TRÊS MULHERES E UMA RUA: COINCIDÊNCIAS FORTUITAS E ATOS GRATUITOS EM BINGHAM STREET

Conteúdo do artigo principal

Resumo

Admitimos que é difícil delimitar definitivamente o fantástico bem como distingui-lo do insólito como gênero narrativo à parte, mas quando avaliamos a ambos como produto de uma reação sociocognitiva a uma contingência sociocultural, pressupondo conhecer não apenas o contexto sócio-histórico de produção da obra como também a formação intelectual e as tendências ideológicas do autor, a tarefa se torna mais factível. A conclusão parcial à qual chegamos é que, ainda havendo grandes zonas de intersecção entre temas e técnicas narrativas, podemos estar diante de gêneros narrativos distintos: a partir da concepção de que o sobrenatural é uma figura de linguagem que torna concebível aquilo que está indisponível (seja porque ainda não foi descoberto, seja porque simplesmente não existe) é possível considerá-lo um recurso narrativo para além da simples representação de eventos que superam a capacidade física, intelectual ou tecnológica da ação humana sobre o mundo. O sobrenatural passa a ser, assim, um recurso narrativo que torna perceptível, seja de forma evidente, seja de forma sutil, relações de causa e efeito até então desconhecidas ou não formalizadas tanto pelos personagens quanto pelo leitor. Dessa forma, podemos entender que enquanto o fantástico é uma narrativa que problematiza as implicações de um evento ser ou não real, o insólito questiona o próprio conceito de real. No caso do conto aqui analisado, “Quando de uma guinada pela rua Bingham” (Umwege durch Bingham Street) (1965), de Johannes Urzidil (1896-1970), acompanhamos uma discussão que, essencialmente, opõe coincidências fortuitas aos atos gratuitos: duas mortes desencadeadas pela mesma criança fariam dela um instrumento do destino ou tudo não passa de uma leitura enviesada dos fatos?

Detalhes do artigo

Como Citar
PIERINI, Fábio Lucas. TRÊS MULHERES E UMA RUA: COINCIDÊNCIAS FORTUITAS E ATOS GRATUITOS EM BINGHAM STREET. Abusões, Rio de Janeiro, v. 23, n. 23, 2024. DOI: 10.12957/abusoes.2024.77179. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/abusoes/article/view/77179. Acesso em: 22 jul. 2024.
Seção
Abismo e vertigem: dinâmica da personagem na ficção fantástica