Traumatismo nos dentes decíduos anteriores: Estudo retrospectivo do Projeto de Extensão em Traumatologia Dentária da Faculdade de Odontologia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Vera Campos, Michele Machado Lenzi, Sônia Lúcia Macedo Marçal, Marcia Rejane Thomas Canabarro Andrade, Mirian de Waele Souchois De Marsillac

Resumo


Os traumatismos dentoalveolares são comuns na infância. Inúmeros fatores têm contribuído para esse aumento nos casos de traumatismos em crianças. O objetivo deste estudo foi analisar de forma descritiva os 10 anos do Projeto de Traumatologia Dentária da disciplina de Odontopediatria da FO/UERJ. As informações dos pacientes, dados clínicos e radiográficos foram obtidos através dos registros realizados nos prontuários odontológicos, entre março de 2006 e março de 2016. Os dados foram armazenados em um banco dados e a análise estatística descritiva foi realizada no programa SPSS (17.0). Os resultados mostraram que 483 crianças (39,3%) tiveram traumatismos nos dentes decíduos anteriores, após terem sofrido quedas (83,2%) em suas residências (71,0%). Em um total de 815 dentes decíduos traumatizados, a fratura de esmalte (43,3%) e a luxação intrusiva (39,8%) foram os tipos de traumatismos mais frequentemente observados no tecido dentário e periodontal, respectivamente. Em relação à faixa etária foi possível observar que as crianças com idade de 1 a 4 anos tiveram traumatismos com maior frequência, tanto no tecido dentário quanto no tecido periodontal. As sequelas mais observadas nos dentes decíduos traumatizados foram a perda prematura, a alteração de cor e a obliteração do canal radicular. De acordo com os resultados é possível concluir que crianças de 1 a 4 anos de idade tem alta prevalência de traumatismo dentário, causando, na maioria dos casos fratura de esmalte e luxação intrusiva. Na maior parte dos casos de traumatismo dentário em dentes decíduos, a perda prematura foi a sequela mais frequentemente observada.


Palavras-chave


Criança, Dente decíduo, Epidemiologia, Traumatismos dentários

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/interag.2016.20022

ISSN: 1519-8847 | E-ISSN: 2236-4447
Depext-SR3/UERJ