A caligrafia da própria história: a potência da palavra em A terra dos mil povos

Gladir da Silva Cabral, Lucas Garcia Nunes

Resumo


No último século, muitos escritores indígenas têm encontrado na educação e na literatura um espaço de resistência e luta. É o caso de Kaka Werá Jecupé, autor da obra A Terra dos Mil Povos: História indígena do Brasil contada por um índio, que será objeto de análise no presente trabalho, destacando a importância da tomada da palavra pelos povos originários, a reconstrução de sua história a partir da memória ancestral, em diálogo com o conhecimento a respeito dos indígenas produzido por historiadores e antropólogos brancos. Mobilizaremos, para isso, conceitos fundamentais neste trabalho, como tempo, memória, deslocamento e fronteiras. Dialogamos com estudiosos da obra de Kaká Werá, mas sobretudo com pensadores e autores indígenas, como Daniel Munduruku, Ailton Krenak, Eliane Potiguara e Davi Kopenawa. 


Palavras-chave


Culturas Indígenas; Ancestralidade; Nomadismo; Decolonialidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2022.63083

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Gladir da Silva Cabral, Lucas Garcia Nunes

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.