Exílio, tolerância e escrita da história a partir da trajetória de Pierre Bayle (1647-1706)

Jacson Schwengber

Resumo


Este artigo propõe abordar a trajetória intelectual de Pierre Bayle em seu exílio nas Províncias Unidas, nas últimas décadas do século XVII. Nesta época foi estabelecida uma querela historiográfica entre protestantes e católicos em torno da interpretação dos eventos das Guerras de Religião. Com a Revogação do Édito de Nantes, muitos huguenotes rumaram para o refúgio na Holanda. Foi de lá, que tiveram que encontrar meios de construir sua versão a respeito do passado da Reforma. Com este estudo, procura-se mapear quais foram as condições que Bayle encontrou no refúgio para produzir seus textos. O intuito é buscar entender qual a relação entre a experiência do exílio, a escrita da história e a defesa da tolerância a partir dos trabalhos deste autor.


Palavras-chave


Exílio, tolerância, história

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/intellectus.2020.44697

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Intellèctus



 

Grupos de Pesquisa:

 Financiamento:

Indexada em:


Open Academic Journals Index  
Dialnet
 
 
 
  
   
 
 
 
 
Intellèctus | Sumários.org (sumarios.org)
 

 ‪Intellèctus‬ - ‪Google Acadêmico‬

 

Redes sociais:

Revista Intellèctus UERJ (@intellectus.uerj) • Fotos e vídeos do Instagram

Revista Intellèctus | Facebook