Resistência política, redes intelectuais e atividades editoriais no exílio durante a ditadura militar chilena

Raphael Coelho Neto

Resumo


Intelectuais e políticos, a maioria deles ligados a partidos de esquerda no Chile, após o golpe de 1973, tiveram de sair do país rumo a destinos diversos. Desde o exílio, estabeleceram formas de sociabilidade e solidariedade que possibilitaram a formação de redes intelectuais e políticas de oposição à ditadura militar. Neste artigo, traçamos como objetivo central apontar e refletir sobre algumas atividades editoriais do exílio chileno, iniciativas que contemplaram a fundação de editoras e a publicação de importantes revistas e livros em países como Estados Unidos, Canadá, México, França, Itália e Espanha. Não tivemos a pretensão de elencar e analisar todo o universo editorial proporcionado pelos intelectuais exilados, mas, sim, apontar para algumas experiências que certamente evidenciaram práticas marcantes do exílio chileno, indicando possibilidades de atuação conjunta de modo a resistir à ditadura de Augusto Pinochet.


Palavras-chave


Ditadura Militar no Chile, Exílio Chileno, Atividade Editorial, Redes Intelectuais

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/intellectus.2019.44701

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Grupos de Pesquisa:

 
Financiamento:

Indexada em:

Open Academic Journals Index Dialnet
 
https://sumarios.org/revista/intell%C3%A8ctus
 

 https://scholar.google.com.br/citations?user=ruuQn9oAAAAJ&hl=pt-BR

 

Redes sociais:

https://www.instagram.com/intellectus.uerj/