NÃO FOI MÉLIÈS: NOTAS SOBRE O MOVIMENTO #METOO E A NOTORIEDADE RETROSPECTIVA DO CINEMA FEITO POR MULHERES

Débora Wobeto

Resumo


Concentro-me neste artigo a analisar as dimensões políticas e estéticas do movimento #MeToo no âmbito da história do cinema e dos estudos de gênero. Trata-se de analisar a intensificação dos debates sobre o papel das mulheres no cinema a partir das recentes denúncias de assédio e agressão sexual em Hollywood. Com esses objetivos, dedico-me inicialmente às discussões empreendidas no âmbito do movimento feminista na década de 1970, quando as noções de cinema feminino e cinema feminista se tornam centrais. Em um segundo momento, apresento o #MeToo, contextualizando a gênese do movimento e o caráter internacional de sua agenda. Na sequência, abordo o reexame de obras e biografias consideradas “perdidas” e as controvérsias que cercam as noções de pioneirismo e originalidade. Concluo apontando para os desdobramentos das mobilizações travadas pelo #MeToo, associados à candência das discussões sobre o cinema feminino e como ele pode ser entalhado na história do cinema.

 


Palavras-chave


Cinema feminino; Feminismo; História do Cinema; #MeToo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/synthesis.2020.63164

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1414-915X (versão impressa)
ISSN 2358-4130 (versão digital)