O herói silencioso e o Osagyefo: George Padmore Kwame Nkrumah e a Revolução da Costa do Ouro

Pablo de Oliveira de Mattos

Resumo


Kwame Nkrumah, conhecido como um dos principais líderes pan-africanos, conduziu a Costa do Ouro até sua independência, em 1957. Gana, então, torna-se o primeiro país independente da África subsaariana e, Nkrumah, torna-se Osagyefo. A participação de George Padmore, um intelectual caribenho, neste processo é fundamental. Porém pouco conhecida. Apontado como o “herói silencioso” das independências africanas, buscou articulações transnacionais anti-imperialistas que conduzissem à Revolução africana e à formação de um bloco de estados socialistas africanos. Este artigo evidencia a relação entre o pensamento de George Padmore e as ações de Kwame Nkrumah diante do processo anticolonial. Mas também reflete sobre os atritos e ruídos entre suas concepções e projetos pan-africanos, contribuindo para a análise das linguagens políticas do Pan-Africanismo e de seu vocabulário político.


Palavras-chave


Pan-Africanismo; George Padmore; Kwame Nkrumah

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/intellectus.2020.49413

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Grupos de Pesquisa:

 
Financiamento:

Indexada em:

Open Academic Journals Index Dialnet
 
https://sumarios.org/revista/intell%C3%A8ctus
 

 https://scholar.google.com.br/citations?user=ruuQn9oAAAAJ&hl=pt-BR

 

Redes sociais:

https://www.instagram.com/intellectus.uerj/