A MULHER TRANSEXUAL NO DISCURSO CONTEMPORÂNEO: UM ESTUDO DE CASO

Roberta Siqueira Mocaiber Dieguez

Resumo


A transexualidade vem sendo cada vez mais discutida na mídia e em outros meios. No entanto, não se pode tratar de um tema tão amplo sem questionar um dos pilares da sociedade: a diferença entre os sexos. Essa discussão se torna necessária, visto que os sujeitos transexuais contrariam os papéis de gênero preestabelecidos de acordo com o sexo biológico. No presente trabalho, analisou-se o estudo de caso de uma mulher transexual, que consiste numa pessoa que foi designada como homem ao nascer, mas se considera uma mulher. Ao longo da entrevista realizada, que consistiu de 18 perguntas sobre a vivência da transexualidade, foi possível perceber vários aspectos do discurso da entrevistada que apontavam para sua dificuldade de encontrar seu lugar social, pois os sujeitos só se tornam inteligíveis na sociedade quando se identificam com o gênero masculino ou feminino. Além disso, supõe-se que só existem dois gêneros possíveis, e que os mesmos devem seguir padrões pré-definidos. Esses padrões seriam construídos historicamente pelas relações de dominação estabelecidas. A partir dessas concepções, as pessoas transexuais acabam se tornando marginalizadas e patologizadas pelos discursos científicos, o que cria inúmeras dificuldades para que sejam reconhecidas. Através do estudo de caso, foi possível também discutir as representações da feminilidade. Após a realização da entrevista, realizou-se análise de conteúdo, cujos resultados apontaram para uma busca, por parte da entrevistada, de encontrar seu lugar em meio a uma sociedade gendrada e heteronormativa.

DOI: 10.12957/demetra.2016.22426

 

 

 


Palavras-chave


Sexualidade; identidade de gênero; transexual; feminilidade

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2016.22426

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.