“DANÇAS FRENÉTICAS E DIABÓLICAS DE QUE O BRASIL É REI E SENHOR”: NOTAS SOBRE A PRESENÇA MUSICAL BRASILEIRA EM ANGOLA NO PERÍODO COLONIAL E SEUS SIGNIFICADOS POLÍTICOS (1950-1974).

ALEXANDRE REIS

Resumo


O presente artigo busca traçar um breve panorama da circulação musical brasileira em Angola e como algumas práticas culturais brasileiras, sobretudo as relacionadas à música, foram referenciais importantes para os angolanos em seu processo de busca e construção de uma identidade nacional. Ao mesmo tempo, acompanhar a grande circulação de artistas brasileiros, sobretudo por Luanda, lança luz sobre a história do lazer nas áreas urbanas de Angola nos momentos finais do colonialismo português.


Palavras-chave


música; colonialismo tardio; Angola; Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Amanda. "Angolano Segue em Frente: um panorama do cenário musical urbano de Angola entre as décadas de 1940 e 1970". Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Fluminense, Niterói, 2015.

ALVES, Amanda. "'Esse crioulo vai longe': racismo e construções discursivas sobre Tony Tornado na imprensa periódica brasileira (1970-1972)". Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro: CEFET, 2019.

ANTÔNIO, Jorge. O lendário Tio Liceu e os N’gola ritmos. Mukixe/LX Filmes, Lisboa/Luanda 2010.

BITTENCOURT, Marcelo. "'Estamos juntos!': o MPLA e a luta anticolonial (1961-1974)". Kilombelombe, 2008.

____________________. "Jogando no campo do inimigo: futebol e luta política em Angola". In: BITTENCOURT, Marcelo.; MELO, Vitor.; NASCIMENTO, Augusto. (Org.). Mais do que um jogo: o esporte e o continente africano. Apicuri, 2010.

BOSSLETT, Juliana. "A cidade e a guerra. Relações de poder e subversão em São Paulo de Assunção de Luanda (1961-1975)". Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História da Universidade Fluminense, Niterói, 2014.

CARNEIRO, Juliana. 'Angolanos olham para o Brasil, mas brasileiros não olham para Angola’, diz escritor. BBC NEWS BRASIL, 2011. Disponível em https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2011/09/110908_angola_entrevista_jc. Acesso em 20/01/2021 às 17 h 00 min.

CASTELO, Castelo. Uma incursão no lusotropicalismo de Gilberto Freyre. Blogue de História Lusófona, v. 6, n. 1, p. 261–280, 2011.

______________. "'Novos Brasis' em África: desenvolvimento e colonialismo português tardio". Varia História, v. 30, n. 53, p. 507–532, 2014.

DÁVILA, Jerry. Hotel Trópico: Brazil and the challenge of African decolonization, 1950–1980. Duke University Press, 2010.

CARVALHO FILHO, Sílvio. "A identidade literária na literatura angolana (1975-1985)". Cadernos CESPUC de Pesquisa Série Ensaios, n. 5, p. 68–77, 1999.

Da VILA, Martinho. Kizombas, Andanças e festanças. Record, 1992.

de ARAÚJO, Paulo. César. Eu não sou cachorro, não: música popular cafona e ditadura militar. Editora Record, 2002.

de SOUZA, Carolina. "Relações de Poder em Angola: Uma leitura dos romances de Pepetela (1975-2005)". Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

dos SANTOS, Alexandre. R. “Um abraço do samba ao semba”: diálogos musicais e políticos entre Angola e Brasil na década de 1980. Temporalidades, v. 11, n. 1, p. 163–180, 2019.

FERREIRA, Eduardo. "A lógica da consolidação da economia de mercado em Angola, 1930-1974 (La logique de la consolidation de l'économie de marché en Angola, 1930-1974)". Análise Social, Lisboa, (85), 83-110, 1985.

FLÉCHET, Anais. "Um mito exótico? A recepção crítica de Orfeu Negro de Marcel Camus (1959-2008)". Significação: Revista de Cultura Audiovisual, v. 36, n. 32, p. 43–62, 2009.

FLORES, Marilda. "Retornados, desalojados, deslocados: a construção da memória do regresso de angola para Portugal". Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da UNIRIO, Rio de Janeiro, 2019.

FREUDENTHAL, Aida. "A Baixa de Cassanje: algodão e revolta". Revista Internacional de Estudos Africanos, n. 18–22, p. 245–283, 1995.

KUSCHICK, M. B. Kotas, mamás, mais velhos, pais grandes do semba: a música angolana nas ondas sonoras do atlântico negro. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Musicologia da UNICAMP, 2016.

MELO, Dario; SANTOS, Jacques (Orgs.). O homem da Quijinga. Lisboa: Edições Chá de Caxinde, 2007.

NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção. São Paulo: Annablume, 2001.

PENNA FILHO, Pio.; LESSA, Antônio. "O Itamaraty e a África: as origens da política africana do Brasil". Revista Estudos Históricos, v. 1, n. 39, p. 57–81, 2007.

PEPETELA. A geração da utopia LeYa, 2013.

REGO, Ricardo. "Circulação da Música Popular entre Brasil e Angola". PhD Thesis, Paris, EHESS, 2014.

SANTOS, Edmílson. "O MPLA no Brasil: A Campanha pela Independência de Angola no contexto político brasileiro (1960-1964)". Monografia de Especialização apresentada ao Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense, 2007.

SHAIN, Richard. "Roots in reverse: Cubanismo in twentieth-century Senegalese music". The International journal of African historical studies, v. 35, n. 1, p. 83–101, 2002.

VENEZIANO, Neyde. "O sistema vedete". Repertório, p. 58–70, 2011.

VIEIRA, Luandino. A vida verdadeira de Domingos Xavier. Leya, 2012.

WEZA, José. "O percurso histórico da música urbana Luandense: subsídio para a história da música Angolana". Governo da Província de Luanda, 2007.

WHITE, Bob. "Congolese rumba and other cosmopolitanisms". Éditions de l’École des hautes études en sciences sociales, 2002. v. 42

XITU, Uanhenga. Manana: Uanhenga Xitu (Edição Crítica). Paco e Littera, 2019.

Depoimentos Informais:

Fernandes, C. (2021, janeiro 11). [Entrevista de A. Reis; Aplicativo digital de Mensagens].

Gonçalves, J. (2020, setembro 11). [Entrevista de A. Reis; Aplicativo Digital de Mensagens].

Lara, P. (2020, setembro 5). [Entrevista de A. Reis; E-mail].

Serrano, C. (2020, setembro 9). [Entrevista de A. Reis; Aplicativo Digital de Mensagens].




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2021.54966

Apontamentos



Direitos autorais 2021 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos