Documento sem ttulo
 


COMUNICAO DE PESQUISA


SUBJETIVIDADE E TECNOLOGIA: IMPACTO DA REALIDADE DIGITAL EM TRABALHADORES E USURIOS DO INSTITUTO NACIONAL DE SEGURIDADE SOCIAL
TECNOLOGY AND SUBJECTIVNESS: THE IMPACT OF DIGITAL REALITY IN WORKERS AND USERS OF INSTITUTO NACIONAL DE SEGURIDADE SOCIAL (INSS)

Priscila Pires Alves*

Essa pesquisa, desenvolvida no mbito do meu doutoramento, tem por objetivo analisar os impactos da tecnologia na configurao da subjetividade contempornea. Para tanto, parte da premissa de que os modos de produo material e simblica da sociedade, na atualidade, so engendrados pelos avanos tecnolgicos, notadamente pela tecnologia da informao, gerando uma nova arquitetura no tecido social, bem como no comportamento dos sujeitos envolvidos.

Fenmeno contemporneo, o advento da Information Technology penetra as dobras sociais, influenciando cada vez mais as formas de relacionamento dos homens, produzindo processos de subjetivao subsidiados pela lgica digital. A criao de um novo espao de valores e representaes dependentes dos recursos tecnolgicos respalda a disseminao de uma cultura digitalizada que determina, por conseguinte, uma nova configurao das relaes do sujeito com o seu entorno.

O prprio processo de globalizao aparece fortemente articulado possibilidade tecnolgica, utilizando-se das facilidades viabilizadas pela realidade digital, de modo que o entrelaamento entre tecnologia e capital impulsiona uma acelerao nos processos de mudana e estruturao social, hipertrofia o presente, gerando, conforme anlise de alguns autores, um mundo desenraizado, sem fronteiras, desvinculado da grafia enunciativa do passado, portanto a-histrico. Hobsbawm (1996, p. 562), por exemplo, contextualiza o que se vive no tempo presente, da seguinte forma: Vivemos num mundo conquistado, desenraizado e transformado pelo titnico processo econmico e tecnocientfico do desenvolvimento do capitalismo, que dominou os ltimos trs sculos.

Experincias marcadas pela transitoriedade, rupturas, caos, descontinuidades e alteridades constituem os registros caractersticos dos fluxos sociais contemporneos, no sendo poucos os autores que, dentre outros aspectos, destacam o reforo do individualismo, a instituio de uma sociedade de consumo exacerbada, bem como a consolidao do mercado de forma imanente.

Diante desta configurao, a investigao em curso pretende desenvolver uma anlise do impacto das tecnologias de informao e comunicao na construo da subjetividade, num campo especfico: nos servios de atendimento ao pblico realizado pelo sistema previdencirio brasileiro.

O interesse em estudar a Previdncia Social partiu de uma experincia vivenciada pela prpria pesquisadora, ocasio na qual percebeu que as relaes estabelecidas entre o trabalhador e o usurio encontravam-se absolutamente mediadas por um sistema automatizado, frio, que distanciava esses dois plos e, sobretudo, desumano em relao aos envolvidos. Trata-se de um ambiente habitado por pessoas que passam por momentos difceis de suas vidas, que, aps serem devidamente cadastradas, recebem senhas, que doravante, se constituem em pr-condies para suas relaes com o todo o sistema. Olhares desconfortados e passivos marcam a postura do usurio e, de certo modo, dos prprios trabalhadores desse sistema. revelia da introduo de novas tecnologias (indicadores eletrnicos, processos informatizados, informaes on line), as filas e decorrentes esperas permanecem, mas, em contrapartida, o atendimento pessoal fica reduzido ao tempo necessrio para uma consulta ao computador, que diz a ltima palavra, mesmo que seja a no rara informao de que o sistema caiu, retorne amanh. Mesmo numa observao ingnua, desconsolos e perplexidades so visveis, diante das informaes precisas, agora exigidas para que se possa participar desse novo ambiente. Uma certa passividade e distanciamento tambm permeiam o dia-a-dia de usurios e trabalhadores, diante da imaginria grandeza do sistema eletrnico. Por fim, o uso da ferramenta tecnolgica como recurso facilitador das operaes na previdncia, parece gerar uma resposta inversa, tendo em vista que, de um lado, verifica-se a dificuldade do usurio lidar com o aporte tecnolgico e, de outro, o trabalhador da Previdncia, que diante do teclado e atrs da tela, apresenta-se sujeitado aos recursos da mquina.

Essas experincias preliminares deram o tom da construo da pesquisa que, em ltima instncia, visa discutir os impactos das revolues tecnolgicas no cotidiano das pessoas. Alm disso, o estudo ganhou premncia, pois ao proceder a um levantamento sobre estudos j realizados nesse campo, no se puderam localizar publicaes que problematizassem a Previdncia sob o vis eleito. Optou-se, assim, por investigar os efeitos dos impactos tecnolgicos sobre a produo de subjetividade dos dois plos relacionais envolvidos no sistema previdencirio: usurios e trabalhadores.

A investigao encontra-se organizada em duas grandes frentes: o aprofundamento de algumas categorias tericas centrais para a anlise do problema e a realizao de uma pesquisa de campo sobre a realidade digital no cotidiano dos usurios e funcionrios da agncia da Previdncia Social da cidade de Barra Mansa, localizada no Rio de Janeiro.

A escolha das categorias tericas para anlise do objeto recaiu sobre: (1) o prprio conceito de revoluo tecnolgica e de capitalismo tecnolgico, consistindo em uma descrio sobre a era tecnolgica e a reformatao dos espaos sociais no mbito poltico, econmico, bem como das relaes humanas, a partir da globalizao e do impacto das tecnologias de comunicao e informao sobre o capitalismo; (2) o trabalho e as mudanas de seu significado na realidade digital; (3) as polticas sociais na contemporaneidade e a realidade da Seguridade Social Brasileira nos servios da Previdncia Social (BEHRING, 2002; BEHRING, 2003); por fim, (4) engendrando todo o estudo, a problematizao do conceito de subjetividade e sua expresso na atualidade (MANCEBO, 2003).

A pesquisa de campo est se desenvolvendo em trs etapas, a saber: coleta de dados, a observao do campo e aplicao de entrevistas semidirigidas. A opo pela triangulao metodolgica foi feita, pois possibilita o agrupamento das informaes coletadas, de modo que o estudo, cuja natureza qualitativa, possa oferecer um contorno do universo dos servios que incluem redes telemticas e suas repercusses no cotidiano das pessoas.

A primeira etapa do estudo de campo, que consistir na coleta de dados, tem como objetivo o desenvolvimento de uma pesquisa documental acerca da entrada da tecnologia na Previdncia Social, o processo de informatizao e o modo pelo qual os sistemas foram implantados e desenvolvidos. A Dataprev, a Empresa de Tecnologia e Informaes da Previdncia Social e, como tal, desenvolve e mantm os sistemas de informtica para o Ministrio da Previdncia. Atravs do contato com a gerncia de comunicao da empresa, j se encaminhou um questionrio para que informaes preliminares possam ser coletadas e relacionadas ao processo de implementao dos sistemas telemticos nas agncias.

A observao do campo, que visa a uma maior aproximao entre o observador e o objeto a ser estudado, prev o levantamento do cotidiano da agncia de Previdncia Social de Barra Mansa; uma descrio analtica do local e do seu funcionamento, de forma a se compreenderem os procedimentos operacionais do posto de servios, bem como dos registros de eventos e/ou ocorrncias inusitadas que se desenrolam nos setores de recepo e atendimento. Os registros sero feitos atravs de dirios de campo, com a transcrio literal dos processos observados.

Com as entrevistas semidirigidas, pretende-se contextualizar os reflexos da realidade tecnolgica nas relaes de trabalho, nos servios prestados e nas prprias relaes inter-humanas que se desenrolam nesse campo de prestao de servios. Pretende-se apreender a variedade de expresses e representaes acerca do impacto da realidade tecnolgica, tanto para o usurio, como para o trabalhador. Importa-nos, por fim, tentar compreender o que entendemos como sendo a conseqncia do impacto das tecnologias no cotidiano das relaes inter-humanas que apontam para a invisibilidade social.

Tendo em vista que j foi realizada uma aproximao preliminar no campo de pesquisa, possvel se afirmar que o interesse por essa investigao ratificou-se, pois se pde levantar uma srie de questionamentos acerca dos servios prestados que, uma vez mediados pelas redes telemticas, do densidade ao conceito de invisibilidade social, afetando inexoravelmente a subjetividade.

 


NOTAS
* Doutoranda do Curso de Ps-Graduao em Psicologia Social da UERJ. Professora da Universidade Estcio de S.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS
BEHRING, Elaine Rossetti. Poltica social no capitalismo tardio. So Paulo: Cortez, 2002.
______ . Brasil em contra-reforma: desestrutruao do Estado e perda de direitos. So Paulo: Cortez, 2003.
HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos. So Paulo: Companhia das Letras, 1996.
MANCEBO, Deise. Contemporaneidade e efeitos de subjetivao. In: BOCK, Ana Mercs Bahia. (Org.). Psicologia e o compromisso social. So Paulo: Cortez, 2003. p. 75-92.




Recebido em :13/10/04
Aceito para publicao em: 01/03/04
Endereo: prialves@speedwave.com.br

 


Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com