A CONSTRUÇÃO DO ANTAGONISTA EM OS MAGOS

Giuliane Moreira Gonçalves, Fábio Lucas Pierini

Resumo


A construção das personagens e, em especial, a do antagonista é essencial para o desenvolvimento da narrativa. Diante disto, este trabalho analisa a construção das personagens de acordo com a visão de Candido (1968), Brait (1985) e Palmer (2004), além da noção de antagonista defendida por Propp (2001), Campbell (1997) e Prado (1968). Partindo desta análise, avalia-se também a construção deste antagonista como um agente do mal, como afirma Campbell (1997), e suas características maléficas e monstruosas pelas visões de Jeha (2007), Molino (1980) e Todorov (1981). Diante desta discussão teórica, analisou-se a trilogia de Grossman intitulada Os Magos, em especial o antagonista do primeiro livro, A Criatura. Concluiu-se, assim, que a construção desta personagem obedece à maioria os princípios de construção do antagonista discutidos pelas teorias mencionadas, com exceção ao discorrido por Jeha (2007) de que a maldade do antagonista é interior, uma vez que forças exteriores levam o antagonista de Grossman a agir vingativamente, demonstrando como a maldade e as noções de bem e mal são fixas, mas socialmente instituídas.


Palavras-chave


Literatura fantástica; Personagem; Antagonista; Os Magos; Monstro

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/abusoes.2019.37255

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Abusões
e-ISSN: 2525-4022