Os problemas nos estudos das religiões afro-ameríndias e o ensino de História

Lucas Gomes de Medeiros

Resumo


Com o artigo que segue pretendemos problematizar alguns aspectos em torno dos estudos das religiões afro-ameríndias nas escolas. É sabido que essas se baseiam em “cosmopercepções” que ocasionalmente se aproximam ou se distanciam das formas ocidentais de interpelação de mundo que por sua vez norteiam, entre tantos outros aspectos, os currículos escolares e acadêmicos. O desafio que está posto consiste na implantação de políticas de reparação social e ações afirmativas que considerem essa realidade e como a historiografia pode se converter em ferramenta que auxilie nessa complexa empreitada. As proposições apresentadas consistem em diretrizes que têm por objetivo constituir uma abordagem mais fidedigna às concepções de mundo dessas religiões.

Palavras-chave


Religiões afro-ameríndias; Ensino; História; Cosmopercepções.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA. Maria Regina Celestino de. “História e antropologia” In. CARDOSO, Ciro Flamarion; VAIFAS, Ronaldo (Orgs.). Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. pp.151 -168.

ANDRADE, Mario de. Música de feitiçaria no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015 [1963].

ASSUNÇÃO, Luiz Carvalho de. O reino dos mestres: a tradição da jurema na umbanda nordestina. Rio de Janeiro: Pallas, 2010.

AUGRAS, Monique. O Duplo e a metamorfose: identidades míticas em comunidades nagôs. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

BARROS, Ofélia Maria de. Terreiros campinenses: tradição e diversidade. Campina Grande: EDUEPB, 2017.

BASTIDE, Roger. O candomblé da Bahia: rito nagô. Tradução de Le candomblé de Bahia, de 1958. 3ª edição. São Paulo: Nacional, 1978. Nova Edição: São Paulo, Cia. das Letras, 2001.

BIRMAN, Patrícia. Fazer estilo criando gêneros: possessão e diferenças de gênero em terreiros de umbanda e candomblé no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará/EDUERJ, 1995.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. Trad. Maria Letícia Ferreira. São Paulo: Contexto, 2019.

CARBONELL, Charles-Oliver. “Antropologia, etnologia e história: a terceira geração na França”. In: NOVAES, Fernando Antônio; SILVA, Rogério Forastieri (Orgs.). Nova História em perspectiva. Vol. 2. São Paulo: Cosac Naify, 2013. p. 280-290.

CARNEIRO, Edison. Candomblés da Bahia. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2008.

CASTILLO. Lisa. Entre a oralidade e a escrita: a etnografia nos candomblés da Bahia. Salvador: EDUFBA, 2010.

COTRIM, Gilberto; RODRIGURES, Jaime. Historiar, 8° ano: ensino fundamental, anos finais. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

DANTAS, Beatriz Góis. Vovó nagô e papai branco: usos e abusos da África no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FERRETTI, Sérgio. Repensar o sincretismo. 2. ed. São Paulo: Edusp, Arché Editora, 2013.

GIL, C. Z. DE V. “Memória”. In: FERREIRA, M. D. M.; OLIVEIRA, M. M. D. D. (Eds.). Dicionário de Ensino de História. Rio de Janeiro: EDITORA FGV, 2019. p. 155-161.

GONÇALVES. Luciana de Freitas. “Religiões de matrizes africanas nas histórias em quadrinhos: uma ferramenta pedagógica no ensino de história da África e cultura afro-brasileira”. Revista Historia e Diversidade Vol. 8, nº 1 (2016).

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

LANDES, Ruth. A cidade das mulheres. Trad. Maria Lucia do Eirado Silva; 2. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002.

LEME, José Luís Câmara. “A desrazão, a confissão e a profundidade do homem europeu”. In: CADIOTTO, Cesar; SOUZA, Pedro de (Orgs). Foucault e o cristianismo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012, p. 23-44.

LIMA, Vivaldo da Costa. Lesse Orixá: nos pés do santo. Salvador: Corrupio, 2010.

MEYHY, José Carlos Sebe B.; SEAWRIGTH, Leandro. Memórias e narrativas: história oral aplicada. São Paulo: Contexto, 2020.

NEGRÃO, Lísias. Entre a cruz e a encruzilhada: formação do campo umbandista em São Paulo: Editora da USP, 1996.

ORTIZ, Renato. A morte branca do feiticeiro negro: umbanda e sociedade brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1999.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. “Visualizing the Body: Western Theories and African Subjects”. In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (eds). The African Philosophy Reader. Tradução para uso didático de Wanderson Flor do Nascimento. New York: Routledge, 2002, p. 391-415.

______, Oyèrónké. La Invención de las Mujeres: Una perspectiva africana sobre los discursos occidentales del género. Bogotá, Colombia: Editora En la frontera, 2017.

PARES, Luiz Nicolau. A formação do Candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2018.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

______. “De africano a afro-brasileiro: etnia, identidade, religião”. REVISTA USP, São Paulo, n. 46, junho/agosto 2000. p. 52-65.

RAMOS, Arthur. As culturas negras no Novo Mundo. São Paulo: Ed. Nacional, 1979.

RANKE-HEINEMANN, Uta. Eunucos pelo Reino de Deus: Igreja católica e sexualidade de jesus a Bento XVI. Trad. Paulo Fróes e Débora Donadel; 5° ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

REIS, João José. Domingos Sodré, um sacerdote africano: escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

RODRIGUES, Nina. O animismo fetichista dos negros baianos . Rio de Janeiro, UFRJ/Biblioteca Nacional, 2006.

SANTOS, B.S. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Hori-zonte: Autêntica, 2019.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os nagôs e a morte: Pàde, Àsèsè e o culto Ègun na Bahia. Petrópolis: Vozes, 2002.

SEGATTO, Rita Laura. Santos e Daimones: o politeísmo afro-brasileiro e a tradição arquetipal. Brasília: Editora da UNB, 2005.

SILVA, Vagner Gonçalves da. O antropólogo e sua magia: Trabalho de campo e texto etnográfico nas pesquisas antropológicas sobre religiões afro-brasileiras. São Paulo: Edusp, 2015.

SODRÉ, Muniz A. C. Pensar nagô. Rio de Janeiro: Vozes, 2017.

VALENTE, Waldemar. Sincretismo religioso afro-brasileiro. 3. ed. São Paulo: Nacional, 1977.

VERGER, Pierre. Notas sobre o culto dos orixás e voduns. Trad. Carlos Eugênio Marcondes de Moura. 2. Ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2019.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2021.58108

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos