A Amazônia e a fundação do Brasil na obra Simá (1857) de Lourenço da Silva Amazonas

Luis Francisco Munaro

Resumo


Este artigo tem como objetivo situar a obra literária Simá – Romance histórico do Alto Amazonas (1857) de Lourenço da Silva Amazonas no interior da rede de interlocução de letrados do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil, destacando as particularidades do entendimento do autor sobre a questão indígena e a construção da nação brasileira. O conceito de nação formulado por Benedict Anderson, como “comunidade política imaginada”, orientará a investigação. Nossa hipótese de trabalho é que, revolvido no seio de elementos literários de época como o romantismo, a idealização da natureza e do indígena, Lourenço busca dar um sentido para a Amazônia e configurá-la como um dos elementos fundadores do Brasil. A investigação está organizada em torno de quatro seções: uma primeira destinada a identificar Lourenço no IHGB; uma segunda destinada a ler mais cuidadosamente o seu Diccionario topográfico, histórico e descriptivo da Comarca do Alto Amazonas (1852), buscando entender como reúne elementos históricos e etnográficos que permitem gerar uma percepção da região; por fim, as duas últimas buscam compreender como região e nação se fundem na composição da obra.

Palavras-chave


Lourenço Amazonas; Simá; Amazônia; Nação; história das ideias.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/intellectus.2020.47785

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Grupos de Pesquisa:

 
Financiamento:

Indexada em:

Open Academic Journals Index Dialnet
 
https://sumarios.org/revista/intell%C3%A8ctus
 

 https://scholar.google.com.br/citations?user=ruuQn9oAAAAJ&hl=pt-BR

 

Redes sociais:

https://www.instagram.com/intellectus.uerj/