AVALIAÇÃO QUÍMICA DE MACRONUTRIENTES E MINERAIS DE DIETAS ENTERAIS ARTESANAIS UTILIZADAS EM TERAPIA NUTRICIONAL DOMICILIAR NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

Ann Kristine Jansen, Simone de Vasconcelos Generoso, Ligia Amanda Ventura de Oliveira Miranda, Eduarda Guimarães Guedes, Gilberto Simeone Henriques

Resumo


Objetivo: este estudo objetivou avaliar quimicamente a composição de macronutrientes e minerais de dietas enterais artesanais prescritas para terapia nutricional domiciliar. Métodos: Foram coletadas fichas técnicas de dietas enterais artesanais padrão e padrão sem lactose, prescritas na alta hospitalar por hospitais públicos e pelo Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Após preparo das formulações e avaliação de viscosidade, estabilidade, odor, cor e custo, foram selecionadas dietas de cinco locais, sendo agrupadas de acordo com as semelhanças na composição em Grupo A e Grupo B, e encaminhadas para análise química de macronutrientes e minerais. Os resultados foram comparados com as necessidades nutricionais propostas pelas Recomendações Dietéticas de Referência para homens de 51-70 anos. Resultados e Discussão: As dietas analisadas apresentaram distribuição normoproteica, normolipídica e normoglicídica. A quantidade total de fibra alimentar nas dietas do Grupo A ficou entre 12 g e 15 g, com 48% de fibra solúvel. No Grupo B, a fibra alimentar foi de 3,40 g, e na dieta padrão sem lactose, entre 6 e 8 g, apresentando 65% de fibra solúvel. Quanto aos minerais, todas as formulações estavam adequadas em ferro e a maioria, em cálcio, zinco, fósforo, cobre e sódio. Nenhuma formulação avaliada encontrou valores adequados de potássio e magnésio. Observou-se ainda baixa adequação de muitos minerais nas formulações de 1.200 Kcal. Conclusão: As formulações analisadas têm composição de macronutrientes adequada, necessitando de ajustes em fibras. Quanto aos minerais, aqueles deficientes precisam ser suplementados enquanto as adequações dietéticas não forem realizadas.

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/demetra.2014.10424

 


Palavras-chave


Segurança Alimentar e Nutricional; Assistência domiciliar; Nutrição enteral; Composição química; Sistema Único de Saúde; Adultos.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Coordenação Geral de Doenças e Agravos Não Transmissíveis. Plano de Ações estratégicas para Enfrentamento das DCNT no Brasil 2011-2022. 2011. Disponível em (http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1818

- Planas M, et al. Evaluación del grado de satisfacción de un programa de nutrición enteral domiciliaria. Nutrición Hospitalaria 2007; 22(5):612-15.

- Cabrit R. et al. Nutrition entérale à domicile: 3 millions de journées d’expérience. Nutrition Clinique et Métabolisme 2013; 27;178-184.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

- CAISAN. Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional. Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: 2012/2015. Brasília, DF: MDS; Consea, 2011.

- Brasil, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução de Diretoria Colegiada, RDC n° 11, de 26 de janeiro de 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção Domiciliar. Brasília, DF: 2006. Disponível em URL:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2006/res0011_26_01_2006.html

- Brasil. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância Sanitária. Resolução RDC no 63 de 6 de julho de 2000. Aprova regulamento técnico para fixar os requerimentos mínimos exigidos para a terapia nutricional enteral. Diário Oficial, Brasil, 07 de Julho de 2000.

- Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria 120 de 14 de abril de 2009. Disponível em URL:

- Barbosa JAG, Freitas MIF. Representações sociais sobre a alimentação por sonda obtidas de pacientes adultos hospitalizados. Revista Latino Americana de Enfermagem 2005; 13(2):235-42. doi.org/10.1590/S0104-11692005000200016

- Poulain JP, Proença RPC. O espaço social alimentar: um instrumento para o estudo dos modelos alimentares. Revista de Nutrição 2003; 16(3):245-256.

- Menegassi B, et al. Características físicoquímicas e qualidade nutricional de dietas enterais não-industrializadas. Alimentos e Nutrição. 2007; 18(2):127-132.

- Santos VFN, Bottoni A, Morais TB. Qualidade nutricional e microbiológica de dietas enterais artesanais padronizadas preparadas nas residências de pacientes em terapia nutricional domiciliar. Revista de Nutrição 2013; 26 (2):205-14.

- Henriques GS, Rosado GP. Formulação de dietas enterais artesanais e determinação da osmolalidade pelo método crioscópico. Revista de Nutrição. 1999; 12(3):225-32.

- Sousa LRM, Ferreira SMR, Schieferdecker MEM. Physicochemical and nutricional characteristics of handmade enteral diets. Nutrición Hospitalaria 2014; 29:568-574.

- Von Atzingen MC, et al. Composição centesimal e teor de minerais de dietas enterais artesanais. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial 2007; 1(2): 37-47.

- Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis. 19. ed., Washington DC, 2012, 1141p.

- Bligh EG, Dyer WJ. A rapid method of total lipid extraction and purification. Canadian Journal of Biochemistry and Physiology 1959; 37: 911-917.

- Asp NG et al. Rapid enzymatic assay of insoluble and soluble dietary fiber. Journal of Agricultural Food Chemistry 1983; 31(3): 476-482.

- Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes. The essential guide to nutrient requirements. Washington DC: The National Academies Press; 2006. 543p.

- Institute of Medicine. Dietary reference intake for calcium and vitamin D. 2010. Disponível em URL:

- USDA/DHHS. Dietary guidelines for Americans, 2010. Disponível em URL:

.

- Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral, Sociedade, Brasileira de Clínica Médica, Associação Brasileira de Nutrologia. Projeto Diretrizes. Recomendações Nutricionais para Adultos em Terapia Nutricional Enteral e Parenteral. 2011 URL//

- Crowe TC, Brockbank CM. Nutrition therapy in the prevention and treatment of pressure ulcers. Wound Practice and Research. 2009;17:90-99.

- Arvanitakis M, et al. Nutrition in care homes and home care: How to implement adequate strategies. Clin Nutr. 2008; (27): 481 e 488.

- Santos RD, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz sobre o consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2013;100(1Supl.3):1-40.

- Araújo EM, Menezes HC. Formulações com alimentos convencionais para nutrição enteral ou oral. Ciência e Tecnologia de Alimentos 2006; 26(3): 533-538.

- Araújo EM, Menezes HC, Tomazini JM. Fibras solúveis e insolúveis de verduras, tubérculos e canela para uso em nutrição clínica. Ciência e Tecnologia de Alimentos 2009; 29(2): 401-406.

- Bosaeus I. Fibre effects on intestinal functions (diarrhoea, constipation and irritable bowel syndrome) Clinical Nutrition Supplements 2004; 1:33-38. Doi:10.1016/jclnu.2004.09.006.

- Goldsmith JR, Sartor RB. The role of diet on intestinal microbiota metabolism: downstream impacts on host immune function and health, and therapeutic implications.J Gastroenterol 2014; 21. [Epub ahead of print].

- Candela CG, et al. Fibra y nutrición enteral. Nutrición Hospitalaria 2002; 17 (2):30-40.

- Silk DBA, et al. The effect of a polymeric enteral formula supplemented with a mixture of six fibers on normal human bowel function and colonic motility. Clinical Nutrition 2001; 20:49-58.

- Cozzolino SMF. Biodisponibilidade de Nutrientes. Barueri, SP: Manole, 2005.878p.

- Araújo EM, Menezes HC. Composição centesimal, lisina disponível e digestibilidade in vitro de proteínas de fórmulas para nutrição oral ou enteral. Ciência e Tecnologia de Alimentos 2005; 25(4): 768-771.

- Ames BN, et al. Mineral and vitamin deficiencies can accelerate the mitochondrial decay of aging. Molecular Aspects in Medicine 2005; 26(4-5):363-78.

- Bottoni A et al. Papel da nutrição na cicatrização. Ciências e saúde coletiva. 2011,1:98-103.

- Yoshihiro, S. Abnormal bone and calcium metabolism in patients after stroke. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation 2000; 81:117-121.

- Okada A, et al. Risk of renal stone formation induced by long-term bed rest could be decreased by premedication with bisphosphonate and increased by resistive exercise. International Journal of Urology 2008 ;15(7):630-5. doi: 10.1111/j.1442-2042.2008.02067.

- He K, et al. Magnesium intake and the metabolic syndrome: epidemiologic evidence to date. Journal of the Cardiometabolic Syndrome 2006; 1 (5):351–355.

- Rayman, M. P. Selenium and human health. The Lancet 2012; 379:1256-1268.

- Mente A, O’Donnell MJ, Yusuf S. The population risk of dietary salt excess are greatly exaggerated. Canadian Journal of Cardiology 2014. Doi:10.1016/j.cjca.2014.02.003.

- He JF, Li J, MacGregor GA. Effect of longer term modest salt reduction on blood pressure: Cochrane systematic review and meta-analysis of randomised trials. BMJ 2013; 346:f1325 doi:10.1136/bmj.f1325

- Drewnowski A, Maillot M, Rehm C. Reducing the sodium-potassium ratio in the US diet: a challenge for public health. American Journal of Clinical Nutrition 2012; 96:439-444.doi:10.3945/ajcn.111.025353.

- Yang Q et al. Sodium and potassium intake and mortality among US

adults: prospective data from the Third National Health and

Nutrition Examination Survey. Archives of Internal Medicine 2011;171:




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.10424

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.