Entre Oswald e Oficina: as cinco faces do Mangue.

Luciana Ferreira

Resumo


O presente artigo busca tecer algumas reflexões sobre o percurso criativo feito pela Associação de Teat(r)o Oficina Uzyna Unona para construir cenicamente a zona de prostituição como espaço de diversas formas de opressão e dominação a partir da obra literária “O Santeiro do Mangue: mistério gozoso em forma de ópera”, de Oswald de Andrade. Para esta investigação procuramos também diferentes fontes de representação do Mangue em obras de artes visuais (em especial do período modernista) para relacionar a pluralidade de olhares e posicionamentos sobre o tema com o texto literário e sua apresentação no teatro, procurando abordar as interfaces entre literatura, teatro e artes plásticas. 



Palavras-chave


Oswald de Andrade; Oficina; Mangue; artes visuais; teatro.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2021.59134

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Luciana Caeté Busson Ferreira

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.