Desrazão & ludicidade em Nelson Rodrigues, Campos de Carvalho e Guimarães Rosa

Norma Côrtes

Resumo


Em A Falecida, Nelson Rodrigues construiu um universo imagético de delírio e brincadeiras que pavimentou a aceitação social de uma nova sensibilidade estética marcada por desrazão & ludicidade. A mesma sensibilidade apareceu nas últimas obras de Campos de Carvalho e em Guimarães Rosa. Com fortes acentos lúdico-humorísticos, tais obras são fragmentadas, esgarçam os limites da linguagem e, tal como na poesia, exploram apelos sonoros numa cadência (dis)rítmica/cacofônica apresentando o mundo (ficcional) em estado de pura desordem. Não obstante suas diferentes temáticas, tais semelhanças formais expressam os esforços poéticos de rompimento com padrões racionalistas da verossimilhança realista — o que envolve o estabelecimento de novo acordo societal acerca do estatuto da arte e revela os termos constituintes do “regime de prazeres” vigente na sociedade brasileira dos anos 1960.

Palavras-chave


Cultura e sociedade; Brasil, anos 1960; dramaturgia, literatura, jogo e humor.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/intellectus.2016.26664

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



 

Grupos de Pesquisa:

 Financiamento:

Indexada em:


Open Academic Journals Index  
Dialnet
 
 
 
  
   
 
 
 
 
Intellèctus | Sumários.org (sumarios.org)
 

 ‪Intellèctus‬ - ‪Google Acadêmico‬

 

Redes sociais:

Revista Intellèctus UERJ (@intellectus.uerj) • Fotos e vídeos do Instagram

Revista Intellèctus | Facebook