Análise de preparações vegetarianas produzidas e ofertadas em um restaurante universitário

João Felipe de Almeida Fonseca, Michelly de Araújo Marques, Lívia Bollis Campagnaro, Loise Nascimento dos Santos, Letícia Rangel Pereira, Oscar Geovanny Enriquez-Martinez, Daniela Alves Silva

Resumo


Introdução: O conhecimento do perfil, estado nutricional, hábitos alimentares e grau de satisfação dos clientes com o serviço é essencial para o setor de alimentação coletiva. Objetivo: Avaliar a produção, desperdício e satisfação quanto às preparações vegetarianas em uma universidade. Métodos: Estudo transversal conduzido em um Restaurante Universitário do Espírito Santo, sendo que o do campus A servia almoço e atendia a público da área da saúde e o do campus B servia almoço e jantar aos estudantes das demais áreas. A coleta de dados ocorreu em oito dias no restaurante universitário do campus A e em 20 dias no do campus B, compreendendo a mensuração da produção, desperdício e aceitabilidade de alimentos. Resultados: Verificou-se que a média de porções de sobra foi de 43+34 no campus A e de 546+114 e 36+42 no almoço e jantar do campus B, respectivamente. A quantidade de restos média por cliente foi igual a 29,0+9,9g no campus A e 29,1+5,5g e 18,7+3,8g no almoço e jantar do campus B, respectivamente. Em 64,7% dos dias avaliados, a quantidade de restos per capita estava acima do recomendado. Quanto à aceitabilidade das preparações vegetarianas no campus A, verificou-se maior e menor aceitação geral para berinjela à parmegiana (84,4%) e proteína texturizada de soja com legumes (68,89%), respectivamente. No campus B, a preparação mais aceita foi quibe com abóbora (87,6%) e a menos aceita, polenta com proteína texturizada de soja (71,4%). Conclusões: Apesar do desperdício, a aceitabilidade das preparações foi satisfatória, sendo necessário o monitoramento contínuo destes indicadores.


Palavras-chave


Vegetarianismo. Restaurante. Desperdício de alimentos. Satisfação do usuário.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


- Carvalho MC, Luz MT. Simbolismo sobre“natural” na alimentação. Ciênc. Saúde Colet. 2011; 16 (1): 147-154. doi: https://doi.org/10.1590/S141381232011000100018

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2019: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. 2019 [citado em 26 de março de 2021]: [89p]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101670.pdf

- Borges VM, Neta MV, Lopes JN. Controle de sobras e resto-ingesta em restaurante self-service em Juazeiro do Norte – CE. Revista E-ciência 2016; 4 (2): 63-69. doi: https://dx.doi.org/10.19095/rec.v4i2.181

- Moreira Junior FJ, Loose LH, Piaia R, Scher VT, Peripolli A. et al. Satisfação dos usuários do restaurante universitário da Universidade Federal De Santa Maria: Uma Análise Descritiva. Revistas Sociais e Humanas 2015; 28 (2): 83-108. doi: https://doi.org/10.5902/2317175814891

- Parada AD, Oliveira FRG. Desperdício alimentar: conscientização dos comensais de um serviço hospitalar de alimentação e nutrição. Rev Bras Ciênc da Saúde 2017; 24 (3): 61-64. doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.24.3.2017.694

- Craig WJ, Mnagels AR. Position of the American Dietetic Association: vegetarian diets. J Am Diet Assoc 2009; 109 (7): 1266-1282. doi: https://10.1016/j.jada.2009.05.027

- Sociedade Vegetariana Brasileira [internet]. Vegetarianismo. 2017 [citado em 2021 jul 25]. Disponível em: .

- Sociedade Vegetariana Brasileira [internet]. Mercado vegetariano. 2016 [citado 2021 jul 25]. Disponível em: https://www.svb.org.br/vegetarianismo1/mercado-vegetariano>.

- Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística [internet]. Pesquisa de opinião pública sobre o vegetarianismo. 2012 [citado em 2021 jul 25]. Disponível em: < http://www.svb.org.br/images/Documentos/JOB_0416_VEGETARIANISMO.pdf>.

- Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística [internet]. Pesquisa de opinião pública sobre o vegetarianismo. 2018 [citado em 2021 jul 25]. Disponível em: .

- Silva JM, Santana I, Cardoso AM, Perez PMP. Desenvolvimento de preparações culinárias vegetarianas para restaurante universitário de uma universidade pública localizada na Cidade do Rio de Janeiro. Res Soc Dev 2020; 9 (9): 1-20. doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7512

- Silverio GA, Oltramari K. Desperdício de alimentos em unidades de alimentação e nutrição brasileiras. Revista Ambiência 2014; 10(1): 125-133. doi: https://10.5935/ambiencia.2014.01.10

- World Bank Group [internet]. Annual Report 2014: Main report. 2014 [citado em 2021 jul 25]. Disponível em: < http://documents.worldbank.org/curated/en/111781468170952958/Main-report >.

- Busato MA, Barbosa MF, Frares RK. A geração de sobras e restos no restaurante popular de Chapecó (SC) sob a ótica da produção mais limpa. Rev Simbio-logias 2012; 5(7): 23-33. ISSN: 1983-3253

- Bacalhau SPO, Silva MSS, Alves JFC, Lopes FCL, Gomes AA, Ramos GMS et al. Campanha prato limpo: evitando o desperdício de alimentos no refeitório do IFPE Campus Belo Jardim. Rev Confecções, Ciência e Tecnologia 2016; 10(1): 44-50. doi: https://doi.org/10.21439/conexoes.v10i1.787

- Vaz CS. Restaurantes: controlando custos e aumentando lucros. 1. ed. Brasília: Metha; 2006. 196p.

- Minim VPR. Análise sensorial: estudos com consumidores. 4. ed. Viçosa: Editora UFV; 2018. 332p.

- Dutcosky SD. Análise Sensorial de Alimentos. 3. ed. Curitiba: Champagnat; 2011. 426p.

- Costa AVS, Nicolau ES, Torres MCL, Fernandes PR, Rosa SIR, Nascimento RC. Desenvolvimento e caracterização físico-química, microbiológica e sensorial de bebida láctea fermentada elaborada com diferentes estabilizantes/espessantes. Semina ciênc agrar 2013; 34(1): 209-226. doi: https://doi.org/10.5433/1679 0359.2013v34n1p209

- Dutcosky SD. Análise sensorial de alimentos. 4. ed. Curitiba: Champagnat, 2013. 531p.

- Almeida TD, Brito Neto JL, Lakatos M, Montemor M. Relação entre o cardápio do restaurante universitário e desperdício. Rev Ciênc Ambient OnLine 2008; 4 (1): 1-6. ISSN: 2179-9962

- Nagagata BA, Carvalho CF, Santos LP, Santana I, Freitas SML, Guimarães RR. Development of vegan burgers: a study with consumers and market research. Res Soc Develop 2020; 9 (7): 1-5. doi: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4542

- Nascimento MCF, Ferreira EP, Silva BG, Ferreira YP, Fabris P, Kruger FC et al. Índice de aceitabilidade e resto ingesta em unidade de alimentação e nutrição: estudo de caso no Ifes campus Santa Teresa – Brasil. Braz J Health Ver 2020; 3 (2): 1868 – 1880. doi: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-046

- Alves IC, Rios INMS, Matos RAC. Avaliação do desperdício em unidade de alimentação e nutrição de instituição hospitalar em Brasília-DF. Braz J of Develop 2020; 6 (7): 48060-48076. doi: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-449

- Carvalho JG, Lima JPM, Rocha AMCN. Desperdício alimentar e satisfação do consumidor com o serviço de alimentação da Escola de Hotelaria e Turismo de Coimba, Portugal. Demetra 2015; 10 (2): 405-418. doi: https://doi.org/10.12957/demetra.2015.15423

- Araujo CL, Pires FM, Lourenço MS, Carvalho LR. Avaliação quantitativa dos copos descartáveis e restos alimentares gerados pelos usuários de um restaurante universitário no Estado do Rio de Janeiro. Demetra 2018; 13 (4): 767-782. doi: https://doi.org/10.12957/demetra.2018.31306

- Borges MP, Souza LHR, Pinho S, Pinho L. Impacto de uma campanha para redução de desperdício de alimentos em um restaurante universitário. Eng Sanit Ambient 2019; 24 (4): 843-848. doi: https://doi.org/10.1590/S141341522019187411

- Soares TC, Pereira ACS, Gomes SAB, Oliveira ES. Avaliação do desperdício de alimentos servidos no horário do almoço em Restaurante Universitário no estado do Piauí, Brasil. Rev Bras Hig Sanid Anim 2018; 12 (3): 271-279. doi: http://dx.doi.org/10.5935/1981-2965.20180027

- Pikelaizen C, Spinelli MGN. Avaliação do desperdício de alimentos na distribuição do almoço servido para estudantes de um colégio privado em São Paulo, SP. Revista Univap 2013; 19 (33): 5-12, 2013.

- Food and Agriculture Organization of The United Nations (FAO). Food wasteg foodprint: impacts on natural resouces. Rome, 2013.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2022.61462

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.