Rafael Altamira e Fidelino de Figueiredo: Intelectuais, exílio e reconhecimento no início do século XX

Ana Paula Barcelos

Resumo


Neste artigo analisamos, a partir dos casos de Fidelino de Figueiredo e Rafael Altamira, a experiência de exílio de intelectuais ibéricos nas Américas no início do século XX. No contexto de guerras e ascensão dos fascismos, estes intelectuais, um português e o outro espanhol, buscaram refúgio no Brasil e no México, construindo redes de sociabilidade, reconhecimento e inserção institucional. Assim, vivenciaram o afastamento e as angústias do exílio, mas, ao mesmo tempo, produziram conhecimento e refletiram sobre suas próprias experiências. Utilizamos como fontes algumas de suas obras ligadas à história e à literatura e correspondências trocadas entre eles e com outros pares intelectuais de sua época.


Palavras-chave


Intelectuais, exílio, reconhecimento

Texto completo:

Sem título


DOI: https://doi.org/10.12957/intellectus.2019.45086

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Grupos de Pesquisa:

 
Financiamento:

Indexada em:

Open Academic Journals Index Dialnet
 
https://sumarios.org/revista/intell%C3%A8ctus
 

 https://scholar.google.com.br/citations?user=ruuQn9oAAAAJ&hl=pt-BR

 

Redes sociais:

https://www.instagram.com/intellectus.uerj/