A CIDADE DO LOBITO NA MEMÓRIA DE MIGRANTES DA DESCOLONIZAÇÃO DE ANGOLA RESIDENTES NO RIO DE JANEIRO THE CITY OF LOBITO IN THE MEMORY OF MIGRANTS OF DECOLONIZATION FROM ANGOLA WHO LIVE IN RIO DE JANEIRO

Isabel de Souza Lima Junqueira Barreto

Resumo


A cidade do Lobito foi fundada em 1905. Segundo o último Censo populacional do período colonial em Angola, feito em 1970, naquela altura era a terceira maior cidade angolana. Era um centro econômico muito relevante, sede de um importante porto e do Caminho de Ferro de Benguela. Este artigo aborda as memórias de antigos habitantes que residem hoje no Rio de Janeiro e que deixaram Angola em 1975, ano da independência política e do início da guerra civil. Através de suas lembranças foi possível acessar a visão que tinham da atmosfera da cidade, um exemplo da visão da vida em Angola como um paraíso, assim como suas visões a respeito do racismo e da discriminação estruturantes daquela sociedade. Tal questão se referia às relações entre brancos e negros e também entre colonos, de primeira geração e luso-angolanos.

 

The city of Lobito was founded in 1905. According to the last Population census, made in 1970, at that time it was the third biggest Angolan city. It was a very relevant economic center, headquarters of an important port and of the Benguela Railway. This paper approach the memories of former inhabitants that today live in Rio de Janeiro and who left Angola in 1975, year of the political independence and the beginning of the civil war. Through their memories it was possible to access their vision of the city’s atmosphere, an example of the vision concerning the life in Angola as a paradise, as well as their visions concerning the structural racism and discrimination of that society. Such matter refers to the relation between whites and blacks and also between first generation settlers and luso-angolans.


Palavras-chave


Memória, Angola, Lobito, Discriminação racial Memory, Angola, Lobito, racial discrimination

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ANGOLA 70: Benguela–Lobito. Direção José Elyseu. Lisboa: Rádio e Televisão de Portugal, 1970. Disponível em: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/benguela-lobito/. Acesso em 05 ago. 2019.

BARRETO, Isabel de Souza Lima Junqueira. Migrantes da descolonização: portugueses e luso-angolanos no Brasil (1974-1977). 2014. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014. Disponível em: https://www.historia.uff.br/stricto/td/1577.pdf. Acesso em: 7 jun. 2021.

BITTENCOURT, Marcelo. O desporto nos países africanos: entre as práticas coloniais e os projectos de modernidade. 7º CONGRESSO IBÉRICO DE ESTUDOS AFRICANOS, Lisboa, 2010. Disponível em: https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/2229/1/CIEA7_2_BITTENCOURT_Jogando%20no%20campo%20do%20inimigo.pdf. Acesso em: 7 jun. 2021.

BOSSLET, Juliana Cordeiro de Farias. A cidade e a guerra: relações de poder e subversão em São Paulo de Assunção de Luanda. Dissertação (Mestrado em História) - Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014. Disponível em: https://www.historia.uff.br/stricto/td/1786.pdf. Acesso em: 7 jun. 2021.

CASTELO, Cláudia. Passagens para a África: o povoamento de Angola e Moçambique com naturais da metrópole (1920-1974). Porto: Edições Afrontamento, 2007.

GARRIDO, Joan dei Alcàzar i. As fontes orais na pesquisa histórica: uma contribuição ao debate. Revista Brasileira de História. Memória história e Historiografia. ANPUH/MARCO Zero SCT CNPq FINEP set/92/ agost/93. Disponível em: https://www.anpuh.org/revistabrasileira/view?ID_REVISTA_BRASILEIRA=17. Acesso em 05 set. 2019.

LEYDESDORFF, Selma. Desafios do transculturalismo. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; FERNANDES, Tania Maria; ALBERTI, Verena (Org.). História Oral: desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/Casa de Oswaldo Cruz / CPDOC - Fundação Getúlio Vargas, 2000, p. 73-84.

MILHEIRO, Ana Vaz. Experiências em concreto armado na África portuguesa: influências do Brasil. In: Pós. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, n. 25, p. 56-79, 1 jun. 2009.

NETO, Maria da Conceição. Ideologias, Contradições e mistificações da colonização de Angola no século XX. Paris: Lusotopie, 1997.

PEIXOTO, Carolina Barros Tavares. Ser, não ser, voltar a ser ou tornar-se? Uma reflexão sobre a (re)inserção social dos angolanos de ascendência portuguesa à luz dos estudos pós-coloniais. 2015. Tese (Pós-colonialismos e Cidadania Global) – Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2015. Disponível em: https://eg.uc.pt/handle/10316/28147. Acesso em: 1 jun. 2021.

PIMENTA, Fernando Tavares. Angola no Percurso de um nacionalista: conversas com Adolfo Maria, Porto: Edições Afrontamento, 2006.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992, p. 200-212.

RELÓGIO, André Tchoia; TAVARES, Fernando Oliveira; PACHECO, Luís. Importância do Caminho de Ferro de Benguela para o Desenvolvimento Regional, Cadernos de Estudos Africanos [online], 33, 2017. Disponível em: http://journals.openedition.org/cea/2243. Acesso em 25 mar. 2020.

REPÚBLICA PORTUGUESA – ESTADO DE ANGOLA. Informações Estatísticas 1972. Luanda: Direção Provincial dos Serviços de Estatística, 1973.

ROSEMAN, Mark. Memória sobrevivente: verdade e inexatidão nos depoimentos sobre o Holocausto. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; FERNANDES, Tania Maria; ALBERTI, Verena (Org.). História Oral: desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, Casa de Oswaldo Cruz, CPDOC - Fundação Getúlio Vargas, 2000, p. 123-134.

SELAU, Mauricio da Silva. História Oral: Uma metodologia para o trabalho com fontes orais. Esboços: histórias em contextos globais, Florianópolis, v. 11, n. 11, p. 217-228, jan. 2004. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/esbocos/article/view/486/9887. Acesso em: 13 ago. 2019.

SILVA, V. Cóias e.; TAVARES, A. Segadães. Caminho de Ferro de Benguela: patrimônio luso-britânico em solo angolano, Pedra & Cal, out – dez. 2002. Disponível em: http://www.gecorpa.pt/Upload/Revistas/Rev16_Revista_Completa.pdf. Acesso em: 09 ago. 2019.

SMITH, Andrea L. (Ed.). Europe’s invisible migrants. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2003.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2021.47139

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos