PRÁTICAS EDUCATIVAS NA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO ADEQUADA E SAUDÁVEL PARA AS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME

Jorginete de Jesus Damião Trevisani, Marta Citelli dos Reis, Pilar Silva Raphael Mataratzis, Karen Cordovil, Ana Cecilia Freitas, Débora Lemos Lino, Juliana Omena, Cláudia dos Santos Cople-Rodrigues

Resumo


A doença falciforme (DF) é uma doença crônica, hereditária, caracterizada pela presença da hemoglobina S, que leva inúmeras complicações clínicas e necessidades alimentares especiais. O objetivo deste artigo é descrever as ações de educação alimentar e nutricional para pessoas com DF. Trata-se de um relato de experiência de práticas educativas, realizadas no ambulatório de hematologia de um hospital universitário, por um centro de referência, entre os anos de 2010 e 2012. Os dados foram obtidos a partir dos relatórios das práticas educativas. No total, 171 pessoas participaram de 15 práticas. Os assuntos abordados foram agrupados em quatro temas principais: Recomendações gerais para as pessoas com a DF; Aumento dos requerimentos de nutrientes; Estratégias para a diminuição do consumo de sal e sódio; e Biodisponibilidade de ferro nos alimentos. As práticas educativas permitiram promover reflexões e orientações sobre práticas alimentares mais adequadas e a identificar, a partir das falas das pessoas, dúvidas sobre as recomendações alimentares na DF. O espaço da sala de espera permitiu a troca de conhecimentos entre os profissionais que conduziram as práticas e os participantes. Contudo, observou-se como pontos negativos o foco centrado nos nutrientes, a dificuldade de adoção de estratégias metodológicas mais direcionadas para a idade e a falta de inserção de equipe multiprofissional. A experiência apresentada traz reflexões importantes sobre a necessidade de a educação alimentar e nutricional ser ferramenta comum aos profissionais de saúde, em toda a rede de assistência às pessoas com a doença falciforme.

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/demetra.2014.10539


Palavras-chave


hemoglobina S; doença falciforme; educação alimentar e nutricional; necessidades nutricionais; consumo de alimentos

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


- Brasil. Manual de Diagnóstico e Tratamento de Doenças Falciformes. 1. ed. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: ANVISA; 2002.142.

- Loureiro MM, Rozenfeld S. Epidemiologia de internações por doença falciforme hospitalares no Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2005; 39(6): 943-9.

- Naoum PC. Eritrócitos e interferências ambientais sobre a anemia falciforme. Revista Brasileira de Hematologia 2000; 22(1): 05-22.

- Ramalho AS, Magna lA & Paiva-e-Silva RB. A Portaria no 822/01 do Ministério da Saúde e as peculiaridades das hemoglobinopatias em saúde pública no Brasil. Caderno de Saúde Pública 2003; 19(4) :1195-1199.

- Máximo CA. Política de Atenção Integral à Pessoa com Doença Falciforme no Estado do Rio de Janeiro e os Desafios da Descentralização. [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz; 2009.

- Panepinto JA, Hoffmann RG, Pajewski NM. A psychometric evaluation of the PedsQL Family Impact Module in parents of children with sickle cell disease. Health and quality of life outcomes 2009; 32(7):2-11.

- Mcclish D, et al. Health related quality of life in sickle cell patients: the PiSCES project. Health Quality Life Outcomes 2005; 3(50): 01-07.

- Palermo TM, Schwartz L, Drotar D, McGowan, K. Parental report of health-related quality of life in children with sickle cell disease. Journal of behavioral medicine 2002; 25(3): 269-83.

- SANTORO M.S. Rede pública de hematologia e hemoterapia: o mapa do atendimento do paciente portador de doença falciforme no estado do Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de janeiro: Universidade Estácio de Sá, Mestrado em Saúde da Família, 2010.

- Consea. III Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional/Por um Desenvolvimento Sustentável com Soberania Nutricional e Segurança Alimentar / Documento Base, Brasília: CONSEA; 2007,42.

- Burity V, et al. Direito humano à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. Brasília: ABRANDH; 2010, 204.

- Kikuchi B.A. Cuidados de enfermagem na doença falciforme nos serviços de atenção primária. Revista Brasileira de Hematologia 2007; 29(3): 331-38.

- Lobo C, Marra VN, Silva RMG. Episódios dolorosos na doença falciforme. Revista Brasileira de Hematologia 2007; 29(3): 247-258.

- Fowler KT, et al. Dietary Water and Sodium Intake of Children and Adolescents With Sickle Cell Anemia. Journal of Pediatriac Hematology/Oncology 2010; 5 (32): 350-353.

- Reid M. Nutrition and sickle cell disease. Compets Rendus Biologies 2013; 336, 159-163.

- Williams R, et al. Oral Glutamine Supplementation Decreases Resting Energy Expenditure in Children and Adolescents with Sickle Cell Anemia. Journal Pediatric Hematolology /Oncology 2004; 26(10): 619-625.

- Mataratzis PSR, Accioly E, Padilha PC. As deficiências de micronutrientes em crianças e adolescentes portadores de anemia falciforme: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Hematologia 2010; 32(3): 247-256.

- Wood JC, et al. Myocardial iron loading in transfusion-dependent thalassemia and sickle cell disease. Blood 2004; 103(5): 1934-1936.

- Brasil. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política para o SUS / Ministério da Saúde. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Brasília: Ministério da Saúde; 2013; 2, 36.

- Felix AA, Souza HM, Ribeiro SBF. Aspectos epidemiológicos e sociais da doença falciforme. Revista Brasileira de Hematologia 2010; 32(3): 203-208.

- Silva RBP, Ramalho AS, Cassorla RMS. Anemia falciforme como problema de saúde pública no Brasil. Cadernos de Saúde Pública 1993; 27(1): 54-58.

- Consea. Princípios e Diretrizes de uma Política de Segurança Alimentar e Nutricional/Textos de Referência da II Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Brasília: CONSEA; 2004,80.

- Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Segurança Alimentar 2004/2009, Rio de Janeiro: IBGE; 2010,183.

- Segall-Corrêa AM, et al. Segurança alimentar no domicílio. In: Brasil. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança/ Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009, 231-348.

- Hasanato R. Zinc and antioxidant vitamin deficiency in patients with severe sickle cell anemia. Annals of Saudi Medicine 2006; 26(1): 17-21.

- Brasil. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Dialogando sobre o direito humano à alimentação adequada no contexto do SUS/Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010,72.

- Mesa Brasil Sesc. Banco de Alimentos e Colheita Urbana: Aproveitamento Integral dos Alimentos. Rio de Janeiro: SESC/DN; 2003, 45.

- Fasola F, et al. Total Antioxidants Status and Some Hematological Values in Sickle Cell Disease Patients in Steady State. Journal of the national medical association 2007; 99(8): 891-894.

- Verissimo MPA. Crescimento e desenvolvimento nas doenças falciformes. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia 2007; 29(3): 271-274.

- Nouraine M, et al. Predictors of osteoclast activity in patients with sickle cell disease. Haematologica 2011; 96(8): 1092-1098.

- Di Nuzzo DVP, Fonseca SF. Anemia falciforme e infecções. Jornal de Pediatria 2004; 80 (5): 347-54.

- Borel MJ, et al. Alterations in basal nutrient metabolism increase resting energy expenditure in sickle cell disease. American Physiological Society 1998; 37, E357–E364.

- Brasil. Ministério da Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde; 2006,210.

- Viera MP, Lima IN, Petilik MEI. Abordagem ambulatorial do nutricionista em anemia hemolítica. Revista de Nutrição 1999; 12(1): 103-113.

- Freire P. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1996.

- Teixeira ER, Veloso RC. O grupo em sala de espera: território de práticas e representações em saúde. Texto Contexto Enfermagem 2006; 15(2): 320-5.

- Araujo PIC. O autocuidado na doença falciforme. Revista brasileira de hematologia e hemoterapia 2007; 29(3): 239-246.

- Rosa J, Barth PO, GERMANI ARM. A sala de espera no agir em saúde: espaço de educação e promoção à saúde. Perspectiva, Erechim 2011; 35(129): 121-130.

- Phillippi TS. Tabela de Composição de Alimentos: Suporte para decisão nutricional. 1. ed. São Paulo: Coronário; 2002.135.

- Stopler T, Weiner S. Tratamento Clínico e Nutricional para Anemia. In: Mahan L.K, Escott-Stump S, Raymond JL. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia. Rio de Janeiro: Elsevier; 2012, p.725-739.

- Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília: MDS; 2012,68.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Obesidade/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. 1.ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.108.

- Rosa J, Barth PO, GERMANI ARM. A sala de espera no agir em saúde: espaço de educação e promoção à saúde. Perspectiva, Erechim 2011; 35(129): 121-130.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.10539