Apontamentos sobre práticas e representações em relação ao enterro de mortos-vivos na segunda metade do século XVIII

Tânia Zimmermann, Márcia Medeiros

Resumo


A partir de um estudo bibliográfico advindo, sobretudo da literatura alemã e francesa, propomos algumas discussões sobre algumas mudanças na percepção da morte e dos mortos-vivos no século VXIII em alguns países europeus, principalmente a Alemanha, França e Inglaterra. A ciência médica empenhou-se ativamente para dirimir o pânico do enterro de mortos-vivos cujas situações eram dadas a conhecer desde a antiguidade. Os cuidados propalados pela medicina e por pensadores iluministas daquele período em relação aos mortos-vivos mostram uma alteração no modo de pensar e nas formas de comportamento entre os seres humanos, sendo que aos poucos a sociedade ocidental começa a tratar o morto como um objeto até a contemporaneidade.

 

 


Palavras-chave


medicina, morto-vivo, século XVIII, Sociedade Ocidental

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/intellectus.2016.21844

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Grupos de Pesquisa:

 
Financiamento:

Indexada em:

Open Academic Journals Index  
Dialnet
 
 
 
 
 
https://sumarios.org/revista/intell%C3%A8ctus
 

 https://scholar.google.com.br/citations?user=ruuQn9oAAAAJ&hl=pt-BR

 

Redes sociais:

https://www.instagram.com/intellectus.uerj/