Indexada em:Latindex . Sumarios.org . Univerciência. Doaj
Rua São Francisco Xavier, 524 -10 º Andar - Sala 10129 Bloco F - Maracanã - Rio de Janeiro - RJ
cep: 20550-013 - e-mail: logos@uerj.br